Posted by : Dento Mar 15, 2018



Alguns dias se passaram desde o desaparecimento de Forrest. Ethan e Amy já haviam perdido a esperança de vê-lo retornar para o Centro Pokémon de Ecruteak, com a cabeça fria, com um pedido de desculpas e um sincero arrependimento do que havia feito. Ele não ia voltar, e isso agora era um fato.

Após a alta do hospital, os dois arrumaram suas coisas e decidiram seguir viagem. Apesar de ouvirem os pacientes e hóspedes do Centro Pokémon apontarem e falarem sobre eles, os garotos decidiram não responder e nem arranjar confusão. Eles só queriam sair de Ecruteak e seguir suas vidas, torcendo para que as pessoas esquecessem que eles existiam, ou que pelo menos algum outro evento abalasse a cidade e que virasse o novo motivo de conversa entre as pessoas.

A cada passo que davam rumo à Rota 42, Ethan e Amy olhavam para os lados tentando ver algum sinal de Forrest ou de seus Pokémon. Talvez eles pudessem estar escondidos por ali por perto. Mas a cada vez que eles não viam nada ou não tinham alguma resposta, a tristeza torturava mais. A caminhada foi longa e silenciosa. Nenhum dos dois puxava assunto. Não porque estavam bravos um com o outro, mas porque nenhum dos dois tinha coragem de falar sobre o amigo, mesmo que esse não fosse o único assunto, mas era mais confortável para todos que focassem na procura por ele. Até Amy, que era contra a ideia de irem procurar pelo paradeiro de Forrest, concordou com Ethan, mesmo com ela sabendo que o destino provável era Violet ou Goldenrod, onde há o Trem Magnético, que faz o trajeto entre Johto e Kanto, e por onde o garoto poderia facilmente regressar partindo de Ecruteak. Ela era esperta, mas talvez, pela primeira vez em sua vida, quis se deixar preencher pela ilusão de que eles iriam se encontrar logo.

Perdida em pensamentos, Amy nem percebeu quando Ethan chamou seu nome.

— Amy, por que a gente não dá uma parada aqui? Estamos caminhando há horas e eu estou morrendo de fome... — Disse o garoto, apertando a barriga, completamente exausto.

A garota, despertada de seu transe, olhou para os arredores, tentando localizar-se. Viu que eles estavam cercados por uma enorme cordilheira. Um belo lago cortava o caminho por dentre as montanhas e enormes árvores cresciam nas margens do sinuoso lago. A Rota 42 fora construída ali, naquele paraíso natural. Amy supôs que Mahogany ficava atrás das montanhas, visto que os cumes não pareciam ser tão altos. Assim, a garota chegou à conclusão de que eles estavam subindo a encosta das montanhas durante a caminhada que fizeram até aquele ponto da rota. No entanto, algo estava fora do comum. Nenhum Pokémon parecia estar ali. O silêncio predominava, fazendo com que Amy e Ethan andassem cautelosos a medida que se aproximavam da margem do lago.

A dupla colheu algumas frutas das árvores próximas, colocaram as mochilas na grama e sentaram-se ao pé de uma árvore, onde se refrescaram com a brisa e relaxaram durante algum tempo.

A paz deles, no entanto, foi interrompida quando do meio das árvores surgiu um Pokémon bastante conhecido deles, e que com certeza não fazia parte da flora local. Era Sudowoodo, que passou por Ethan e Amy correndo, sem olhar para trás.

— Sudowoodo?! — Exclamou o garoto, levantando-se apressado.

O Pokémon olhou para os humanos. Sua feição séria mudou para um sorriso surpreso. Mas, meio segundo depois, voltou a fechar a cara e a correr para além da Rota 42. Ethan e Amy pegaram suas coisas e saíram correndo atrás de Sudowoodo.

A corrida continuou por alguns minutos. Os garotos já começavam a ficar ofegantes, mas Sudowoodo, ágil, corria cada vez mais rápido. A surpresa maior foi quando um outro Pokémon pulou na frente de todos, fazendo Amy soltar uma exclamação e Ethan cair sentado no chão.

Sudowoodo continuou correndo. Poucos metros à frente, entrou em uma caverna na base de uma das montanhas.

— É o... Suicune! — Exclamou Amy, baixinho.

O cão lendário começou a rosnar para ela e Ethan. Avançando lentamente em sua direção, Suicune mantinha um olhar raivoso fixado nos garotos.

— Calma, Suicune... Somos seus amigos... Lembra? — Disse Ethan com a voz trêmula, que continuava sentado no chão, paralisado de medo. Amy por sua vez sacou uma de suas PokéBolas.

— Nos encontramos de novo, Suicune... — Uma voz conhecida chamou a atenção de todos.

Eusine, eufórico, tinha uma expressão maníaca em seus olhos. Observava Suicune como um lobo encontrando carne fresca após semanas sem comer.

O Pokémon encarou seu oponente e saiu em velocidade para onde Sudowoodo havia entrado.

— Volte Suicune! — Chamou Eusine, em vão.
— Você ainda vai atrás dele? Ele está muito irritado com alguma coisa, é capaz de ele atacar você! — Exclamou Ethan.
— Não se preocupe comigo, garoto! Eu persigo Suicune há quinze anos, eu sou bem grandinho já — Comentou o loiro sacando uma PokéBola. — Dentro do Monte Mortar ele não tem escapatória.
— Seria coincidência Suicune ter entrado na mesma caverna que Sudowoodo? — Perguntou Amy para Ethan, enquanto o auxiliava a levantar do chão.
— Eu não faço ideia, mas por via das dúvidas... É melhor seguirmos eles — Disse o garoto em resposta.
— Eu não posso permitir que vocês façam isso — Comentou Eusine, de forma séria.
— Como assim? — Perguntou Ethan.
— Perseguir Suicune. Eu não posso deixar vocês me atrapalharem. Infelizmente, vocês vão ter que ficar aqui.

Amy dirigiu-se para Eusine e apontou o indicador de forma ameaçadora para o rosto do viajante.

— Nós não queremos saber do Suicune. A gente quase foi atacado por ele. Nós somos dois, você é um só. Meça suas palavras, ou se não é você quem vai estar em apuros.

Eusine engoliu em seco.

— Nós estamos apenas seguindo o Sudowoodo que acreditamos ser de Forrest. Não tem nada a ver com o Suicune, ele é todo seu — Disse Ethan do chão, tentando amenizar a briga.

Arrumando a gravata, Eusine voltou a adquirir o tom arrogante na voz e na postura.

— Creio que não tenho escolha se não ajuda-los a perseguir seu Pokémon mequetrefe. Desta forma, vocês não me atrapalham com Suicune.

Amy fechou a cara e ameaçou socar o rosto de Eusine, mas Ethan conteve a amiga.

Os três então saíram correndo em direção à entrada da caverna do Monte Mortar. A caverna era imensa. Enormes estalactites eram refletidas na água do chão, cristalina. Tão transparente que era possível ver o limo das pedras no fundo da pequena lagoa. Pedras estas que faziam companhia umas as outras e que estavam ali já há milhares de anos, moldadas pelo tempo, pela natureza e talvez até por Pokémon que fizeram daquele lugar seu lar.

— Fiquem atentos a qualquer barulho que ouvirem... Existem muitos Pokémon poderosos que moram aqui dentro do Monte Mortar. Se por acaso o grupo se separar, foquem em chegar ao topo da montanha, é lá onde fica a saída — Disse Eusine.

Os passos ecoavam por todas as paredes. Os pares de pés daquele grupo batiam na água e, por mais que tentassem andar cautelosamente, o ruído que faziam involuntariamente era enorme. A caverna aos poucos ficava cada vez maior. Ao olharem para cima, não conseguiam mais ver o teto, apenas uma imensidão negra. O local ia ficando cada vez mais escuro, então Eusine sacou sua PokéBola e liberou Alakazam de sua PokéBola.

— Use o Flash, por favor — Pediu seu treinador.

O Pokémon humanoide, utilizando seus poderes psíquicos, fez as colheres que segurava emanarem um forte brilho, iluminando o local. A grande caverna foi mostrando seus detalhes, como as paredes rochosas que subiam pela parede que não tinha fim. Não parecia haver nenhuma forma de vida ali, nenhum Pokémon selvagem, o que era estranho, visto que se aquele era o lar de muitos Pokémon, onde estariam eles, afinal?

 Ao continuar caminhando, o grupo soltou uma exclamação quando, metros a frente, uma enorme cachoeira os saudou. E, em cima de uma das pedras perigosamente próximas a queda d’água, Suicune esperava pacientemente.

— Suicune! — Exclamou Eusine, correndo em direção à cachoeira, sendo seguido por Ethan e Amy.

O Pokémon lendário saltou majestoso do alto da cachoeira e pousou defronte ao trio, agora com água na cintura. Eusine sacou uma PokéBola.

— Finalmente você resolveu aparecer! E eu não posso deixar escapar. Não de novo. Mean Look!

Um Haunter saiu da PokéBola e olhou profundamente para Suicune. Uma aura vermelha cobriu seu corpo, deixando-o imóvel enquanto sentia os olhos negros do oponente possuírem seu corpo. Uma branca fumaça começou a envolve-lo, fazendo com que uma neblina gélida começasse a cobrir o local.

— É o Suicune que está produzindo isso? — Questionou Ethan.
Mean Look o paralisou... Talvez ele esteja usando o Mist pra tentar criar uma distração... — Palpitou Amy.
— Muito bem Haunter, use o Lick! — Ordenou Eusine.

O Pokémon fantasma avançou em direção ao paralisado Suicune e lambeu seu rosto. A agonia que o Pokémon lendário sentiu arrepiou todos os pelos do seu corpo. Suicune chacoalhou a cabeça e olhou para a enorme cachoeira.  Seu chifre brilhou e um raio multicolorido foi disparado de sua boca, atingindo Haunter, que caiu nocauteado com a força do golpe.

— Haunter! — Exclamou Eusine.

Suicune voltou a disparar o Aurora Beam, mas desta vez na direção da queda d’água, congelando-a instantaneamente, fazendo a temperatura da água cair imediatamente. O Pokémon correu sobre as águas e escalou a cachoeira congelada até seu topo, olhando para baixo e dando um poderoso rugido.

Eusine sacou outra PokéBola, liberando Electrode.

— Você não vai escapar! Thunder!
— EUSINE, NÃO! — Berrou Amy tentando impedir, mas era tarde demais.

O Pokémon de Eusine liberou uma poderosa corrente elétrica de seu corpo e disparou na direção de Suicune, atingindo-o. Entretanto, a eletricidade percorreu o gelo, atraída pela umidade da caverna e acabou eletrocutando os treinadores também, já que estavam dentro da água. O poderoso choque foi tão intenso que fez Ethan, Amy e Eusine desmaiarem.

Uma enorme rachadura começou a cortar o gelo da cachoeira. Despedaçando-se em milhares de pedaços, o enorme volume de água surgiu com velocidade e violência, quebrando o gelo do lago e arrastando tudo o que via a frente, incluindo Electrode, Eusine, Amy e Ethan.

No topo da cachoeira, Suicune percebeu os humanos sendo arrastados pela água. Correu em alta velocidade para tentar resgatá-los, mas a incrível força da água o impedia de pegar os três de uma vez. O Pokémon então pegou Eusine pela capa, o colocou em suas costas e subiu com ele pelas pedras de dentro da montanha, levando-o até uma das áreas altas da caverna, longe da correnteza.

O Pokémon lendário voltou a correr pela água fria procurando algum sinal das demais vítimas, porém nada encontrou. Ele então mergulhou na poderosa correnteza tentando localizar Ethan, Amy e Electrode debaixo d’água, mas eles haviam desaparecido.

Enquanto procurava, uma enorme dor de cabeça acometeu Suicune. Mais uma vez, desde que havia chegado àquela parte da região de Johto, algo estranho acontecia. Uma fúria incontrolável tomava conta de seu corpo. A dor de cabeça o fazia querer matar quem estivesse em sua frente. E por mais que tentasse controlar, aquilo era muito mais forte que ele. Ele sabia que aquilo não era normal. Ele sabia que devia ser obra dos humanos. E era dos humanos que ele precisava de ajuda.

Não... Ele precisava se livrar dos humanos.

Mas seu coração dizia que sozinho ele não conseguiria chegar a lugar algum. Não conseguiria resolver este enorme problema sozinho.

Mas nenhum Pokémon seria capaz de fazê-lo sentir assim... Com certeza os humanos teriam dedo nisso. Sempre os humanos! Ainda a pouco, um deles atacou o próprio Suicune! Aquilo era imperdoável!

O Pokémon lendário rugiu mais uma vez e saiu da água, correndo sem rumo por dentro dos labirintos daquela enorme montanha para tentar livrar-se dos pensamentos confusos.

***

Em algum ponto desconhecido da caverna, Sudowoodo corria apressado. Ele, prestativo que era, tinha a missão de procurar pistas sobre o paradeiro de seu mestre, Forrest. Seus companheiros de equipe mantinham-se atentos, rastreando o garoto pelo cheiro. Ele com certeza havia estado ali.

Pelos caminhos sinuosos no coração da montanha, o Pokémon mantinha-se concentrado para não se perder. Seu único azar, no entanto, era que diversos caminhos que ele teria que percorrer até chegar ao topo da montanha estavam alagados. Sua única saída era escalar as paredes para evitar tocar na água e tentar não olhar para baixo. O medo com certeza poderia fazê-lo cair e se afogar.

“Ai, às vezes eu queria ter asas... Heracross bem que podia ter vindo comigo.”, pensava ele enquanto tentava apoiar um de seus pés em uma das pedras perigosamente posicionadas na lisa parede.

Ao terminar de escalar a parede e chegar no topo de um dos abismos do interior do Mt. Mortar, Sudowoodo foi puxado pelos tentáculos de seu amigo Shuckle. Os dois Pokémon olharam ao redor para checar se estavam sozinhos e começaram a caminhar para o alto da montanha.

“Eu encontrei com os amigos do mestre. Eles estão aqui”, avisou Sudowoodo.

Shuckle soltou uma exclamação.

“Rhyhorn precisa saber! Vamos, os outros estão muito na nossa frente...”, comentou o parceiro, retirando de dentro de seu casco um pedaço da camiseta de Forrest.

“Ah, mestre... Onde está você?”, perguntava Sudowoodo, de forma melancólica, não obtendo resposta alguma.

***

Ethan tossiu. No primeiro sinal de consciência, seus pulmões expulsaram água, fazendo o garoto vomitar sem pestanejar. Ele sentia frio. E vomitou de novo. Sentiu suas narinas e seus ouvidos completamente entupidos de água. Estava escuro. Aquilo era um sonho? A barriga do garoto roncava de fome.  

O garoto levantou-se do chão. Passou a mão na cabeça, sentiu que estava sem o seu boné. Levou a outra mão para a alça da mochila, e viu que ela continuava fielmente presa ao seu corpo. Ethan suspirou aliviado, ainda tinha as PokéBolas consigo.

— Amy? — Chamou o garoto.

A única coisa que Ethan obteve como resposta fora sua própria voz ecoando pelas paredes.

Ele então abriu a mochila e foi liberando seus Pokémon, um por um: Quilava, Sandslash, Larvitar, Nidorino, Magnemite e Butterfree, que olharam ao redor, tentando se familiarizar com o local escuro.

— Quilava, você poderia por favor iluminar isso aqui? — Questionou Ethan ao Pokémon, que prontamente atendeu acionando as chamas de seu corpo.

Podendo dar uma boa olhada ao redor, o garoto notou que onde estava não parecia nem um pouco a mesma caverna com a cachoeira em que entrara a primeira vez. O chão estava úmido, mas não havia sinal nenhum de que ele estava perto da queda d’água da entrada da caverna. Ele então começou a ficar tenso.

— Galera, é o seguinte, a gente tá perdido. Eu nem me preocupo tanto com a gente, porque estamos bem. Mas não sabemos onde a Amy está, nem se ela está bem também. Vou precisar da ajuda de vocês para encontrá-la e pra sair daqui. Posso contar com vocês?

Os Pokémon de Ethan afirmaram com a cabeça.

— Nosso destino é o topo da montanha. É lá onde encontraremos a saída. Mas fiquem atentos a qualquer sinal de aproximação. Precisamos achar a Amy — Disse o garoto.

Ethan analisou novamente o local em que estava. Decidir qual caminho pegar não seria tarefa fácil, mesmo que ele pensasse em usar seus Pokémon para achar uma saída. O garoto pediu para que seus Pokémon tentassem localizar o barulho da cachoeira de onde estavam, mas nenhum deles tinha superaudição ou superolfato. Então, Ethan fechou os olhos, respirou fundo e seguiu em frente.

O silêncio predominava no interior da montanha. Ethan havia se esquecido de que estranhamente nenhum ser parecia habitar aquele local, o que era realmente muito estranho, devido à dimensão do tamanho do Monte Mortar. O som dos passos do grupo era a única companhia que tinham, fora, claro, as deles próprios. As orelhas dos Pokémon permaneciam eretas, em constante atenção, alertas a qualquer sinal de barulho estranho que pudesse estar a frente.

E foi justamente um barulho estranho que desviou a atenção de Ethan do caminho. Um grunhido baixo pegou a todos de surpresa. Eles pararam e tentaram localizar de onde vinha aquele som.

— Será que é um Pokémon...? — Questionou Ethan, num cochicho para seus Pokémon.

Os Pokémon de Ethan se entreolharam e, por via das dúvidas, ficaram preparados para atacar. O ruído foi ficando cada vez mais forte e alto. Uma sombra começou a aproximar-se deles, lentamente. A criatura era enorme. Tinha quatro braços bem musculosos cinza-azulados, sendo um par localizado na posição normal, e outro par diretamente acima dos ombros, com furiosos olhos vermelhos e lábios amarelos pálidos. O Pokémon fitava Ethan e seus Pokémon de forma ameaçadora.


O garoto deu um passo para trás e pegou sua PokéDex.

“Machamp, o Pokémon Superpoderoso. É a forma evoluída do Machoke. Ele rapidamente balança seus quatro braços para sacudir os adversários com socos ininterruptos de todos os ângulos e segurar os membros de seu inimigo para arremessar a vítima no horizonte” — Informou o dispositivo.

Ethan engoliu em seco. Machamp deu um soco poderoso na parede da caverna, reduzindo-a a pó, intimidando a todos.

— Machamp, nós somos amigos, não viemos incomodar você. Estamos apenas procurando uma saída daqui... — Disse Ethan com a voz tremida.

Machamp berrou e partiu pra cima do garoto. Larvitar saltou na frente de seu treinador e acabou sendo atingido em seu lugar, caindo violentamente no chão.

— Larvitar! — Exclamou Ethan.

Quilava ardeu em chamas e partiu para cima do oponente com seu Flame Wheel. Machamp, como um goleiro, agarrou o corpo do oponente com seus quatro braços poderosos e o jogou para o canto com força. Sandslash ao ver os companheiros caídos daquela maneira explodiu de raiva e foi o próximo a partir para cima do grandalhão lutador para feri-lo com o Crush Claw.  Mas Machamp o segurou pelos braços e também o arremessou para o lado. Ethan assistia a tudo incrédulo. Aquele Machamp não era um Pokémon comum, ele era treinado... Não seria fácil passar por ele.

O Pokémon continuava olhando para Ethan de uma forma ameaçadora. Machamp então acelerou o passo na direção do garoto, mas Butterfree voou para a frente de seu treinador e de seus olhos saiu um raio púrpuro que atingiu em cheio o rosto do grande Pokémon, que cambaleou para trás.

Tanto Machamp, quanto Ethan soltaram uma exclamação de surpresa.

—É isso, Butterfree! Pokémon Lutadores têm fraqueza contra o tipo Psíquico! — Exclamou o garoto.

Machamp levantou-se furioso, soltando um urro que ecoou pela caverna inteira, balançando as estruturas e fazendo o chão tremer sob os pés de Ethan.

— Butterfree, você está pronta? — Perguntou o garoto para seu Pokémon, que balançou afirmativamente a cabeça. — Ótimo, então vamos atacar com Confusion!

A borboleta disparou ondas invisíveis de seus olhos em Machamp, que urrou de dor, como se seu crânio estivesse sendo esmagada por uma prensa hidráulica. Sua ira ficava cada vez mais forte, e o que ele mais queria era matar aqueles seres que tanto o incomodavam.

O Pokémon se levantou e cegamente avançou para a frente, tentando acertar Butterfree de qualquer maneira. A borboleta, mais leve, desviava mais rápido. Ethan tentava retornar seus Pokémon, mas eles se recusavam a entrar na PokéBola. Não era do feitio deles abandonarem um desafio, e não seria essa a primeira vez. Mesmo desobedecendo uma ordem expressa de seu treinador, a quem juraram fidelidade, os Pokémon ainda assim tinham uma honra a cumprir, e proteger e ajudar seu treinador era uma das principais.

Machamp foi cercado pelos seis Pokémon. Mesmo que grande parte deles não tivesse vantagem alguma sobre o oponente, com exceção de Butterfree, todos ali estavam dispostos a ajudar a companheira a derrubar o grandalhão.

Ethan fechou os punhos.

— Muito bem, se o que vocês querem é lutar, eu não vou impedir. Vamos atacar! — Exclamou o garoto.

Um ataque em massa foi disparado. Machamp não conseguiu sequer se defender. Butterfree atacava com seus ataques psíquicos enquanto Sandslash e Larvitar combinavam seus golpes do tipo Terra. Quilava elevava a temperatura com seus ataques de fogo e Magnemite e Nidorino davam suporte com eletricidade e Water Pulse, respectivamente. A grande bola de energia combinada foi poderosa até mesmo para o grande e indomável Machamp, que caiu ao chão, nocauteado.

Ethan suspirou aliviado. Os Pokémon, mesmo que felizes, arfavam de cansaço. Aquela luta havia sido exaustiva, mas não haveria descanso. Eles teriam que subir a montanha e talvez Machamp fosse apenas um dos difíceis desafios que estavam por vir, e nenhum deles sabia qual ou quem seria o próximo oponente.

O corpo do Pokémon foi deixado estirado ao chão enquanto Ethan e seus Pokémon seguiam seu caminho para o desconhecido interior da montanha. Onde ficava a saída? Onde estava Amy? Eusine está vivo? Eram várias as perguntas sem respostas aparentes.


TO BE CONTINUED...

{ 11 comentários... read them below or Comment }

  1. Yooo Presidento,tudo certo jovem?

    É eu atrasei um pouquinho pra comentar,talvez mais que um pouquinho,mas aqui estou eu :v

    Começando pelo esquadrão de resgate do forrest,Sudowoodo correndo loucamente em busca do seu treinador,por razões desconhecidas eu imaginei a parte do sudowoodo encontrando o Ethan e Amy muito estilo scooby doo,ele passa correndo,ethan e amy olham ele e ficam parados,ele volta com um olhar de surpresa, aparece um monstro(suicune) e todo mundo sai correndo enquanto toca a música da abertura

    Ethan e Amy viraram o assunto da cidade,os amigos do vândalo que destruiu uma rua,abandonou seus pokemons,foi humilhado publicamente pela pessoa que admirava,machucou seus amigos,eu esqueci alguma coisa?

    Amy mostrando pro Eusine que quem manda nessa área é ela,poxa eu esperava que ele iria levar um soco mas ela foi contida,quem sabe outro capítulo kkk

    Cara eu não sou tão fã do Eusine a ponto de defender ele,mas algo que devemos concordar é que o coitado tem o desespero pelo suicune válido,ele está procurando o suicune já fazem anos,é cansativo caçar os cães lendários com um mapa e localização dele imagina só andar por aí pedindo pra arceus que o suicune apareça,mas a culpa é dele por não ter uma master ball

    Eusine não faz nada direito,ele quer vencer o suicune mas ele se venceu,venceu o Ethan,venceu a Amy só com um thunder e não venceu o suicune

    Agora essa do suicune assassino(pokemons assassinos)é nova,não pera...Não é novo eu lembro de pokemons assassinos especificamente um vileplume huahsuahsuaha

    Sudowoodo sofrendo as tristezas de não ter asas,não saber nadar,nem flutuar,nem usar teleport,ele nem flutua,mas ele ainda é engraçado então eu gosto dele :v(ele só tem que parar de ficar no meio das rotas fazendo vários nadas )

    Ethan também sofrendo as consequências de falta de habilidades especiais de resgate em seus mons kk

    Ethan não conhece os perigos do mundo,todo serelepe pimpão achando ruim que não tem pokemon na caverna,algum dia ele ainda vai passar por uma caverna cheia de zubats e vai perceber que ele era feliz em uma caverna sem pokemons

    Ethan vs Machamp,foi bem triste ver os mons dele apanhando pro Machamp um time completo contra um Machamp e eles são surrados,e só venceram com a união de todos,mas isso é bom pois não deu um nível de força muito alto pros mons dele e demonstra que eles ainda tem muito treino pela frente

    Onde será que a Amy está? Será que ela vai pegar um tyrogue?Será que o Eusine vai pegar o tyrogue?Será que o Eusine vai parar de ser burro?Muitas dúvidas a serem respondidas

    Ótimo capítulo(sim eu digo que todo capítulo é bom mas eles são bons então não tem outra coisa a se dizer né? )

    See ya

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Dark!

      Ainda não saiu o Capítulo 44, então, teoricamente, não é "tarde demais". kkkk Mas confesso que é sempre muito bom ler seus comentários por aqui.

      Nossa, pode crer, né? Um garoto desaparece misteriosamente e uma trupe aparece para resgatá-lo. Seria esse capitulo um plágio de Scooby-Doo? Jamais saberemos.

      Pois é! As fofocas SEMPRE se espalham rápido! E esqueceu que o Forrest causou prejuízo público quando quebrou as calçadas e ruas fugindo. Alguém por favor, prenda esses delinquentes juvenis!

      Quando eu penso que tô levando a violência na fic longe demais, vem você e diz que sente falta. OK, VAMO METER A PORRADA EM TODO MUNDO, AEEEEE!!!! UFC JOHTO

      É, o Eusine não é tão culpado, mas também não é tão inocente. Esse desespero dele cada vez mais o cega, e isso pode prejudicar não só a ele, mas também as pessoas ao redor dele. Será que um dia ele vai pegar o Suicune de vez? Ele é bem overpower. Tanto que, como você falou, acertou todo mundo e mal foi atingido. EHUEAHUEAHEAUH

      Nunca confie em um Pokémon selvagem. Até quando ele domado, ele pode ser perigoso, imagina ser selvagem e ainda por cima lendário? Tá loko! Eu que não queria kkkkk

      Sudowoodo representa todos nós. Não sabe nadar, não sabe voar, não sabe flutuar... Pra que serve então? EHUAEHUEAHUEA, mancada, eu gosto dele. Menos quando ele atrapalha a saída de Azalea e NUNCA MAIS VOLTA se você derrotar ele em Pokémon Gold & Silver.

      Pois é, né? Que falta faz um Pokémon overpower na equipe... Não desmerecendo o time dele, mas eles não viram muito o Discovery Channel, não sabem como sobreviver na selva e em cavernas desertas. E NEM ME LEMBRE DOS ZUBATS, nossa senhora. EHUAEHUEAHAUE

      Onde está a Amy, ninguém sabe, mas bem que seria legal ver como eles se viram sozinhos, né? É uma boa ideia, acho que vou aderir.

      Tyrogue? Eu não esqueci dele. Heheheh.

      Sobre o Eusine, eu não garanto nada. Vai que ele resolve bater em mim também? Kkkkkk

      Fico feliz que tenha gostado! Espero que continue curtindo a história!

      See ya!

      Delete
  2. Rapaz, essa saga do Eusine atrás do Suicune tá se estendendo mesmo kkkkk E parece que a busca pelo Forrest vai se estender mesmo, você está começando a separar todo mundo, QUE DIABOS TU TÁ PENSANDO, DENTO? Fiquei bolado quando vi os pobres Pokémons do Forrest à procura do treinador cara, é como deixar um cachorrinho para trás e ele nunca vai entender porque seu dono foi embora... Isso não é do feitio dele. Forrest foi sequestrado. Os Rockets estão usando-o como refém, só pode kkk

    Ethan realmente está precisando de um bom treinamento. Não digo que ele ficou estagnado, mas sempre que chegamos no meio da jornada começam a aparecer muitos treinadores e Pokémons mais fortes, ou ele precisa começar a evoluir a galera do time dele, ou começar a capturar mais Pokémon. Se realmente rolar essa separação do grupo por um tempo, seria muito interessante conferir a jornada dele em busca desse aprimoramento, estamos nos aproximando do sétimo ginásio, bicho, nem dá pra acreditar que a segunda temporada está perto do fim!

    Continue com o bom trabalho, menino Dento, e conte comigo daqui para frente para FINALMENTE conferir os capítulos semanais. Agora vou pegar um avião para Kalos, porque um casamento me espera kkkk Grande abraço!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Canas!

      Eusine tá precisando de uns tapas pra saber seus limites. E não basta fazer tudo errado, tem que complicar os outros também. kkkkkkk

      Ethan foi resetado emocionalmente. Agora resta saber como isso vai afetar a relação dele com seus Pokémon e com as batalhas. Eu fico torcendo pra que ele comece a treinar sua equipe pra Liga logo, porque se não, nunca dá tempo. Sabe como é deixar pra fazer as coisas em cima da hora, né? Sempre acaba nunca dando certo. Prometo tentar fazer dessa separação um motivo pra todos os personagens TOMAREM VERGONHA NESSAS CARAS E AGIREM COMO PROTAGONISTAS QUE SÃO. A Aliança agradece.

      AGORA VOCÊ TÁ NO SEMANAL, WEEEE!!!! Pelo amor, hein? Nada de ficar mais cinco anos sem acompanhar AeJ. kkkkk

      Já to preparando as malas... Esse casamento promete! Nos vemos lá!

      See ya!

      Delete
  3. Nem acredito que estou em dia! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Cara, Mt. Mortar é um labirinto infinito. Aquela droga parece que leva a gente pra outra dimensão, e quando conseguimos enfim sair a gente descobre que não fomos a lugar nenhum! Ainda bem que nos jogos já temos o Surf quando precisamos passar por lá, senão eu enlouqueceria!

    Eu não esperava que Ethan e Amy fossem dar de cara tão rápido com os Pokémons do Forrest correndo soltos por aí, e essas pistas indicando que ele está dentro da caverna me faz perguntar se eles finalmente o encontrarão. Você já me disse o que acontece com o Forrest lá dentro, mas fico me perguntando se haverá algum encontro entre eles, ou se será apenas uma busca que terá terminado apenas em vestígios da passagem do garoto por lá.

    Eusine quase mata todo mundo. Por maldade? Não, porque ele é burro mesmo. Se diz "grandinho", mas nem parece que frequentou o Ensino Fundamental. Detalhes básicos nas leis de sobrevivência fazem mais falta do que você imagina...

    Agora é esperar pra ver o que é esse problema que está causando uma alteração no temperamento dos Pokémons dentro e fora da caverna. Se até o Suicune foi vítima, então tem coisa grande acontecendo por aí.

    Agora sim eu posso dizer em Caps Lock:

    AGUARDANDO O PRÓXIMO CAPÍTULO!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Shadow!

      Primeiramente, esse é um comentário especial. Você finalmente chegou no semanal, e fico feliz demais que, se nada der errado, vou ter comentários seus de forma mais frequente e atualizada. Parece que o jogo virou, né? AEUAHAUAHAUAHAU

      Como qualquer caverna dos jogos (Mt. Moon, Mt. Mortar, Victory Road), esse labirinto interminável foi escolhido de cenário pro desenrolar dessa aventura. Eu queria separar o grupo, e tem lugar melhor do que dentro de uma enorme caverna no interior de uma imensa montanha?

      Não existe previsão de quando eles se encontrarão. Mas Ethan e Amy estão procurando-o, então uma hora ou outra eles vão se cruzar, não é possível que eles se mantenham perdidos assim pra sempre.

      Sem comentários sobre o Eusine. Até porque, como eu sempre ajo primeiro e penso depois, muito provável que eu faria o mesmo que ele. Desculpem, colegas que estejam comigo na hora...

      Esse problema da caverna logo virá a tona, e até eu to curioso pra saber do desenvolvimento dos próximos eventos...

      Espero que continue curtindo!

      See ya!

      Delete
  4. Dento, venho em paz!

    É o seguinte, cara, amei o capítulo, mas eu queria que ele pegasse o Machamp, que pena... ;-;

    Mas bem, essa história toda tá bem suspeita, e tô achando que daqui a pouco tu vai por uma guilda, Man! Por favor, faça isso! Kkkkk, brinqs, tudo à seu tempo. Bem cara, valeu, falou!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Sir!

      Ah, como fiquei tentado pra que ele capturasse o Machamp... Mas não foi dessa vez. Quem sabe eu não esteja guardando um Pokémon melhor pra ele? Vai saber, né? Hehehe

      É, to só vendo as campanhas na internet. #UmaGuildaPraJohto já é trending topic no Twitter. Será que o clamor popular poderá fazer com que eu, este que vos fala, crie uma versão dos Fire Tales em Johto? Se o Canas liberar os direitos autorais pra adaptação... Quem sabe? AEHAUEHEAUHEAUH

      Espero que continue curtindo!

      See ya!

      Delete
  5. QUE ESTÁ ACONTECENDO???

    ver os pokemon de forrest à procura dele mexeu muito comigo!!! ONDE ESTÁ ELE???

    as aparições de eusine e suicune continuam interessantes, mas está na hora do eusine capturar o lendário de água e ser feliz para sempre! o suicune até precisa da ajuda dele para perceber o que se passa nessa caverna!

    ETHAN E AMY TAMBÉM SE SEPARARAM E AGORA ESTÁ CADA UM POR SI!!!
    eu gosto de ver ethan com os seus pokemon e sentir que ele se esforça para treina-los! foi o que eu disse à uns capitulos atras... com tantos que ele tem e se não os treinar, vai chegar à liga sem hipotese! portanto é bom que os treine e os evolua! GO GO!

    eu estou muito ansioso para ver o resto de todo esse arco! see ya!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Angie!

      O QUE ESTÁ ACONTECENDO????

      As coisas estão perdendo o controle! Onde está Forrest? EU NÃO SEI!!!

      Vez em quando, Eusine aparece. E é a mesma coisa, né? Vamos dar tempo ao tempo, deixa eu instigar mais vocês com todas as aparições desses personagens até resolver o que fazer com eles. kkkkk

      SIM, AGORA É CADA UM POR SI! Na verdade, eu não tinha dinheiro pra bancar o salário deles, aí os separei, porque fica mais barato. KKKKK Pelo menos agora cada um deles poderá agir de uma forma diferente, separados. Isso vai ser interessante...

      VAMO, ETHAN, MOSTRA QUE VOCÊ É UM TREINADOR DE VERDADE!!!!

      Espero que você continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  6. Bem, eu não esperava que eles fossem achar os pokes do Forrest tão cedo, mas faz sentido visto que estes deviam estar rondando a região atrás dele.
    Eu não sei como o Suicune não se cansa do Eusine, o bichão tá lá de boas na dele, e do nada vem o Eusine encher o saco. Queria ver se ele tentasse fazer isso com o Raikou ou o Entei, eles jogavem ele longe.
    Meu Deus, agora cada um foi pra um canto, bem, com a Amy eu não me preocupo pq ela é esperta o suficiente para sair da caverna em segurança. Já o Ethan e o Eusine... E falando em Ethan, pq esse tonto não pegou o Machamp? Ele está precisando de uns pokes e dá uma de sonsa.
    Ainda to com dó dos pokes do Forrest tento q ficar rodando atrás do menino igual aqueles doguinhos q se perdem ou são abandonados. Isso não se faz, Forrest!

    ReplyDelete

- Copyright © 2015 - 2019 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -