Posted by : Dento May 12, 2016




Ethan, Amy e Forrest já estavam caminhando pela Rota 36 há horas. Seu objetivo de chegar à próxima cidade ainda naquela noite estava parecendo que seria adiado.

— Vamos ter que passar a noite aqui... — Comentou Forrest.

Ethan suspirou.

— Não temos muita escolha, não é mesmo?

Amy cruzou os braços e fechou a cara.

— Eu vou precisar de mais repelente. Me recuso a dormir com pernilongos me atazanando.

Os garotos montaram suas barracas, acenderam uma fogueira e Forrest começou a cozinhar. Os Pokémon foram soltos de suas PokéBolas e juntaram-se a seus treinadores.

Quilava, Sandshrew, Wooper, Butterfree, Shuckle, Heracross, Graveler, Rhyhorn, Sudowoodo, Venonat, Dewgong, Primeape, Gastly e Pidgeot confraternizavam entre si.

Depois que todos jantaram e passaram um tempo jogando conversa fora, o sono bateu. Os jovens então guardaram suas coisas e estenderam seus colchões no chão, deitaram-se e nem se deram ao trabalho de apagar a fogueira, visto que seus Pokémon ainda estavam acordados. Adormeceram rápido devido ao cansaço.

Venonat estava sentada sozinha próxima à fogueira. Sandshrew aproximou-se da mais jovem e tentou puxar assunto.

“Ei, gatinha, por que você está isolada?”, perguntou o mais velho. “É que eu me sinto meio solitária aqui...”, respondeu a jovem.

Quilava tomou coragem ao ver seu melhor amigo Sandshrew tomando a atitude e aproximou-se também.

“Nós somos seus amigos também. Não precisa ficar tímida”. — O Quilava sorriu. Venonat pareceu um pouco mais confortável.

Wooper, que estava quieto só observando, manifestou-se. “Eu não ligo de ter uma irmãzinha, alguém do meu tamanho... A gente pode aprender a nadar e aprender golpes juntos!”

Venonat ficou corada. “Mas é que... eu não sei nadar. Eu tenho medo de água”.

O Wooper pareceu desolado e começou a chorar de desgosto. Butterfree se aproximou do pequeno. “Não fique assim, meu bem. O tio Dewgong pode te treinar na água.”

Dewgong encarou a borboleta com um olhar irônico. “Eu tenho cara de babá por acaso, mulher? Sou do luxo, dá um tempo”. Butterfree o encarou com um olhar mortal. “Se você não fizer o que eu mandar, vou te hipnotizar e mandar você fazer coisas que vão te torturar pelo resto da vida, seu peixe gordo!”

O Dewgong começou a chorar de tristeza. “Você é uma Pokémon muito má! Eu não sou gordo, eu só preciso malhar mais, tá?! E EU SOU UM LEÃO MARINHO, TÁ? NÃO ME CONFUNDA COM UM PEIXE FEDORENTO, ai, credo, quero nem imaginar, que horror!”

Graveler se meteu. “Ela não precisa nadar. O titio aqui vai ensinar umas técnicas maneiraças pra ela, tá ligado? Fazer a terra tremer e tudo mais! Devastação total!”

A pequena Venonat, tímida que era, respondeu. “Acho que a minha área é mais com a tia Butterfree ali, tio...”.

Houve um falatório imenso no local. A Pidgeot se irritou e bateu suas poderosas asas, produzindo uma enorme ventania que silenciou a todos ali.

“Muito bem, acabou a farra! Se os Mestres acordarem por causa de vocês, eu penduro cada um de ponta cabeça na árvore mais alta!”. Ela era a líder do grupo porque era a mais velha. Amy a adquirira quando ela era apenas uma Pidgey. Ela enfrentou muitos desafios difíceis com sua treinadora e devia a ela um grande respeito. Ela herdou o temperamento de Amy, fazendo assim com que ela, literalmente, mandasse em todo mundo.

“Você disse que ia colocar geral de ponta cabeça. Mas e quem sabe voar?”. Heracross perguntou de forma irônica, abrindo suas asas e as exibindo para os colegas.

Pidgeot o encarou furiosa.

“Eu não como há dias. E você lembra que insetos são meu prato favorito, não é?”

Heracross engoliu em seco.

Rhyhorn, o segundo no comando, aproximou-se da chefona. “Achei que a senhora tinha comido há pouco com os Mestres...”. “Ele não precisa ficar sabendo disso.”, respondeu a enorme ave com um sorriso malicioso.

Pidgeot sorriu. “Pronto, agora podemos ter uma noite de descanso maravilhosa.”

Os Pokémon se deitaram ao redor de seus treinadores. Wooper apagou a fogueira com um pouco de seu ataque Water Gun. Todos começaram a adormecer.

Venonat percebeu o silêncio e encontrou a hora perfeita para sair dali. Ela tentaria encontrar algum motivo pra sua existência, mas longe dali. Dirigiu-se ao bosque da Rota 36 e saiu sem se despedir de ninguém.

Wooper havia percebido que não havia dado boa noite à sua amiga. Então levantou-se e dirigiu-se até onde Venonat supostamente estava.

“Ué...”, soltou o pequeno Pokémon quando não a encontrou.

Retornou até o acampamento improvisado e procurou Butterfree.

“Tia...? Tia...”, chamava Wooper. “Hã...? O que foi? O que aconteceu?”, perguntava Butterfree meio zonza de sono. “A Venonat não tá mais lá na árvore”.

Butterfree pareceu não ter entendido. “Como assim?”, perguntou a borboleta. “É, fui dar boa noite e ela não tava mais aqui... Será que ela tá fazendo cocô?”, perguntou Wooper em sua inocência.

Butterfree levantou-se depressa e foi checar com seus próprios olhos. Ela exclamou alto quando constatou o sumiço. “Essa não!”

***

Venonat caminhava sem rumo por aquele bosque escuro. Estava tão escuro que nem percebeu que havia um buraco no meio do bosque e acabou tropeçando, caindo dentro dele. Nem adiantou gritar, visto que não havia ninguém ali para ajuda-la.

***

Um grupo de Pokémon patrulhava aquelas bandas da Rota 36 naquela hora da madrugada. Eles estavam determinados a ajudar quem quer que fosse e manter a ordem, visto que muitos Pokémon baderneiros causavam bagunça por diversão.

Pichu, um ser amarelo, baixinho com as orelhas pontudas (com a ponta de uma delas dividida em três) e ouvidos atentos a qualquer pedido de ajuda caminhava com Psyduck, um pato alaranjado que sofria de dores de cabeça que nunca cessavam, Bulbasaur, que tinha semente nas costas e Magby, uma criatura cujo corpo era tão quente quanto um vulcão compunham o grupo que alcançava o acampamento. Eles perceberam o tumulto e foram saber o que estava acontecendo.



“Ei, pessoal, tá tudo bem?”, Pichu realmente parecia preocupado com aqueles estranhos.

 “Estamos procurando uma garota desaparecida...”, respondeu Blue, o Gastly.

“Então nós vamos ajudar!”, exclamou o Bulbasaur.

“E quem são vocês?”, Blue perguntou em tom irônico.

“Nós somos a Equipe de Resgate dos Corações de Ouro!”, entoaram os quatro Pokémon em uníssono.

O grupo de Pokémon pararam de procurar e deram atenção àquelas quatro pequenas criaturas que estavam ali. Eles eram muito pequenos, não deveriam ser levadas a sério. Eram como crianças que se vestiam de super-heróis e brincavam na rua de casa até seus pais chamarem e a brincadeira acabar.

“Vocês tão falando sério mesmo?”, perguntou Graveler.

“Sim. Nós resgatamos os Pokémon que costumam se perder na floresta!”, exclamava Pichu empolgado.

O pequeno Wooper aproximou tímido daquele estranho grupo de Pokémon. “Vocês vão salvar minha maninha?”.

“Sim!”, respondeu o Bulbasaur.

“Eu posso me juntar a vocês?”, Wooper estava fascinado.

“Todo mundo é bem-vindo na nossa equipe de resgate!”, Magby era quem parecia empolgado agora.

Pidgeot aproximou-se. “Bem... Está escuro e temos que procurar aquela pequena antes dos nossos Mestres acordarem com o nascer do Sol... Então, equipe de resgate... Vamos nessa!”

Os pequenos vibraram. Eles formaram uma roda e começaram a traçar um plano, bolar como cada um ia agir.

Rhyhorn aproximou-se de Pidgeot. “A senhora tem certeza de que quer esses pequenos ajudando?”. “Nunca duvide do potencial de um Pokémon. Mas, pra ter certeza, você, Heracross e Sandshrew irão atrás deles, os protegendo e se certificando de que nada de ruim acontecerá”, disse a Pidgeot.

Heracross que ouvia tudo, manifestou-se.

“Qualé, manola? Virei babá agora? Não trabalho de graça não.”.

Pidgeot o encarou com uma feição séria.

 “Não tira minha paciência e só faz o que eu mandei, antes que eu faça guisado de barata no jantar”.

“Não sou barata, sou besouro.”.

“Vou lanchar do mesmo jeito”.

Heracross fechou a cara, mas concordou.

As equipes foram divididas. Heracross, Sandshrew e Rhyhorn iriam seguir a equipe de resgate com a desculpa de que eles iriam dar um suporte, mesmo que a contragosto dos pequenos, que diziam que eles eram experientes. Wooper e Shuckle integraram o elenco daquele grupo. Os menores Pokémon, ao menos, estavam juntos (e Shuckle era só para dar um apoio à Heracross, Rhyhorn e Sandshrew caso as coisas realmente saíssem do controle). Pelo ar, Butterfree, Gastly e Pidgeot se revezavam para cobrir uma distância maior do que o grupo que ia a pé. Quilava, Graveler e Primeape formavam o segundo grupo que procurava Venonat em solo, porém, seguiam em direções diferentes das tomadas pelo primeiro grupo, o da equipe de resgate e seus seguranças. Para proteger Ethan, Amy e Forrest que dormiam tranquilamente no acampamento, Dewgong, Sudowoodo e Scyther ficavam atentos para espantar qualquer Pokémon ou humano e impedir que seus treinadores acordassem antes da hora, além de ficarem cuidando do ovo de Ethan que permanecia imóvel dentro da mochila do garoto.

Pelo primeiro caminho, Quilava, Graveler e Primeape caminhavam atentos a qualquer pequeno movimento. Não sabiam onde Venonat poderia se esconder e nem ao menos onde ela estava.

Um movimento próximo chamou a atenção dos três. Um Pokémon pequeno saiu de um arbusto ali perto e encarou curioso aqueles Pokémon estranhos.



“Oi, tios. Eu nunca os vi por aqui”, disse Teddiursa.

“Nós estamos só de passagem...”, respondeu Graveler sem dar a devida atenção para o Pokémon.

“Vocês estão perdidos?”, voltou a perguntar o pequeno urso.

 “Estamos procurando uma amiga”, disse Quilava, tentando cortar o assunto.

“Ah, tá... Não querem ajuda?”, perguntou o Teddiursa mais uma vez.

A paciência de Primeape esgotou. O Pokémon de Amy se dirigiu até o urso, pegou ele pela cabeça e colocou ele de costas, na intenção de fazê-lo voltar por onde veio.

“Escuta, pivete, a gente não tá com o tempo pra essas suas perguntas irritantes, então por favor, DÁ LOGO O FORA DAQUI!”, berrou Primeape.

Teddiursa calou-se imediatamente. Primeape voltou a se dirigir aos seus colegas de equipe. Foi quando ouviu a voz do pequeno soar mais uma vez.

“Vocês não deviam ter feito isso...”.

Teddiursa gritou alto. Tão alto que sua voz ecoou por todos os cantos. Até mesmo quando parou, o eco ainda permitia fazê-los ouvir por muitos segundos aquele grito agudo.

Um som de galho quebrando foi ouvido. Quilava, Graveler e Primeape se entreolharam.

Um urso com o triplo do tamanho de Teddiursa surgiu de dentro da vegetação. Seus olhos inflavam ódio. A mãe de Teddiursa, uma Ursaring selvagem, estava cega. Investiu imponente contra o grupo, sem se importar que estava lidando sozinha contra três oponentes.



“NÃO OUSEM MACHUCAR O MEU FILHO!!!”, berrava aquele poderoso Pokémon enquanto tentava atingi-los com Slash.

O grupo tentava se esquivar de todas as maneiras que podia, mas resistir não adiantava. Eles tinham que atacar.

Quilava envolveu seu corpo com chamas e atacou usando o Flame Wheel, atingindo Ursaring que pareceu não sentir nada. Graveler pensou rápido e rolou em alta velocidade pelo chão. Seu Rollout desequilibrou Ursaring e a derrubou no chão. Primeape aproveitou a oportunidade e atacou com Seismic Toss, enterrando o aquele poderoso corpo no chão.

Quando eles pensavam que a batalha tinha terminado, Ursaring levantou-se lentamente do chão. Sua ira havia chegado ao limite máximo. Com as duas patas, agarrou uma árvore, tirou ela do chão e a arremessou nos Pokémon, prensando-os. O Faint Attack fez a ursa desaparecer misteriosamente, aparecendo em seguida por detrás dos oponentes e os atingindo com um poderoso soco.

Um ataque aéreo surpreendeu Ursaring. Pidgeot usou suas poderosas asas para atingir o corpo da poderosa oponente com Wing Attack, arremessando-a para longe. Butterfree sobrevoou o local soltando um pó púrpuro de suas asas. Um poderoso sono repentino fez Teddiursa e sua mãe sucumbirem no chão da floresta.

“Vocês não conseguem fazer nada sem as mulheres, né?”, perguntou Pidgeot verificando se os colegas estavam bem. Butterfree partiu o tronco ao meio usando seu Psybeam. Gastly auxiliou os parceiros se levantarem.

Libertos, aquele grupo de Pokémon decidiu por voltar até o acampamento. Quilava, Primeape e Graveler estavam exaustos demais para continuar a procura.

***

O Grupo de Resgate dos Corações de Ouro, com Wooper, Shuckle, Rhyhorn, Heracross e Sandshrew caminhavam pela densa floresta. Um ruído ao longe chamou a atenção do grupo, que acelerou o passo.

Um choro fraco ficava mais forte a cada passo que aquele grupo dava. Ao chegarem perto o suficiente, eles viram que Venonat estava no fundo de um buraco de dez metros de profundidade, aproximadamente. Pichu soltou uma exclamação alta e impediu que o grupo prosseguisse.

“Pessoal, é uma armadilha!”.

Dito e feito. Teias de aranha foram disparadas em direção ao buraco onde jazia Venonat, erguendo-a e levando-a até o topo das árvores.

“Mas o que diacho...?”, a fala de Heracross foi interrompida quando o mesmo fora atingido por um String Shot, prendendo-o no tronco de uma árvore próxima.

Pelo menos uns quinze Ariados desceram de suas tocas no topo das árvores encarando seus oponentes.

“Hora do jantar...”, salivava o que aparentava ser o líder do grupo.

O grupo de Ariados começou a descer veloz seguindo em direção aos oponentes. Sandshrew, Shuckle e Rhyhorn se colocaram em posição de ataque.

“Eles são muitos!”, exclamou Sandshrew.

“Vá por baixo. O resto é com a gente”, falou Rhyhorn.

Sandshrew usou Dig e cavou um buraco no chão. Shuckle atacava com o Bide no mesmo tempo em que Rhyhorn jogou seu imenso peso no chão, quebrando-o e transformando-o em grandes pedaços de pedra e terra. O Rock Blast atingiu grande parte dos Ariados, que caíram nocauteados pelo ataque super-efetivo. Outra grande parcela fora derrubada quando Sandshrew cavou uma cova por baixo do chão que, sem suporte, não aguentou o peso daqueles Pokémon em cima dele e cedeu.

Enquanto a batalha acontecia, a Equipe de Resgate dos Corações de Ouro preparavam o resgate.

“Muito bem, gente. O nosso alvo está em cima das árvores. Posição de Resgate número 17! Vai, vai, vai!”, organizou Pichu.

Psyduck usou o Confusion para levitar Magby até o topo da árvore que era o ninho dos Ariados.

“Informe a situação, Magby!”, pediu Pichu do solo.

“Alvo amarrado com fios de seda! Vou libertá-lo agora!”, disse Magby.

Com a autorização de Pichu, Magby usou o Ember em direção de Venonat, mas as chamas não a atingiram, mas sim, queimaram a seda que a amarrava, soltando-a.

“Procedimento concluído! Seguir com o 17-B!”, exclamou Magby.

Psyduck o retornou ao solo e Bulbasaur usou seu Vine Whip para tirar Venonat do topo da árvore. No entanto, um Spinarak bebê atacou Bulbasaur o atingindo com o Poison Sting, que não surtiu efeito. Pichu revidou o ataque usando seu Thundershock, atingindo Spinarak que escondeu-se.

Um dos Ariados surgiu de surpresa por detrás dos Pokémon e atacou em direção dos pequenos. Wooper retardou o ataque com um Mud Shot, fazendo Ariados perder a concentração. Pichu respirou aliviado.

Rhyhorn finalizou com o ataque de Ariados utilizando o Stomp no chão, fazendo todas aquelas aranhas gigantes caírem no chão nocauteadas.

Venonat, assustada, foi colocada no chão pelos chicotes do bulbo de Bulbasaur. Ela começou a chorar e logo foi consolado por Sandshrew.

“Desculpem, gente! Eu amo vocês... Desculpem por eu ter fugido!”

“Missão cumprida!”, exclamou Pichu.

Já estava quase amanhecendo quando Venonat retornou ao acampamento acompanhado de seus salvadores. Os Pokémon se dirigiram até eles.

“Vocês acharam a Venonat!”, exclamou Quilava, enquanto Sandshrew ia abraçar a companheira, dizendo “Nunca mais faça isso de novo, baixinha!”.

Rhyhorn e Quilava aproximaram-se de Pidgeot, que observava um pouco mais distante.

“Vocês conseguiram. Fico contente.”, disse a comandante sorrindo.

 Quilava olhou para Rhyhorn que sorriu.

“Na verdade, foram os baixinhos”.

A Pidgeot pareceu surpresa.

“Não acredito nisso!”.

Quilava aproximou-se de sua companheira.

“Foi você mesma quem disse: Nunca duvide do potencial de um Pokémon.”

Pichu, Psyduck, Bulbasaur e Magby despediram-se de seus amigos. Wooper não queria que eles se fossem.

“Eu vou sentir a falta de vocês...”, choramingava o pequeno.

Mas Pichu sorriu confiante. “Nós sempre estaremos por perto para proteger vocês. Não importa qual seja a ocorrência, ou se é no mar, no céu ou na terra, a Equipe de Resgate dos Corações de Ouro sempre vai cumprir sua missão!”.

Ethan lentamente abriu os olhos e sentou-se no colchonete. Espreguiçou-se e bocejou em seguida. Olhou para seus Pokémon e piscou. Havia percebido a presença daquele grupo diferente de Pokémon, que pareceu sorrir e bater continência para ele antes de saírem correndo para dentro do bosque.

— Nossa! Quem eram aqueles Pokémon?! — Perguntou o rapaz ficando de pé.

Amy abriu os olhos e arremessou o travesseiro no rosto do rapaz.

— Você não consegue falar baixo não? Eu ainda não completei meu ciclo do sono de beleza, babaca!

Forrest espreguiçou-se ainda deitado.

— Bom dia, gente... — Disse o moreno em um longo bocejo.

Ethan jogou de volta o travesseiro em Amy e voltou a encarar seus Pokémon.

— Vocês acordam muito cedo... Acho que tá na hora do café.

Os Pokémon se entreolharam. Visivelmente cansados, eles não deram ouvidos e deitaram pra dormir.

— Ué... Mas que preguiça é essa, gente...? — Perguntou Ethan sem entender nada, mas não obtendo resposta.

A vida na madrugada às vezes é bem mais agitada do que a diurna. A Equipe de Resgate dos Corações de Ouro sempre estará disposta a ajudar aqueles que precisam dela e com certeza nunca esquecerão desse dia especial. Ethan, Amy e Forrest jamais saberão desse mundo particular que existe enquanto eles dormem, porque, infelizmente, seus Pokémon não se comunicam com o dialeto humano. Mas, mesmo se soubessem, é meio improvável que seus Pokémon fossem contar para seus treinadores sobre suas aventuras particulares...

O Mundo Pokémon continua cheio de mistérios que são desconhecidos por muitas pessoas. E resta a nós somente imaginar todos os dias todas as novidades possíveis e desconhecidas que ocorrem nele.



TO BE CONTINUED...





{ 13 comentários... read them below or Comment }

  1. JOHTO GUILD CONFIRMED (Ou pelo menos um especial centrado nos pokemons )

    É legal ver um pouca da personalidade dos pokemons,vai que você está viajando com um ser cruel que você está treinando ,machucando seriamente diversos pokemons apenas para ganhar de ginasios,sendo que no futuro você nem ao menos vai ficar no titulo de Campeão ,sério,pokemon é cruel

    Sandsherew apredeu como chegar nas meninas com Gold ,ia deseronlar um papo ,mas o Quilava cortou logo,que vacilo

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Donnel!

      Será que teremos uma Guilda? Sinceramente, eu não sei. Esse capítulo foi mais baseado em Pokémon Mystery Dungeon... Cabe a vocês, leitores, quererem uma guilda ou não.

      Quilava sempre corta o barato, né? kkkkk

      Espero que tenha curtido! =D


      See ya!

      Delete
  2. Uma guilda em jotho?Será?Confirma produção?

    Mano que episódio surpreendente
    Um pichu cor de pikachu que massa manolo,gostei desse time de Resgate com um nome bem sugestivo sera que seria a temporada da fic?
    Eu acho que esse pichu ainda volta no futuro,junto com o celebi
    Mano magina que Loko eles no futuro tipo Vennusaur,Magmortar (cof,cof Bonna,cof,Party,cof,cof)Golduck e pichu.
    Mano amei a personalidade da pidgeot
    Coitado do Baratacross ele nao mercia ser chamado de...Pera lembrei de algo VOCÊ NÃO COLOCO O SCYTHER ou ele só não queria estar lá depois eu faço bullyng com o coitado
    Mano alguém falo pro tio Dewgong ensinar o peixe a nadar
    Mano que medo dessa Buterfree só no Hypnosis
    E ainda procura-se Scyther Vivo ou Morto oferecemos recompensas,caso ele tenha sumido porque quis pode virar jantar de pidgeot 0_0
    Mano e esse ovo que não choca logo to morto de curiosidade(se pá o Scyther tava cuidando do ovo,pronto resolvi o mistério )

    See Ya

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Dark!

      Sou apaixonado por esse Pichu desde que o vi em Arceus e a Jóia da Vida. Consequentemente, o evento dele em HGSS é um dos meus favoritos. ♥

      Sim, o nome da equipe de resgate deriva o título da temporada.

      Oloko, mano! E essa equipe de resgate overpower aí? Achei sensacional! XD

      Sdds Bonna Party...

      Pidgeot, Heracross e Dewgong pra mim foram os melhores. Eu achei a química deles incrível. XD

      Putz, o Scyther... Eu me esqueci completamente dele. É que, na verdade, esse capítulo era pra ser o último da temporada, mas o Canas Ominous (sempre ele) me convenceu a não terminar a saga com um filler. No arco que vem aí, Ethan acaba deixando o Scyther no PC (spoiler), por isso ele não aparecia no original. Eu nem me toquei e acabei não incluindo-o. Já tô editando!

      (E você me deu a excelente ideia de ele tomar conta do ovo. Awn.)

      O ovo vai chocar logo, logo... E junto com ele, muitas surpresas acontecerão nessa fase final. XD

      See ya!

      Delete
  3. Bem,vim,finalmente comentar o cáp.Sabe o que eu digo?Tá na hora dos baixinhos!Tá,primeiro,como todos notaram,vimos um rescue team!E segundo...Caraí man!Agora os pokés começaram a falar entre si direito na fic!Só falta agora a guilda e as Gijincas!(Tô tão animado que só falta eu desenhar o Quilava humano!)

    Mas bem,vimos neste cáp que tamanho não é tudo,e que os baixotes mandaram bem nessa!E tem uma outra coisinha além disso...A Pidgeot é SÁDICA!Só pode!Olha o tanto de ameaças que ela fez para o pobre Baratacross!!

    Mas bem,tudo vai bem quando acaba bem,e agora de volta a jornada amigos com esses "pokémonzinhos" sonolentos!

    Ass:

    Supremo Líder da Ordem Da-Qual-Fazem-Parte

    Sir Naponielli

    Ps:Beenia(Vespiqueen),membra da guilda Earth's Overpower disse que quer ,algum dia,conhecer os membros desta equipe de pokémons,principalmente os veteranos como Dewgong e Pidgeot.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Sir!

      Sim! O Rescue Team deu as caras em Johto!

      E sobre as falas: Eles se comunicam, né? Eu meio que "traduzi" pra não ficar sem sentido. Até porque, os Pokémon são as estrelas do capítulo e seria esquisito nós não entendermos a história, né? kkkk

      Bem, eu não garanto nada, mas... Acho que, pelo sucesso do capítulo, logo surge alguma coisa nova aqui.

      A PIDGEOT! Sim, mano... Ela dá medo... Você tem coragem de encarar? kkkkkk

      RIP Heracross.

      See ya!

      PS: A Beenia é sempre bem vinda à guilda.

      Delete
  4. Olá!

    Confesso que não sou grande fã dos jogos Mistery Dungeon mas adorei este capítulo! Afinal, os pokémon também são personagens!

    Estou ansioso para ver qual será o pokémon que vai sair do ovo de Ethan!

    See ya!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Angel!

      Sempre curti muito esse spin-off e sempre tive vontade de fazer algo parecido. E foi então que eu consegui juntar essa ideia com todo o plot do capítulo. Tirar os humanos e deixar os Pokémon foi importante pra eu poder fazer isso, já que, como você mesmo disse, eles também são personagens.

      Estamos todos ansiosos pelo Pokémon do Ethan. Hehehe.

      See ya!

      Delete
  5. Cara, que capítulo fantástico! Eu tinha visto apenas uma prévia dele aquele dia, mas o conjunto da obra realmente ficou de outro nível! É muito bom às vezes dar uma variada no foco da história, principalmente porque muitas vezes esquecemos que os Pokémons também são personagens! Pelo menos eu tenho tentado corrigir isso.

    Gostei muito do Heracross, Dewgong e Pidgeot. Pra mim foram os três Pokémons do time com os quais você aproveitou melhor a personalidade. Por fora, o Pichu também teve destaque nesse ponto sendo aquele líder motivador, que até age de forma que parece boba ou inocente, mas que sabe o que está fazendo. Ponto para ele!

    Eu não sei se você tem planos, mas gostaria muito de ver outros capítulos assim. Ou, quem sabe, você pode até criar um especial para a Equipe de Resgate dos Corações de Ouro! Já que o especial das Crônicas já foi concluído, seria uma boa forma de você ter um conteúdo extra, não acha?

    Vou ficando por aqui, cara. A gente se fala! õ7

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Sigert!

      Parece que você foi surpreendido de novo! Hehehe

      Eu sempre tenho em mente que o nome da franquia é "Pokémon", não "Humanos". Eu sempre tento dar um enfoque a eles, mas às vezes é difícil. Separar esses capítulos especiais dá outro toque pra história e acho que apresentar a personalidade dos Pokémon faz a gente ter uma outra visão deles.

      Um dia, quem sabe, eu volte a fazer algo nessa pegada. O tempo que eu ando tento tá sendo bem escasso e agora eu tô precisando agilizar com a história de AeJ. Não prometo nada, mas não digo que não será feito. kkk

      Espero que continue curtindo!

      See ya!

      Delete
  6. Cara, eu não me lembrava que você tinha feito um capítulo na visão dos Pokémon! Poxa, ficou muito bacana kkkkk Venonat já é crush. Teve aquele desenvolvimento da aventura clássica de resgate como em Mystery Dungeon com a pegada das guildas que virou nossa marca e criaturas cheias de personalidade. Muito show, Canas approves!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Canas!

      Certas coisas a gente nunca deve não fazer. Guildas são uma coisa que é a marca da Aliança, e eu sempre gostei muito de ler as histórias do ponto de vista dos Pokémon. Mas como fazer isso de uma forma que não atrapalhasse a narrativa de AeJ e ao mesmo tempo que não perdesse a essência da fórmula tão conhecida pelos leitores de AeS? A resposta foi juntar tudo isso com outras coisas que eu sou apaixonado: A série Mystery Dungeon e o episódio 17 de Pokémon, aquele da Ilha dos Pokémon Gigantes - um clássico do anime. Fazer um episódio separado, quase (quase?) um filler foi a solução pra poder fazer com que o final dessa temporada pudesse chegar de uma forma natural e tranquila, já que os últimos capítulos foram de muita tensão. Acho que é algo que a gente já espera, porque é como dizem: Depois da tempestade, sempre vem a calmaria. Gosto muito desse capítulo, me orgulho muito de tê-lo escrito e espero que você também tenha gostado dos Pokémon daqui de Johto. Afinal, um capítulo desse ser aprovado pela mesma mente que inventou Watt, Aerus, Titânia e outros tantos personagens inesquecíveis, é algo muito mega-blaster-ultra-super-hiper importante!

      Vamo que vamo porque tem muita coisa boa vindo por aí!

      See ya!

      Delete
  7. Que capítulo incrível, não é meu favorito, mas está entre os melhores. Puts, se eu fosse imaginar uma imagem para os pokémons dos protagonistas seria completamente diferente da que você apresentou, exceto pelo Quilava e pelo Sandshrew. Muito bom fazer um capítulo para dar enfoque aos monstrinhos já que a equipe vem crescido cada vez mais e eles podem acabar ficando esquecidos.
    Os meus favoritos da equipe foram o Heracross, a Pidgeot e a Butterfree. Senti falta do(a) Gyrados, mas acho que a Amy não queria assustar todo mundo. Amei a personalidade do pequeno Pichu, super animado e bem colocado no papel de líder, com certeza ouviremos muito falar da Equipe de Resgate dos Corações de Ouro por aí (obs: esse nome é muito fofo).
    Abraços! Até o próximo capítulo!

    ReplyDelete

- Copyright © 2015 - 2019 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -