Posted by : Dento Aug 23, 2018



Quarta-feira, 10:02 da manhã.



Dias se passaram desde os acontecimentos no Lago dos Magikarp, mas o assunto ainda era noticiado nos telejornais. Os rostos de Ethan, Amy e Forrest eram associados frequentemente a atos heróicos no, agora rebatizado pela mesma imprensa, de “Lago da Fúria”. Muito provavelmente, a legenda de heróis se devia ao fato de que os três foram vistos lutando junto com Red, Lance e Bruno, os maiores treinadores do continente, além de terem feito parte da Elite 4.

Nenhum dos três, no entanto, tinha saco ou paciência de dar entrevista para as emissoras.

Vivian Chevalier, no entanto, adorava. Ela se sentia uma verdadeira celebridade, sendo perseguida pelos repórteres que procuravam alguma declaração — muitas vezes nem sobre ela própria, mas sim, sobre os outros. Ela fez questão de arrumar um par de óculos escuros e um cachecol para que pudesse montar sua persona e fugir dos repórteres como as divas de Hollywood faziam. Quando via um repórter, a garota botava a mão no rosto para evitar que os paparazzis tirassem fotos dela, sem saber que eles na verdade não estavam nem um pouco interessados em sua pessoa.

No Centro Pokémon de Mahogany, Amy terminou de se recuperar sob os cuidados da Enfermeira Joy. Ethan também, após receber uma bronca terrível por ter fugido do hospital e ser obrigado a revelar como conseguiu tal feito. Ele explicou que havia conseguido fugir com a ajuda de Sandslash, que recuperou roupas para o garoto vestir e, juntos, pularam a janela dos fundos do hospital, sem serem percebidos. O saguão estava cheio aquele dia devido à chuva, então foi relativamente fácil para o garoto escapar sem ser percebido.

Apesar de tudo, Joy estava aliviada e até mesmo grata. Mesmo que Ethan tivesse sido um paciente teimoso, foi graças à rebeldia que tudo havia se acalmado no Lago da Fúria.

Ele, Amy e Forrest hospedaram-se no mesmo quarto. Mesmo que quisessem, não seria tão fácil escolher outro lugar nas redondezas para ficar, afinal, a imprensa cercava o Centro Pokémon dia e noite esperando os garotos saírem. Ainda que fosse um hospital público, Lance havia conseguido com os demais membros da Elite 4 uma liminar que impedia que os repórteres invadissem o Centro Pokémon à força para procurar os garotos lá dentro. Mesmo com toda a patrulha, Forrest ainda era o único a insistir para o lado de fora para encontrar-se com Bruno. O moreno voltava de madrugada e saia logo pela manhã. Ethan e Amy até tentaram esperar o amigo para conversarem, mas Forrest nunca tinha um horário fixo. Após alguns dias, eles decidiram que dormir era mais importante do que esperar um bom momento para pegar Forrest de surpresa.

***

Red e Lance continuavam a investigação para descobrir onde encontrava-se o quartel general da Equipe Rocket. Eles sabiam que não podia se tratar de um simples esconderijo, os Rockets, para poder causar tamanho estrago sem precisar aparecer pessoalmente, deveriam ter construído um mega complexo administrativo subterrâneo.

Encontrar ele era o desafio.

Os dois chegavam aos limites da Cidade de Mahogany, onde iniciava a Rota 44. A dupla via dúzias de Aipom subindo árvores, uma revoada de Spearow cruzando o céu, diversos Bellsprout caminhando sobre a grama, mas nenhum tipo de porta para algum tipo de bunker maligno desenvolvido pela máfia.

Red soltou um suspiro.

— Confesso que eu subestimei a Equipe Rocket... Eles souberam ocultar muito bem seu esconderijo dessa vez.
— Mesmo que a Elite 4 esteja ciente, eles só poderão agir quando encontrarmos a localização exata do quartel-general. Já basta a imprensa enchendo a paciência no Centro Pokémon...
— Você acha mesmo que aqueles garotos ficarão bem?
— Não me leve a mal, mas eu acho que eles estão servindo muito bem de distração. O que aconteceu no lago foi só a cereja do bolo.
— Mas a minha preocupação é a Amy. Imagina se eles descobrem que ela foi uma agente da Equipe Rocket? Ela se tornaria um bode expiatório enorme.

Lance olhou para Red e hesitou por instantes.

— Seria realmente terrível se por acaso descobrirem que... A Elite 4 e Red ocultaram da polícia que uma agente de alto nível da quadrilha mais procurada do planeta está vivendo por aí como uma simples treinadora...

Red encarou Lance.

— Eu realmente acho muito estranho ninguém ter percebido a fixação deles por ela.

O campeão da Liga Pokémon sorriu de forma cínica.

— Imagina que terrível seria se essa informação vazasse.

A atenção dos dois foi tomada por Bruno e Forrest, que, suados após mais uma sessão de treinamento na Rota 44, aproximavam-se da entrada da cidade.

***

Enquanto Amy tomava banho, Ethan permanecia deitado na cama do hotel no andar superior do Centro Pokémon. Olhava para o teto no maior tédio, esperando o tempo passar. Com o cair da tarde, a falta do que fazer dava a impressão que o cérebro do garoto iria derreter. Com a imprensa que não arredava o pé no lado de fora, o que Ethan fazia era, além de dormir e comer, puxar conversa com Amy. Os dias perdidos no Monte Mortar estavam sendo compensados naquele pequeno quarto.

Três batidas na porta fizeram Ethan voltar à realidade. Ao voltar sua atenção para a entrada do quarto, uma exclamação. Forrest havia acabado de entrar no quarto.

Ethan sentou na cama de forma tão rápida que sentiu uma fração de segundo depois sua coluna dando-lhe um sermão pelo ato inconsciente.

— E aí — cumprimentou o moreno. — Tem alguém no banheiro?
— A Amy está tomando banho...

A porta do banheiro abriu. Enrolada em uma toalha, Amy apareceu olhando Forrest como se estivesse vendo uma assombração. O garoto, no entanto, fixou seus olhos nos da garota de forma serena.

— Tudo bem se eu tomar banho?

Amy não respondeu. Apenas deu um passo para o lado, liberando a porta. Forrest passou por ela e fechou o banheiro. A garota sentou na cama ao lado de Ethan, que ficou vermelho. Sutilmente, pegou o travesseiro e colocou em seu colo.

Os minutos pareceram uma eternidade. Amy e Ethan não trocavam nenhuma palavra enquanto ouviam a água do chuveiro bater no piso do box do banheiro. A tensão crescia a cada segundo que passava devagar. Gotas de água escorriam desenhando o contorno do rosto de Amy e pingando no chão do quarto. A toalha agora já havia ensopado o lençol que cobria o colchão da cama de Ethan, mas o garoto não reclamou. Na verdade, ele sequer estava prestando atenção.

Quando Forrest saiu do banheiro, a única coisa que mudou foi que o garoto dirigiu-se para a cama de baixo do beliche do quarto e sentou-se no colchão de frente para os garotos. Sua presença ali deixava o ambiente ainda mais tenso. Agora eram três pessoas que nada diziam.

Ethan continuava vermelho. Amy mantinha sua expressão de completo espanto enquanto Forrest possuía um ar tranquilo, como se a aura negativa presente naquele quarto não o atingisse. Calmo e sereno, o garoto repousou as mãos no colo e fitou o chão, pensando em como se dirigir aos dois. Ethan e Amy aguardavam as palavras do moreno de uma forma bastante apreensiva.

— Eu não vim aqui para me desculpar com vocês, muito menos pra ser perdoado.

As primeiras palavras de Forrest chegaram como um soco nos ouvidos de Amy e Ethan.

— Mas, mesmo assim, eu preciso conversar com vocês. Se depois dessa conversa vocês decidirem seguir viagem sem mim, eu irei entender.

Amy fechou os punhos e evitou fazer contato visual com Forrest. Ethan a olhou e viu a amiga começar a tremer.

— Eu acho que nós realmente precisamos esclarecer muita coisa, mas...
— Não, Ethan. Eu quero ouvir o que ele tem a dizer.

Amy estava séria. Ethan calou-se imediatamente. Forrest encarou a garota.

— Eu quero me tornar o sucessor do meu irmão como Líder do Ginásio de Pewter. Foi pra isso que eu saí em jornada e comecei a viajar sozinho. Então, eu conheci vocês, capturei novos Pokémon, visitei cidades que nunca antes pensaria em ver de perto. Eu realmente pensei que estava sendo útil, porque analisando as batalhas que vocês faziam, achei que eu estava aprendendo. Mas eu percebi que a teoria sem a prática não vale de nada... Meus Pokémon não poderiam evoluir em batalhas se eu ficasse apenas observando. E eu percebi isso a alguns dias...

Memórias voltavam na cabeça de Forrest. O garoto fechou os olhos e deixou que aquelas lembranças invadissem sua mente.

...

O companheiro de longa jornada de Forrest saiu da PokéBola e alongou seu poderoso corpo. Depois de um bom tempo, ele estava de volta para lutar.

— Comece — pediu Argenta.
— Muito bem então. Rhyhorn, Take Down!

Rhyhorn saiu em disparada em direção ao oponente, pegou impulso e saltou, caindo em cima de Kabutops. O ataque, porém, também machucou Rhyhorn.

Mas Argenta pareceu não se incomodar.

— Night Slash — disse ela de uma maneira tão calma que parecia até desdenhar.

As poderosas lâminas de Kabutops ergueram o pesado Rhyhorn e o arremessaram para cima. Com uma velocidade impressionante, o Pokémon fóssil partiu para cima do oponente cortou sua pele dura com suas foices afiadas, arremessando-o para fora da arena.

— Rhyhorn! — Exclamou Forrest. — Erga-se! Use o Rock Blast!
— Waterfall.

Kabutops envolveu seu corpo com uma poderosa rajada de água. Então ele moveu seus braços e partiu o chão em dois. Um poderoso gêiser surgiu do buraco e atingiu em cheio Rhyhorn, que caiu nocauteado.

As pessoas na plateia prenderam a respiração. O resultado da batalha foi muito rápido... Aquilo nunca havia sido visto por nenhum olho humano. A força de Kabutops era sobrenatural.

Forrest retornou seu Pokémon e ouviu Argenta se aproximando.

— Eu derrotei você com apenas dois golpes. Dois. E você ainda se considera um treinador dos tipos Pedra? — questionou para o garoto.
— Eu... — Forrest ia tentar se explicar, mas foi interrompido por Argenta, que aproximou-se de seu ouvido.
— Se eu soubesse que iria perder tempo com alguém como você, eu teria escolhido outra pessoa para lutar em seu lugar. Você nunca irá assumir o Ginásio de Pewter se você continuar pensando como um treinador medíocre.

Forrest olhou para Argenta com os olhos cheios de lágrimas.

— Argenta, eu...
— Garoto, você diz que é meu fã, mas nem parece se inspirar em mim. Espero que da próxima vez que o encontrar, você pelo menos consiga aguentar mais de cinco minutos numa batalha Pokémon.
— Forrest! — Chamavam Amy e Ethan da plateia.

Argenta deu de costas e voltou a sorrir para o público.

— Essa é a verdadeira força de um Cérebro de Fronteira. Claro que isso ficaria mais evidente se eu tivesse a oportunidade de batalhar com um treinador poderoso de verdade. — A mulher encarou Forrest, que fechou os pulsos e olhou para o chão, morrendo de vergonha.

Ethan e Amy olhavam surpresos para o amigo.

— Ela disse isso mesmo? — Ethan parecia não querer acreditar que uma treinadora tão incrível podia ser ao mesmo tempo uma pessoa tão estúpida.
— Imaginem como eu me senti naquele momento. Era a constatação de que eu havia chegado enfim ao fundo do poço da mediocridade. Eu disse que não ia pedir desculpas, mas eu realmente sinto muito por ter atacado vocês. Eu estava com os nervos à flor da pele e não pensei muito naquela hora... Eu só queria fugir dali. Liguei para meu tio, Bruno. Ele é integrante da Elite 4.
— O Bruno é seu tio?! — exclamou Ethan, surpreso.
— Sim. Eu não sabia exatamente como começar a me tornar um treinador melhor, então liguei pra ele e pedi ajuda. Deixei todos os meus Pokémon para trás e acabamos treinando dias e noites a fio lá dentro do Monte Mortar. Foi um processo doloroso, porque eu tive que crescer física e mentalmente, me tornar uma nova pessoa. Alguém que não podia ter medo de enfrentar desafios. Tio Bruno me ajudou com isso. Ele me batia, me fazia socar pedras e rochas, me fazia ficar horas sem comer.
— Isso não é treinamento, é tortura! — Ethan indignou-se mais alto do que deveria.

Forrest sorriu.

— Eu também pensei que fosse, mas dessa forma, explicando da melhor maneira, eu pude reprogramar meu corpo. Pensar melhor, melhorar meus reflexos e, principalmente, entender a natureza que vive ao meu redor. Só então eu pude entender que um treinador não comanda Pokémon. Ele divide forças. E isso fez toda a diferença pra mim.

Forrest voltou a repousar o olhar no piso que revestia o chão do quarto. Ethan continuava olhando o amigo de maneira surpresa. Nunca poderia imaginar que ele havia passado por tamanha situação para poder tornar-se mais forte. Amy fechou os punhos.

— Não é sobre a quantidade de coisas que você enfrentou para se tornar uma pessoa melhor. É sobre o que fizeram por você nesse período. Ethan, eu, seus Pokémon... Todos nós quase morremos indo atrás de você, que havia sumido sem dizer nada — a garota ergueu pela primeira vez os olhos azuis em direção ao moreno. — Não menospreze a nossa amizade, nosso amor por você por causa disso.

Forrest tremeu. Ethan ergueu as sobrancelhas para a amiga, emudecido.

Ela levantou-se da cama e dirigiu-se de volta para o banheiro. O moreno então sorriu.

— Então, no fim das contas, tudo acaba assim, não é? Por causa do amor...

Amy parou antes da porta fechar totalmente.

— Sim. Afinal é por ter amado demais que Julieta acabou se suicidando.
— Eu te amo, Amy.

A garota ficou vermelha. Ethan paralisou no lugar. Forrest evitou fazer contato visual. Sua voz ecoava pelo quarto mais tempo do que deveria.

— Você... O quê...? — Ethan gaguejava. Sua pele estava mais rubra do que um rubi.
— Sim, eu te amo, Amy — Forrest voltou a dizer, dessa vez, fixando finalmente seus olhos na porta semi-fechada do banheiro.

Após alguns segundos de um silêncio mortal, a voz de Amy ressonou de dentro do banheiro.

— Preciso me vestir.

Segundos depois, Ethan e Forrest ouviram a porta fechando e a tranca sendo ativada.

Forrest se levantou e deu alguns passos em direção à porta fechada.

— Entenda isso como quiser. Como prova de amor, eu vou te dar um aviso. Fique longe de Red e Lance, eles irão entregar você aos Rockets.

Amy destrancou a porta e abriu poucos centímetros, o suficiente para que ela pudesse olhar o rosto do moreno.

— O que disse?
— Eu os ouvi comentando isso hoje, quando eu voltava de uma sessão de treinamento com meu tio.
— Deve haver algum engano, Forrest. Isso não pode ser verdade, eles nos ajudaram no lago dos Gyarados... — Ethan tentou argumentar.
— Ethan, isso não é uma mentira. Eu ouvi alto e claro. Tome cuidado, Amy.

A garota encarou Forrest por alguns instantes antes de voltar a fechar a porta. O moreno então caminhou até a saída do quarto.

— Aonde você vai? — perguntou Ethan levantando-se da cama.
— Treinar.
— De novo? Ei, espera aí!

Amy ouviu quando os dois deixaram o quarto. A garota sentou-se no chão frio do banheiro, encostando-se na porta e deixando as lágrimas de medo escorrerem sobre os seus olhos.

— Como é que eu vou fazer agora?

No longo corredor que dava para as escadas que dividiam as suítes de hospedagem dos andares de enfermaria, Forrest continuava a ignorar as perguntas de Ethan. O moreno evitava fazer qualquer tipo de contato visual com demais treinadores que passavam por ele no caminho que levava até o hall do Centro Pokémon. Não parecia estar nervoso, mas seu corpo estava enrijecido de tensão.

Forrest desceu as escadas, alcançou a recepção e parou abruptamente, virando-se com o dedo em riste para o rosto de Ethan.

— Eu tenho uma ideia. Vamos entregar a Amy para os Rockets antes do Red. O que acha?

Ethan engasgou.

— O quê?! Você ficou maluco? Que história é ess...

Forrest aproximou-se e cochichou algo no ouvido do garoto. Era inaudível ao ponto de que as pessoas olhavam a expressão de Ethan e só podiam acreditar que ele estava recebendo a notícia da morte de alguém.

Ethan tremia incontrolavelmente. Ele não conseguia fazer nenhum tipo de contato visual com Forrest, que falava com a maior tranquilidade um absurdo daqueles. O garoto fechou os punhos, tentando involuntariamente manter algum tipo de controle de si próprio.

— Como assim... Entregar a Amy? Você não disse... Que amava ela... Agora a pouco?

Forrest olhou para Ethan e deu uma risadinha sarcástica.

— Ora, mas não foi ela mesma quem disse? Na história, Julieta amou tanto Romeu que morreu por ele. Se eu a amo, preciso dar ela em sacrifício.

O moreno só sentiu a dor quando caiu ao chão. Seu rosto doía imensamente. Levou a mão até o local da pancada para tentar mensurar a dor.

O punho de Ethan permanecia parado no ar. Sua expressão de fúria assustou Forrest, que nunca havia visto o amigo daquele jeito antes. Como ele podia falar coisas tão absurdas de maneira tão natural?

— Isso não vai ficar assim! Eu vou falar tudo pra Amy!

Forrest levantou-se do chão, ainda com a mão no rosto, e sorrindo olhou para Ethan.

— Não, você não vai. Fazendo isso, você vai fazer ela suspeitar de você também, e aí sozinha, fica mais fácil para os outros pegarem-na. A escolha é toda sua.
— Mas se eu me explicar, ela não vai...
— Você acha mesmo? Você realmente acha que ao contar sobre nossa conversa, ela não vai olhar pra você de uma forma diferente? Não se iluda Ethan. Até logo.

Forrest virou-se de costas e avançou para a saída do Centro Pokémon, deixando um Ethan em estado de choque para trás.

Ao voltar para o quarto, deparou-se com Amy escovando os cabelos. Ela assustou-se ao ver a expressão do garoto.

— Ethan, está tudo bem? Onde está o Forrest?

O garoto olhou para a amiga e sua voz sumiu. As lágrimas tentaram tomar conta do rosto do menino, mas ele piscou algumas vezes para controlá-las.

— Não é nada. Ainda estou processando tudo o que aconteceu. A história do Forrest, você sendo ameaçada por duas pessoas que eu pensava serem aliados... Eu não sei o que fazer.

Amy suspirou. Colocou o pente sobre a cama e aproximou-se do garoto, que tremia de nervoso.

— Pelo menos nada de ruim pode acontecer com a gente enquanto estivermos juntos, não é? — e sorriu.

Ethan hesitou antes de responder numa mentira descarada.

— …Você está certa.

O garoto não conseguiu dormir aquela noite.

Lance, do lado de fora do Centro Pokémon, terminava de digitar um número no telefone celular.  Foi Koga quem atendeu.

— Encontramos o quartel-general onde a Equipe Rocket se esconde. Venha e traga os outros com você. Bruno e Red já estão presentes.

Koga hesitou por alguns segundos antes de responder.

— Certo. Estamos a caminho.


ETHAN saved the day.


{ 13 comentários... read them below or Comment }

  1. Dento, má quê que é isso? Forrest disse que ama a Amy, para logo após dizer ao Ethan que por tal ele deve entregar ela aos Rockets, sem mais nem menos? Uau. All Forramy, or no? Desculpa a piada escrota, não resisti.

    Mas cara, muito interessante os ocorridos, creio que esse Ethan recém esbabacado pelos fatos vai ser bacana de assistir. Fora isso, estou gostando de ver o rumo da história com os Rockets, está muito interessante ver o andar da carruagem, mas esse Koga ao fim... Muito suspeito mano... Muito suspeito...

    Mas bem, é só o que eu gostaria de dizer. Então, até a próxima!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Sir!

      Sim, maninho! Qual será a verdade? O que acontecerá de verdade? Eu to doido pra descobrir também! Seria Forramy um shipp possível? HEUAHEUHUEHE

      Fico feliz que você tenha curtido! Nessa reta final de temporada, to me esforçando pra deixar as coisas ainda mais interessantes. Ethan, Amy e Forrest agora tendem a serem protagonistas separadamente e a lidar com conflitos sozinhos. Será que isso vai dar certo? Vamos ver.

      Ah, Koga... Mal chegou, e veio com tudo. Ansioso pra ver os demais membros da Elite 4 também. Agora é ver onde vai dar essa treta toda.

      Espero que continue curtindo!

      See ya!

      Delete
  2. Que comecinho nostálgico mano, o gif ficou excelente! Bateu forte a vontade de inserir a intro de G/S quando você jogou Pokémon no Game Boy aqui de casa? kkkkk Pô, se atentou até o detalhe do número de insígnias e o spritezinho da Amy lá embaixo, ficou muito caprichado.

    E quanto ao capítulo, enquanto eu esperava um reencontro repleto de flores e purpurina, você nos entrega um clima de tensão que consome todos. Você sabe que eu gosto mais dessas brigas psicológicas do que cenas de ação e batalhas intensas, e o 47 em especial nos aproxima do ápice de todo esse arco. Cada capítulo que passa, mais eu me pergunto se algum dia as coisas vão voltar a ser como eram, com esses três viajando pelas rotas iniciais e se metendo em encrenca como na vez do Farfetche'd e dos Wooper, participando de campeonatos de insetos e afins, mas a história foi crescendo e os personagens também, não há mais espaço para esses eventos... Não que eu esteja reclamando, acho incrível a maneira como toda história cresce a esse ponto, a segunda temporada tem um clima tão diferente da primeira, e o Sr. PresiDento está colocando em prática todo seu cuidado com roteiros que só começam a se encaixar lá para frente. Essa treta dos Rockets ainda tem muito chão na terceira temporada kk

    Reclamei tanto do Forrest e agora aí está ele, fazendo todo o roteiro andar. Há tempos muita coisa gira em torno dele, você está fazendo mesmo um trabalho incrível! E essa pegada de "eu te amo" não colou para mim. Essa pequena frase é muito poderosa, mas enquanto as palavras da Amy foram carregadas de amargura, sinceridade e saudade, a do Forrest pareceu uma... máquina, quase como se ele estivesse enfeitiçado. E ainda por cima, espalhando intriga entre pessoas antes tão unidas, isso é cruel e também MUITO BOM! O leitor acaba sofrendo com eles, mal posso esperar pelo próximo capítulo. Acho que o reencontro feliz entre os três que eu esperava vai ter que ficar para depois haha. Grande abraço!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Canas!

      Se é pra fazer, a gente faz direito! Sobre a inspiração, acho que pode ter sido. Kkkkk Achei uma forma original de mostrar o tempo passando nesse arco e fico feliz que você tenha aprovado!

      Plot twist: Purpurinas agora não! Os personagens ainda não merecem. HEAUHEUEAHUEAHEA A gente continua com o clima tenso só tentando imaginar como é que isso tudo vai se resolver. Nossos personagens estão começando a ter problema de gente grande, e é interessante trabalhar com isso, fazer o leitor sofrer junto comigo e com os personagens. Afinal, cada capítulo recém-escrito é postado aqui, então é fresco pra mim que escrevo e pra você que lê. A gente acompanha junto as loucuras que a história reserva, e eu acho isso o maior barato.

      Siiim! Agora o Forrest tá só elogios. Ethan e Amy tiveram momentos de destaque na história, memoráveis, agora acredito que o Forrest esteja tendo o dele. E fico satisfeito que ainda que tenha demorado, foi natural essa evolução dele. Forçar a barra seria deixar a história tediosa, e eu não queria isso - e nem vocês merecem. Mas eu acredito que o "eu te amo" dele tenha sido verdadeiro. Agora resta saber em qual sentido ele quis dizer isso. Se é que teve mesmo...

      Um dia quem sabe o encontro purpurina acontece. Até lá... Vamos ter que ver os conflitos se resolverem. EHUAHEAUAHEUEAH

      Espero que continue curtindo! E obrigado pelo feedback, muito!

      See ya, man! ♥

      Delete
  3. Faz sentido um jovem que convivi com uma garota se apaixonar por ela, o que não faz sentido é o que ele fez nesse capítulo.
    Forrest recebeu uma pancada tão forte que deixou ele doido, sø pode. É isso que o treinamento do Bruno faz com as pessoas, o ministério da saúde adverte.
    Mas olhando assim, se eu fosse um personagem acompanhando outras pessoas numa jornada onde eu sø fico de escanteio eu ia me chatear...
    Red e Lance, o poder subiu a cabeça.
    Pelo título eu achei que seria uma batalha de ginásio, mas acabou sendo um ótimo capítulo de transição.
    No mais é isso, ansioso para ver o que vai acontecer, será que o Forest vai abandonar o grupo?
    Acho que não, mas é esperar pra ver.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Alefu!

      Crushes pra cá, crushes pra lá, aqui o negócio é levado aos extremos, né? Eu realmente to curioso pra saber os próximos acontecimentos. Até porque é engraçado eu me pegar sabendo que o Forrest se declarou pra Amy e logo em seguida se pegou disposto à entregá-la para a Equipe Rocket. Se isso é uma forma de demonstrar amor, eu não quero nem saber como ele demonstra que odeia alguém. HEAUHEAUEAHEAUEAHUEAH

      O título do capítulo tem esse duplo sentido mesmo, mas ele foi dividido em duas partes porque, enquanto escrevia, senti que não seria legal focar no assunto abordado nele e ao mesmo tempo na batalha de Ginásio. Forrest "quebrou o gelo" que havia no grupo após sua saída. Ethan "quebrará o gelo" (literal) na batalha pela sétima insígnia. Eu to curioso pra saber como o Ethan vai saber lidar com tudo isso, afinal, ele pareceu bastante afetado nessa história toda, né?

      Espero que você continue curtindo!

      See ya!

      Delete
  4. Eu acho que o Bruno fez o Forrest bater com a cabeça nas rochas algumas vezes, não tem outra explicação. O que restava de juízo na cabeça do garoto agora perdeu-se completamente! (Agora vi que o Alefu comentou a mesma coisa kkkkk)

    Mano, o Red e o Lance querendo entregar a Amy para a Team Rocket já era de se esperar, agora o Forrest nem de perto é o cara que eu imaginaria tomando essa iniciativa, primeiro pela própria natureza dele, e segundo por tudo que eles passaram juntos. A reação do Ethan foi esperada, eu já estava prevendo esse soco antes do Forrest começar a explicar as coisas, e embora eu tenha certeza de que ele tem algum plano por trás desse ato insano, ainda é supreendente vê-lo agir com tanta frieza depois de 50 capítulos o tendo como o personagem mais sensível do trio.

    O esconderijo foi encontrado, então agora o pau vai quebrar. Eu lembro no Pokémon Crystal que o Dragonite do Lance chegava dando um porradão no cara que guardava a escada ali, e eu penso desde aquela época: como esse maluco sobreviveu? Porque mano, era tipo... UM FUCKING DRAGONITE!

    Bora fechar essa saga daquele jeito, man! Mal posso esperar pelo próximo capítulo!

    Até! o/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Shadow!

      Ah, esse treinamento... Deve ter sido algo bastante intenso. Fluidos cerebrais devem ter saído junto com o suor do Forrest. HEUAHEAUHEAUEAHUEAH

      PLOT TWIST: Forrest é o verdadeiro vilão dessa história. POR ESSA VOCÊ NÃO ESPERAVA, NÃO É MESMO? AUEHAEUEAHUEAH Eu também ando curioso pra saber onde isso tudo vai dar. Quem diria que o Forrest estaria movendo a história, não é mesmo? Quem lê os capítulos no começo de Alma de Prata jamais apostaria nele.

      Temos o endereço, agora é só mandar o buquê de flores. Não, pera aí, acho que não é bem isso que a gente faz numa hora dessas... EHAUHEUAEHEAUH NOSSA, MELHOR PARTE DE GSC! Acho que ele sobreviveu porque pelo menos até Diamond and Pearl, ninguém costumava morrer em Pokémon... Mas estamos numa fic, então a gente pode fazer um Magikarp estourar crânios de treinadores desatentos.

      Vamo que vamo que o trem de Mente de Cristal já tá chegando na estação!

      Espero que continue curtindo!

      See ya!

      Delete
  5. Replies
    1. Você é a melhor pessoa desse mundo. EHAUEAHUEAHEAUEA ♥

      To be continued... NA QUINTA-FEIRA, MEIA-NOITE!

      All aboard the hype train! CHOO CHOO

      Delete
  6. Porra, Dento! Você nunca pára de surpreender?!

    O reencontro fofinho que todos nós esperávamos não aconteceu... e agora a pergunta é, alguma vez vai acontecer realmente?

    Eu não sei exatamente o que está acontecendo com Forrest mas... eu quero acreditar que ele ainda está no lado certo da história. Isto é apenas a sua forma de lidar com as coisas e talvez resolver, por ele mesmo, os problemas de Amy e Ethan? Ou então ele enlouqueceu mesmo e, sendo assim, pode ir embora já.

    Eu quero ver como isso tudo se vai desenrolar! Vem confronto com Team Rocket!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Angie!

      Fico feliz por ter um feedback assim. kkkkk Acho que a surpresa vem da imersão, e a imersão pra mim é difícil de ser capturada, porque ela não pode ser inventada ou obrigada a existir. A gente se dedica a escrever algo que seja bom e o resultado final sempre vai muito além das nossas expectativas!

      Ah, meu querido, você acha mesmo que agora que eu gostei de tacar FOGO NO PARQUINHO eu ia fazer reencontros bonitinhos? NADA DISSO, tem que queimar tudo mesmo! HEAUHAEUHEAUEAH

      Forrest tá tendo um baita destaque, né? Só que eu não posso responder pra você o que está acontecendo, até porque EU MESMO NÃO SEI O QUE ESTÁ ACONTECENDO, logo, eu fico roendo as unhas das mãos que nem você. Você acha que ele tem salvação? Nada como ter um protagonista que anda agindo como um... Ou seja, carregando as tretas da história nas costas enquanto os outros ficam totalmente perdidos kkkk

      Espero que você continue curtindo!

      See ya!

      Delete
  7. De todos os diálogos que você já fez até agora, esse foi o mais interessante e bem bolado. Eu queria mto ver como seria a volta do Forrest para o grupo, mas ela ocorreu de uma maneira que eu realmente não esperava. Nada de florezinhas e discursos de boas-vindas, o cara continuou sumidão e tacando o foda-se geral.
    Sei lá, eu gostei muito da maneira como fluiu a cena deles juntos sabe, até dessa coisa da Amy parar para se vestir no meio da conversa. Pareceu que dessa maneira a coisa foi muito mais espontânea.
    Puts, essa declaração do Forrest, bem, eu não vejo ele gostando da Amy no sentido romantico apesar de já ter pensado alguma vez que isso poderia acontecer. Talvez pelo fato dele estar tão diferente que faça estar difícil pra mim vê-lo assim.
    AAAAAA Ainda bem que o Ethan acertou um socão no Forrest, eu já tava esperando que ele fizesse isso hora ou outra. Apesar de ficar brava com o Forrest pela ideia maluca, penso que ele deva ter algum plano por trás dela porque ele gosta mto dos amigos pra simplesmente virar e falar que vai entregar a Amy.
    Um comentário sobre essa última, a medida que vai ficando mais humana e suas emoções vão ficando mais explicitas estou gostando mais dela. Eu creio que isso esteja ocorrendo mais pela sua evolução como escritor em mostrar ela de melhor maneira para os leitores do que o fato dela agora estar menos contida com relação a seus sentimentos.
    Estou chegando no final da temporada e quase me atualizando nos caps. UHUU!

    ReplyDelete

- Copyright © 2015 - 2019 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -