Posted by : Dento Feb 22, 2018



Já aproximava-se das dez horas da noite quando Ethan, Amy e Forrest observavam a entrada milenar da Cidade de Ecruteak, de onde era possível ver a silhueta da Torre do Sino, iluminada pelas luzes da cidade. Após andar o dia inteiro, eles mal viam a hora de chegar no Centro Pokémon, reservar um quarto e poder descansar para prosseguir viagem.

— Eu tô tão cansado que eu sinceramente não vou ligar de dormir com os fantasmas hoje... — Bocejou Ethan.
— Acho que nunca andei tanto na minha vida... — Reclamou uma Amy exausta.
— Mas, pelo menos, conseguimos chegar em Ecruteak sem ter que acampar na estrada... — Disse Forrest, coçando o olho.

Eles bem que queriam correr, mas seus corpos mal se aguentavam em pé. Ethan, cansado, sequer reparou numa pedra que estava em sua frente, fazendo-o tropeçar e cair para frente, batendo com força no chão.

Amy e Forrest correram para socorrê-lo.

— Ethan, você está bem? — Perguntou o moreno.
— Ai... Eu tô legal. Só meus joelhos que doem...

Os joelhos de Ethan sangravam. Não parecia nada de muito grave, apenas um arranhão causado pelo impacto no chão de terra.

— Vamos tentar nos apressar! Podemos colocar um curativo nesse machucado lá no Centro Pokémon. — Disse Amy.

Os garotos concordaram. Ethan levantou do chão com o auxílio de seus amigos, e se apoiou em seus ombros para completar o resto do caminho. No entanto, algo chamou sua atenção. Um brilho prateado saia por detrás das árvores da Rota 38, se escondendo rapidamente ao notar que havia sido descoberto.

— Ei, gente, pera aí... Aquilo ali é um Pokémon? — Perguntou o garoto, apontando para uma das árvores próximas.
— Pokémon? Onde? Eu não tô vendo nada, Ethan. — Respondeu Amy, semicerrando os olhos para ver se conseguia enxergar alguma coisa naquele breu.
— É, também não estou vendo nada... — Disse Forrest em seguida, tentando, sem sucesso, ver algo a olho nu no meio da mata escura.

O barulho de algo se movendo na grama deu a certeza de que Ethan não estava maluco. Realmente havia algo ali observando os garotos.

— Muito bem, acho que chega de brincadeira. — Ethan pegou a PokéBola de Quilava. — Me ajuda aqui, amigão. Ember!

O Pokémon Vulcão saiu de sua PokéBola e atirou chamas de sua boca na direção que seu mestre apontava. O fogo que surgiu assustou a criatura que se escondia ali. Ela então apareceu perante o grupo, pronta para se defender. Era uma criatura de metal flutuante que fez Ethan soltar uma exclamação, visto que havia enfrentado o mesmo Pokémon como oponente na luta contra Jasmine, bem recentemente.

 

— É um Magnemite selvagem!
— Ethan, você tem certeza que vai lutar contra ele? Você precisa cuidar do seu joelho... — Disse Amy para o garoto, num tom de voz preocupado.
— Não se preocupe, Amy, eu dou conta do recado. Além do mais, se esse Pokémon for selvagem, será uma ótima aquisição para a equipe, já que estou cada vez mais próximo da Liga Pokémon. O destino às vezes nos dá oportunidades que a gente não pode perder! Muito bem, Quilava! Flame Wheel!

O Pokémon de Ethan envolveu-se em chamas e disparou contra o oponente. Quilava já havia enfrentado um Pokémon da mesma espécie antes. Mas hoje ele tinha certeza de que o resultado daquela luta seria diferente. Ele se esforçaria para sair vencedor.

Magnemite foi atingido em cheio. Foi super-efetivo. Mas ele nada disse. Parecia estar estudando seu oponente. Mesmo que Quilava tivesse vantagem, ele era resistente. Então, ele atacou. Rápido, utilizou seu Tackle para atingir Quilava.

— Lava, você está bem? — Perguntou Ethan, obtendo resposta positiva de seu Pokémon logo em seguida. — Excelente. Tá na hora de botar pressão. Quick Attack!

Quilava ergueu-se do chão. Veloz, correu por trás de seu treinador para pegar velocidade e partiu para cima de Magnemite, derrubando-o no chão.

Ember! — Exclamou Ethan.

Aproveitando a vantagem que tinha por Magnemite estar no chão, Quilava lançou chamas de sua boca, que voltaram a atingi-lo.

O Pokémon de Ethan retornou à posição de combate. Encarava atentamente seu oponente, aguardando qualquer movimento que ele pudesse utilizar em resposta.

Mas, Magnemite levitou e encarou Quilava de maneira séria. Chacoalhou seu corpo magnético para livrar-se da terra que o sujava e continuou a analisar seu oponente.

Bzzzz bzzz bzzz bzzzz... — Dizia ele enquanto carregava de seus imãs uma poderosa corrente elétrica. Num piscar de olhos, Quilava foi atingido pelo grande choque elétrico do ThunderWave. O Pokémon de Ethan não sentia mais seu próprio corpo.

— Quilava! — Exclamou o garoto.
— Ele está paralisado! — Avisou Forrest.
— Mas que droga! Eu preciso pensar em alguma coisa, bem rápido...

Quilava encarou Magnemite. Seus olhos se encaravam. O Pokémon de Ethan estava furioso por estar sendo dominado daquela maneira. Seu oponente o encarava com curiosidade, quase como se tentasse ler a mente de Quilava para prever qual seria seu próximo movimento.

— Lava, eu sei que você ainda não desistiu dessa luta. Vamos sair dessa! Flame Wheel! — Gritou Ethan para seu Pokémon.

Quilava sacudiu a cabeça e tentou concentrar-se. Aquela paralisia não podia, e não seria maior que ele. Então, envolveu seu corpo nas maiores chamas que conseguia produzir e partiu para cima de Magnemite, que não recuou. Atingido, foi arremessado com violência para o tronco de uma das árvores próximas.

Ethan abaixou-se para abrir a mochila e procurar uma PokéBola vazia. Ele soltou uma exclamação baixinha quando viu que só tinha uma sobrando. O garoto a pegou, concentrou-se e arremessou em Magnemite, que foi sugado para dentro da cápsula.

Ela começou a se mexer violentamente. Vibrava e balançava para todos os lados possíveis. Magnemite não era um Pokémon fraco. Ethan torcia para que aquele Pokémon não escapasse.

Um estalo alto foi ouvido.

Bzzzzz... — Era o barulho ameaçador que Magnemite fazia, encarando os humanos e Quilava.
— Ethan, acho que agora você o provocou... — Sussurou Amy para o amigo.

Surpreendentemente, Ethan sorriu.

— Eu apanhei de um Magnemite de uma amiga muito poderosa e consegui derrota-lo. Não vai ser pra você que a gente vai cair. Quick Attack!

Quilava disparou para cima de Magnemite. Mas a sua paralisia o fez parar alguns metros à frente. Faíscas saíam de seu corpo. A corrente elétrica continuava a fazer com que ele perdesse o controle dos movimentos do próprio corpo.

O corpo de Magnemite foi coberto por uma densa corrente elétrica alaranjada. As faíscas então foram direcionadas para Quilava, que outra vez recebeu outro golpe elétrico sem poder se defender.

Ember, agora! — Exclamou Ethan.

Quilava disparou de sua boca chamas bem maiores do que o que costumava produzir. Ele estava com tanta raiva que todos a sua volta começaram a sentir a temperatura ambiente subir. O poderoso fogaréu atingiu Magnemite, que caiu tonto no chão. Aquele fogo era poderoso demais até para ele. E ele reconhecia isso.

— Amy! Forrest! Preciso de uma PokéBola, rápido! — Pediu o garoto de forma urgente aos amigos, que começaram a revirar suas mochilas.

Fora Amy que pegou uma cápsula vazia e entregou ao amigo.

— PokéBola, por tudo quanto é mais sagrado, vai! — Ethan a arremessou.

A última coisa que Magnemite viu antes de sentir seu corpo ser sugado pela esfera vermelha foi Quilava o encarar com um olhar mortal. Magnemite finalmente havia conseguido o que queria: Um oponente forte o bastante para testar suas habilidades.

Agora também teria um treinador capacitado para fazê-lo evoluir ainda mais em batalha.

Então a PokéBola lacrou com ele lá dentro e diminuiu seu tamanho.

Mancando, Ethan aproximou-se da esfera caída e a recolheu. Olhando para Quilava, sorriu.

— Acho que estou quites com você, não é, amigão?

Quilava correu até seu mestre o começou a lamber seu rosto, demonstrando seu carinho. A eletricidade estática em seu corpo fez Ethan tomar um leve choque na mão ao passa-la pelo corpo de seu Pokémon e caiu ao chão, fazendo Amy e Forrest correrem para auxiliá-lo.

—Quilava realmente ama você! Talvez seja a forma de ele dizer que o que aconteceu na batalha contra o Magnemite de Jasmine é passado. — Sorriu Forrest.

Ethan levantou-se apoiado nos ombros dos amigos. Com Quilava ao seu lado, o garoto guardou a PokéBola de seu Magnemite no bolso.

— Nove Pokémon. Quem diria, hein? Será que você vai ter capacidade de treinar todos eles até a Liga? — Provocou Amy.
— Obrigado pela ajuda, Amy. Por sua causa, eu consegui pegá-lo. Acho que vou ter que pedir pro Professor Elm guardar mais um Pokémon com ele... Faísca chegou na equipe. — Sorriu o garoto com os amigos enquanto os auxiliava a recolher suas bagagens para concluir o trajeto até o Centro Pokémon.

***

— O QUE QUER DIZER COM “NÃO HÁ VAGAS”?! — Berrou o garoto no saguão do hospital ao dar de cara com um grande aviso.

Ecruteak receberia duas treinadoras excepcionais, que defendiam postos na lendária Batalha da Fronteira. Um evento desse tamanho, obviamente, traria diversos treinadores de diversos lugares de Johto para prestigiar. E foi um detalhe que o grupo se esqueceu de considerar durante o trajeto até a Cidade.

— Poxa vida, e agora? — Lamentou Forrest.

Amy bufou.

— Que ótimo! Agora a gente vai ter que dar uma de andarilho e dormir na praça! Era só o que me faltava mesmo!

Ethan não havia ainda se dado por vencido. O garoto então se dirigiu ao balcão da Enfermeira Joy.

— Boa noite, enfermeira. Não tem mesmo nenhum quarto sobrando? Eu e meus amigos viemos de longe e não temos onde passar a noite...
— Infelizmente não. Todos os nossos quartos e suítes já estão ocupados. O que eu posso fazer é tentar ligar para o Centro Pokémon mais próximo, que é o de Olivine.
— Mas nós acabamos de vir de lá.
— Sinto muito, mas é o que temos pra hoje. — Disse a Enfermeira Joy, exausta. Com certeza Ethan não era o primeiro a mendigar vaga. Então, mesmo sem querer, ela acabava tratando os treinadores de uma forma levemente ríspida. — Tem mais alguma coisa que eu possa fazer por você?
— Tem sim... Por favor, preciso que você cuide desses Pokémon pra mim. — Pediu Ethan enquanto entregava as PokéBolas de sua equipe à jovem enfermeira.

O saguão do Centro Pokémon estava cheio. Os garotos mal conseguiram lugar para sentar na recepção. Então, para Amy poder cuidar dos ferimentos nos joelhos de Ethan, os garotos sentaram-se no chão mesmo, encostado em uma das paredes próximas ao balcão, enquanto Forrest dirigiu-se aos banheiros. O garoto fazia caretas quando Amy examinava as feridas.

— Se você continuar se mexendo desse jeito, eu não vou poder limpar isso aí. — Disse a garota, impaciente.
— Desculpa... Ai! É que dó quando você encosta... Ai! — Choramingava Ethan.

Forrest aproximou-se dos dois com uma vasilha com água mineral dentro. Agachou-se próximo à Amy e entregou-o para a garota. Com um pouco de gaze adquirida com a Enfermeira Joy, a garota concentrava-se em limpar o sangue, que já começava a ficar coagulado, e colocar um curativo em cima.

Alguns poucos minutos depois, os joelhos de Ethan estavam devidamente medicados.

— Nossa, mas você é boa mesmo, hein? Aonde foi que você aprendeu isso? — Perguntou Ethan à amiga, impressionado.
— Desde pequena que eu me viro sozinha em tudo o que faço. Tive que aprender a fazer primeiros socorros se quisesse ficar viva. — Respondeu a garota de forma tranquila.

Forrest e Ethan se encararam assustados.

— Caramba... Às vezes eu esqueço que você... — Forrest cochichou apenas para os amigos ouvirem — ...Já foi da máfia.

Chansey foi ao encontro dos garotos. Abaixou sua bandeja e permitiu que Ethan pegasse suas sete PokéBolas.

— Muito obrigado, Chansey. — Agradeceu o garoto.
— E agora, o que vamos fazer? — Perguntou Amy.
— Primeiro, eu vou mandar um Pokémon ao laboratório. Depois, a gente sai daqui e pensa numa solução. — Disse Ethan, enquanto levantava-se do chão e se dirigia a um dos Computadores do Centro Pokémon para ligar para o laboratório do Professor Elm.

Com Quagsire enviado ao laboratório e com Faísca juntando-se à equipe, os garotos saíram do Centro Pokémon e se sentaram na calçada. A lua cheia brilhava no céu estrelado. Ethan, Amy e Forrest sentiam seus corpos implorarem um lugar para descanso imediato.

— Acho que a melhor solução é a gente voltar para a Rota 38 e acampar por lá. Pelo menos por essa noite. — Sugeriu Forrest.
— É, tô vendo que vai ter que ser assim mesmo... Me acostumei a ter uma cama quentinha nos Centros Pokémon e acabei esquecendo como é dormir dentro de uma barraca. — Disse Amy, visivelmente aborrecida com a ideia.

Um Pokémon aproximou-se do grupo. Ele era quadrúpede, com pernas esbeltas e patas delicadas, com uma cauda fina bifurcada na ponta. Seu corpo felino era coberto de um belo e macio pelo lilás. Suas orelhas eram grandes e tinha olhos roxos com pupilas brancas, com mechas de pelo que saíam de seus ouvidos, além de uma pequena e brilhante joia vermelha embutida em sua testa.




— Eu sabia que nosso grande guardião traria vocês de volta! — Exclamou uma voz feminina.

Ao olharem para o lado, o trio deu de cara com uma jovem japonesa, trajada com seu quimono vermelho com PokéBolas brancas. E por mais estranho que fosse, ela era muito familiar.

— Desculpe, mas nos conhecemos de algum lugar? — Perguntou Ethan.
— Meu nome é Naoko. Nos conhecemos há algumas semanas, quando a maligna Equipe Rocket me sequestrou para tentar roubar o nosso amado Lugia, lembram-se?

O trio soltou uma exclamação.

— Então você é aquela guardiã...! — Forrest apontou para Naoko.
— Não apenas eu, mas minhas irmãs também. Desde aquele dia que rezo para que pudesse me encontrar com vocês para agradecer por terem me ajudado. Arigatou. — Naoko curvou-se em agradecimento para os garotos. — Serei eternamente grata.

Os garotos ficaram sem graça.

— Não precisa agradecer... Foi coincidência termos ido parar ali. — Disse Amy.
— Eu não acredito em coincidências. E o fato de termos nos reencontrado aqui só prova isso! — Exclamou Naoko, sorrindo. — O que vocês fazem aqui nesta cidade, uma hora dessas?
— É que acabamos de chegar de Olivine e descobrimos que não tem vagas disponíveis para passarmos a noite no Centro Pokémon. — Contou Ethan.
— Quando você chegou, estávamos nos preparando para voltar para a Rota 38 e acamparmos lá. — Completou Forrest.

Naoko sorriu.

— Ora! Mas isso não é problema. Vocês podem passar a noite comigo e com minhas irmãs! Nós estamos fazendo uma temporada no Teatro da Cidade com nosso espetáculo de danças tradicionais. Seria uma honra para mim acomodar vocês conosco.
— Olha, agradecemos o convite, mas não queremos atrapalhar vocês. — Disse Amy.
— Por favor, senhorita, eu insisto! Não atrapalharia em nada! E tenho certeza que minhas irmãs pensam o mesmo! Elas querem conhecer meus heróis!

Ethan, Amy e Forrest trocaram olhares envergonhados.

— Mas nem somos heróis... — Cochichou Ethan.
— Por favor! Eu e Espeon insistimos! — Disse Naoko, curvando-se novamente perante os garotos.
— Tudo bem, nós iremos. — Concordou Forrest, com um sorriso.

Ethan sacou a PokéDex.

— “Espeon, um Pokémon Sol. É a forma evoluída de Eevee. Usa o pelo fino que cobre o corpo para sentir as correntes de ar e prever coisas como o tempo ou o próximo movimento do inimigo.” — Informou o dispositivo.

O trio seguiu Naoko e seu Pokémon através das ruas de Ecruteak. Não demorou muito para que a fachada do grande teatro, que mais parecia um palácio, aparecesse majestosa perante eles. Sua arquitetura antiga combinava com as demais construções da lendária cidade, com colunas imensas que sustentavam a grande fachada do prédio.

O grupo deu a volta pelo quarteirão e seguiu em direção a uma típica casa de Ecruteak, que ficava ao lado do teatro. O que o teatro tinha de grande e imponente, o local de onde os jovens se aproximavam era uma simples tradicional casa japonesa, revestida por madeira antiga. Naoko abriu a porta de entrada que, assim como todas as outras portas daquela casa, deslizava e era feita de madeira e papel, sendo então portátil e facilmente removível. Um hall de entrada dava boas-vindas aos visitantes. Naoko pediu para que Ethan, Amy e Forrest removessem seus calçados e os colocassem em um grande armário de madeira próximo à porta de entrada.
O piso da casa era levemente erguido do chão, o que evitava a umidade e a inundação no caso de fortes chuvas.

Onee-san, tadaima. — Naoko anunciou, em voz alta e em japonês, sua chegada da rua.
— Oh, Naoko! Ainda bem que você chegou! Você demorou, onee-chan. Estava ficando preocupada já! Disse a irmã, abraçando a mais nova. Não se sabia se elas eram gêmeas, ou se era devido ao fato de serem japonesas, mas nem Ethan, nem os amigos, souberam diferenciar quem era quem. A irmã de Naoko era uma cópia fiel de sua parceira fraterna. A diferença era que a irmã de Naoko, ao invés de vermelho, tinha o quimono azul com grandes PokéBolas brancas. Um Pokémon a acompanhava. Ele era uma criatura quadrúpede com três dedos pequenos em cada pé e almofadas de pata azul escuro nos pés traseiros. Seu corpo era azul claro com contornos azuis escuros em torno de sua cabeça e numa espécie de crista em suas costas, além de uma cauda que lembrava as das sereias. Tinha uma espécie de gola branca em volta do pescoço e três barbatanas ao redor de sua cabeça de cor cremosa.




Ethan pegou sua PokéDex e apontou para o Pokémon.

— “Vaporeon, um Pokémon Jato de Bolhas. É a forma evoluída do Eevee. Quando suas barbatanas começam a vibrar, é um sinal de que a chuva virá dentro de algumas horas. Ele prefere lindas praias. Com células semelhantes às moléculas de água, ele pode ficar invisível na água.” — Informou o dispositivo.

— Eu estou bem, Kuni. Acabei encontrando com eles, os heróis que me salvaram aquela vez na luta com o guardião Lugia. — Disse Naoko, apontando para os acompanhantes.
— Foram vocês que salvaram minha irmã e o guardião Lugia?! Oh, mas que enorme satisfação recebe-los em nossa residência! Irmãs, por favor! — Kuni saiu chamando as outras tão depressa que Ethan, Amy e Forrest não tiveram nem tempo de cumprimenta-la.

A terceira irmã chegou, cautelosa. Era idêntica as outras duas. Seu quimono, porém, era da cor preta com as estampas de PokéBola brancas. Ao seu lado, um Pokémon com um elegante corpo preto com quatro pernas esbeltas e olhos vermelhos. Haviam dois pares de dentes afiados saindo de sua boca, um par na mandíbula superior e outro na parte inferior. Tinha orelhas longas e uma cauda espessa, e elas tinham um círculo amarelo ao seu redor. Sua testa e pernas tinham anéis amarelos sobre eles.




— “Umbreon, um Pokémon Luar. É a forma evoluída de Eevee. Quando agitado, este Pokémon protege-se pulverizando suor venenoso de seus poros. Quando a noite cai, os anéis de seu corpo começam a brilhar, colocando medo nos corações de alguém próximo.” — Informou a PokéDex de Ethan.
— Eu me chamo Zuki. É um prazer conhece-los, viajantes. — E curvou-se em cumprimento.

As outras duas irmãs vieram juntas, guiadas por Kuni. Uma, com quimono verde acompanhada de um Pokémon quadrúpede com o corpo coberto de pelos curtos e avermelhados, com orelhas compridas, olhos escuros e um pequeno nariz preto. O fofo pelo amarelo formava um pequeno topete no topo de sua cabeça, e formava sua cauda espessa e uma juba ao redor do peito e do pescoço.




— “Flareon, um Pokémon Chama. É a forma evoluída de Eevee. Ele armazena um pouco do ar que inala em sua bolsa flamejante interna, o que o faz aquecer numa temperatura superior a de 1.700°C, fazendo-o afofar sua juba para esfriar a temperatura do corpo”.

A última irmã trajava um quimono roxo e seu Pokémon, também quadrúpede, era coberto de pelos amarelos com uma franja espinhosa em torno de sua cauda e uma crista branca em volta do pescoço. Suas orelhas eram grandes e pontudas, e seus olhos e nariz eram pretos.




— “Jolteon, um Pokémon Relâmpago. É a forma evoluída de Eevee. Concentra as baixas cargas elétricas emitidas por suas células e lança cruéis raios elétricos. Todos os pelos em seu se arrepiam se ele for carregado com eletricidade.”. — Informou pela última vez a PokéDex.




— Boa noite. Eu sou Miki. — Apresentou-se a irmã do quimono verde.
— E eu sou Sayo. É um prazer conhece-los. — Curvou-se a última, junto com as outras.
— Prazer em conhece-las! Eu me chamo Ethan. E estes são meus amigos, Amy e Forrest. Sentimos muito por estarmos incomodando vocês esta hora da noite.
— Irmãs, estes são aqueles que me salvaram das mãos da Equipe Rocket. Os trago aqui para que eles possam passar a noite conosco, visto que estão cansados da viagem que fizeram. — Anunciou Naoko.

Ethan, Amy e Forrest apenas ficavam em silêncio. As quatro irmãs conversavam entre si, em japonês, encarando o grupo. Aquela sensação era muito desconfortável. Naoko acompanhava os convidados e também não dizia nada.

Foi Zuki quem encerrou a discussão e aproximou-se do trio.

— Muito obrigada. Sem vocês, eu não consigo imaginar o que seria de Johto. — E curvou-se perante eles.
— Como assim? — Perguntou Forrest.
— Somos nós as guardiãs de Lugia e Ho-Oh. A cada geração, zelamos e cuidamos para que os guardiões vivam em paz, como as lendas dizem. Aquele dia, Naoko foi sequestrada por um dos Rockets... E eles a levaram para o esconderijo de Lugia e o fizeram aparecer. Naoko comentou que não conseguiram levar ele, e que isso só aconteceu graças a vocês. — Explicou a mais velha.

Os garotos se entreolharam.

— Que isso, nós não... — Começou Ethan.
— Devido a isso, seremos eternamente gratas a vocês. E creio que nossos guardiões também. Sintam-se a vontade, fiquem o tempo que acharem necessário. — Sorriu Miki.

Naoko olhou para os garotos e sorriu gentilmente.

— Venham, vou leva-los até os quartos.
— E eu vou preparar o jantar. — Anunciou Zuki, se retirando daquele cômodo, sendo seguida por seu Umbreon.
— Eu te ajudarei, onee-san! — Exclamou Sayo, seguindo a irmã com Jolteon ao seu encalço.

***

Não havia nada melhor depois de uma viagem cansativa do que um banho tomado e satisfazer a fome com um banquete especial. Ethan, Amy e Forrest sentiam-se aliviados pela sorte de terem encontrado Naoko e mais ainda por suas irmãs serem tão receptivas. Os garotos contavam as histórias de sua viagem enquanto degustavam deliciosas receitas tradicionais japonesas preparadas pelas garotas. Havia, por exemplo, pratos como sushi, ramen, takoyaki e muitas outras derivações de pratos. As horas foram se passando rapidamente. A conversa, a comida, a tradição de sentar-se sobre os joelhos, histórias sobre Johto e Ecruteak... Tudo era tão bom que quando os bocejos começaram a se tornar frequentes, o grupo desejou ser forte para poder lutar contra o sono e o cansaço.

Os amigos se arrumaram no pequeno quarto de hóspedes das irmãs. Colchonetes foram espalhados pelo piso de madeira, as mochilas foram colocadas próximas à porta e o silêncio da cidade era mais aconchegante do que assustador. De repente, Ecruteak não era tão assombrada assim.

Não demorou muito para que Ethan, Amy e Forrest pegassem no sono.

***

Quando amanheceu, os garotos prontamente foram despertados às oito horas da manhã, quando Sayo veio acordá-los. Eles então arrumaram suas coisas, enrolaram os colchonetes e foram se despedir das irmãs. Haviam combinado de irem tomar café da manhã no Centro Pokémon, assim, não se atrasariam para o evento que ocorreria mais tarde. Eles agradeceram pela noite anterior, pela hospedagem e pela recepção, despediram-se dos Pokémon com um cafuné na cabeça cada um e seguiram para o hall de entrada da casa, onde pegaram seus calçados, vestiram e saíram pela porta. Mais uma vez, estavam felizes. As coincidências daquela estadia os livraram de uma fria.

Ao chegarem no Centro Pokémon, o grupo se dirigiu ao refeitório, que para a sorte deles, não estava tão cheio. Àquela hora da manhã, provavelmente, grande parte dos treinadores hóspedes ainda não tinha acordado.

O grupo então serviu-se de pão, café, leite, cereais e muitas outras coisas que haviam disponíveis no refeitório. Devido a presença de muitos treinadores naquele dia, havia um número maior de alimentos para serem servidos ao público.

Ao terminarem as refeições e darem-se por satisfeitos, os garotos decidiram ir até o centro da cidade para comprar PokéBolas — Ethan já não tinha mais nenhuma consigo. E, sem pressa nenhuma, os três caminharam pelas ruas e avenidas de Ecruteak, se dirigindo ao PokéMart.  Ao chegar, os garotos abasteceram o necessário, pagaram os produtos e fizeram o caminho de volta para o Centro Pokémon, onde os garotos passaram o resto da manhã conversando e treinando seus Pokémon, em batalhas contra treinadores.

Após o almoço, os garotos, seguidos por diversos treinadores, seguiram do Centro Pokémon até o centro da cidade, onde o evento estava marcado para acontecer. Na praça de Ecruteak, os treinadores foram se organizando ao redor da praça da cidade, onde havia um palco que devia medir uns cinco metros de largura, mas não havia ninguém nele. Murmúrios e cochichos começaram a ser produzidos pelo público ansioso, que mal via a hora de a palestra sobre a Batalha da Fronteira começar.

Uma limusine aproximou-se do lugar. As atenções foram desviadas para o grandioso carro preto que vinha com velocidade. Quando estacionou atrás do palco montado na praça e as portas se abriram, o público ovacionou as duas mulheres que de do carro saíram, cercadas por seguranças. A mulher mais jovem, Dahlia, era morena, com longos cabelos em dread, pintados de azul nas pontas, com um lindo sorriso largo e olhos azuis enormes, o que a permitia ser carismática sem dizer uma única palavra. O piercing em seu umbigo, que brilhava sempre que refletia a luz do sol, era visível pois a moça vestia umaa blusa cropped amarela bem curta, com um babado na cor branca costurado nas mangas e  no colarinho da blusa. Seu look estiloso terminava com uma calça legging azul e saltos altos amarelos, da cor de sua blusa, que parecia querer competir com a cor do sol.




Sua acompanhante, por sua vez, apesar de ser mais velha, não deixava de ser tão estilosa quanto a companheira, mesmo que mais recatada. Tinha a pele pálida e as marcas em seu rosto denunciavam a idade avançada que tinha. Ao contrario de Dahlia, Argenta tinha um olhar mais desafiador, com olhos vermelhos que combinavam com o conjunto que estava vestindo: uma jaqueta de couro e uma bermuda de mesmo material. Usava uma blusa branca de gola alta por baixo, uma meia calça roxa, botas pretas de cano alto e enormes brincos redondos e azuis. Sua bota com salto mostrava poder, uma atitude de superioridade. As luvas completavam o estilo aviador que possuía no geral, como uma verdadeira exploradora. Ela removeu os óculos escuros e dirigiu-se às escadas traseiras do palco para subir nele e cumprimentar o público junto à parceira.


Ambas pegaram os microfones e saudaram os admiradores.

— Boa tarde, jovens treinadores e treinadoras! Eu sou Dahlia, e esta é minha parceira, Argenta! Nós somos integrantes da renomada Batalha da Fronteira! — Disse Dahlia, de forma bastante enérgica.

O público a ovacionou. Eles realmente estavam alvoroçados de verem aquelas duas mulheres ali. O maior empolgado parecia ser Forrest, que não tirava os olhos de Argenta, fazendo Ethan e Amy ficarem trocando sorrisos maliciosos. Ele realmente não mentira quando disse que Argenta era sua ídolo.

— Agradeço a todos. Viemos em nome da Organização BF para convidar à todos vocês a participarem da Batalha da Fronteira, que ano que vem terá temporada sediada em Johto. — Anunciou Argenta, com um sorriso.

Um coro maciço de exclamações e palmas se misturava às aclamações do público. Aquilo realmente era uma notícia e tanto. E Forrest era o que se empolgava mais com a noticia. Ele já estava pensando em estender sua viagem em Johto apenas para ter a oportunidade de enfrentar Argenta na Batalha da Fronteira.

Dahlia levou o microfone à boca.

— A Batalha da Fronteira é composta pelo maior time de treinadores que o mundo já viu. Muitos de nós somos mais habilidosos que muito membro da Elite 4 por aí! — E sorriu de forma debochada. — E o melhor de tudo é que vocês não precisam de insígnias e enfrentar o campeonato da Liga Pokémon para nos enfrentar. É só chegar! Mas cuidado... Nós podemos massacrar cada um de vocês rapidamente, e isso não é um blefe.

 Os treinadores começaram a encarar as duas mulheres de uma maneira mais séria agora. A ovação geral, aos poucos, começava a diminuir. O olhar daquelas duas mulheres experientes agora hipnotizava a todos que as assistiam.

— Nós levamos batalha Pokémon muito a sério. Nenhum Cérebro de Fronteira pega leve com desafiante nenhum. E vamos mostrar isso na prática. — Disse Argenta, pegando uma PokéBola do bolso da jaqueta.

De dentro da cápsula, um Pokémon assustador saiu e materializou-se ao lado de sua treinadora. Com um corpo que se parecia muito com um esqueleto, ele tinha uma cabeça em formato de disco meia-lua, com dois pequenos olhos voltados para frente. Seu corpo tinha uma caixa torácica cinza claro com uma concha marrom em suas costas que se assemelhava a uma espinha dorsal visível, contendo três costelas que se projetavam para cada lado de seu corpo e uma cauda grossa e afiada. Não tinha mãos ou patas, mas duas grandes e afiadas foices cinzas. Suas pernas eram castanhas e finas, com pés pequenos acopladas com duas grandes garras cinzentas. Ethan olhou atônito para aquele Pokémon. Sacou sua PokéDex para descobrir seu nome.




— “Kabutops, um Pokémon Marisco. É um Pokémon pré-histórico evoluído do raro Kabuto. Na água, ele dobra seus membros para tornar-se mais compacto, então ele se contorce em sua concha para nadar mais rápido. Com garras afiadas, este Pokémon feroz e antigo rasga suas presas e suga seus fluidos corporais.” — Informou o dispositivo.
— Sinistro... — Comentou Ethan, assustado.

Argenta sorriu maliciosamente.

— Este Pokémon não terá piedade de vocês. Ele está disposto a cortar seus queridos Pokémon ao meio, caso necessário. E, como uma oportunidade única, estou lançando uma proposta aqui. Quem de vocês tem coragem de vir aqui e me enfrentar?

Um silêncio tomou conta do ambiente. Era de dia, mas parecia que tudo na cidade ficou calado. Nem as avenidas movimentadas pareciam produzir sons do trânsito local. Todos começaram a se olhar, desconfortáveis. Aquilo era realmente algo que pegou a todos de surpresa. Quem seria louco o bastante para aceitar o desafio de uma das treinadoras mais habilidosas do mundo que utilizaria um Pokémon assassino, ainda por cima?

— Eu aceito o desafio.

Todos olharam para trás. Incrédulos, queriam ver quem foi o suicida que disse “sim” ao desafio mortal proposto por Argenta.

Ethan e Amy olharam para Forrest com os olhos arregalados. Pessoas próximas cochichavam umas às outras, quando viram que o garoto estava com a mão direita estendida para o alto, olhando fixamente para Argenta.

— Forrest, você tem certeza? Aquele Pokémon pode te fazer em pedacinhos! — Exclamou Ethan.

Forrest sorriu.

— Eu nunca desperdiçaria a oportunidade de enfrentar Argenta. Como fã dela, eu sei o que me aguarda.
— Boa sorte... — Desejou Amy para o amigo, apertando firme seu ombro.

O moreno começou a caminhar em direção ao palco. A cada passo que dava, o público abria o caminho para sua passagem. Argenta o encarava curiosa.

— Vejo que você é um rapaz bastante corajoso... Diga-me seu nome, treinador. — Disse ela, quando Forrest subiu ao palco.
— Meu nome é Forrest. E eu sou seu maior fã! — Exclamou o garoto, tremendo de emoção da cabeça aos pés.

Argenta deu um sorrisinho.

— Tch. Meu fã? Que sorte a minha... Então eu acho que você deve ser alguém especial. Você coleta insígnias? Disputará a Liga Pokémon?
— Não. Eu estou viajando em treinamento para poder assumir o Ginásio de Pewter, de meu irmão Brock.

Argenta ergueu uma das sobrancelhas, intrigada.

— É a primeira vez que eu ouço algo assim... Ginásio de Pewter, em Kanto, certo? Que utiliza Pokémon do tipo Pedra... O meu tipo...
— Exato.
— Entendo... Bem, parece que eu irei testar seus poderes, meu jovem. Eu o avaliarei e, como mestra nos Tipo Pedra, direi se você é digno de assumir tal responsabilidade. O que acha da ideia?

Os olhos de Forrest brilharam.

— Seria maravilhoso, senhora! Por favor, eu estou pronto para o seu desafio!

Argenta fechou os olhos e sorriu. Fazia tempo que ela não via alguém tão determinado assim. Talvez ele realmente era seu fã. Mas, como seu fã, ele não poderia ser menos do que um ótimo treinador. Ainda mais utilizando Pokémon do mesmo tipo que ela.

A mulher olhou para Dahlia que deu alguns passos para trás.

— Senhoras e senhores. Tenho a honra de apresentar a batalha entre a Dama do Salões, Argenta contra Forrest, o treinador! Forrest, por favor, escolha seu Pokémon. A batalha será um contra um. O primeiro que perder, está fora.  — Disse Dahlia.

Forrest sacou sua PokéBola.

— Uma batalha especial requer um Pokémon especial. Conto com você, Rhyhorn!

O companheiro de longa jornada de Forrest saiu da PokéBola e alongou seu poderoso corpo. Depois de um bom tempo, ele estava de volta para lutar.

— Comece. — Pediu Argenta.
— Muito bem então. Rhyhorn, Take Down!

Rhyhorn saiu em disparada em direção ao oponente, pegou impulso e saltou, caindo em cima de Kabutops. O ataque, porém, também machucou Rhyhorn.

Mas Argenta pareceu não se incomodar.

Night Slash. — Disse ela de uma maneira tão calma que parecia até desdenhar.

As poderosas lâminas de Kabutops ergueram o pesado Rhyhorn e o arremessaram para cima. Com uma velocidade impressionante, o Pokémon fóssil partiu para cima do oponente cortou sua pele dura com suas foices afiadas, arremessando-o para fora da arena.

— Rhyhorn! — Exclamou Forrest. — Erga-se! Use o Rock Blast!
Waterfall.

Kabutops envolveu seu corpo com uma poderosa rajada de água. Então ele moveu seus braços e partiu o chão em dois. Um poderoso gêiser surgiu do buraco e atingiu em cheio Rhyhorn, que caiu nocauteado.

As pessoas na plateia prenderam a respiração. O resultado da batalha foi muito rápido... Aquilo nunca havia sido visto por nenhum olho humano. A força de Kabutops era sobrenatural.

Forrest retornou seu Pokémon e ouviu Argenta se aproximando.

— Eu derrotei você com apenas dois golpes. Dois. E você ainda se considera um treinador dos tipos Pedra? — Questionou para o garoto.
— Eu... — Forrest ia tentar se explicar, mas foi interrompido por Argenta, que aproximou-se de seu ouvido.
— Se eu soubesse que iria perder tempo com alguém como você, eu teria escolhido outra pessoa para lutar em seu lugar. Você nunca irá assumir o Ginásio de Pewter se você continuar pensando como um treinador medíocre.

Forrest olhou para Argenta com os olhos cheios de lágrimas.

— Argenta, eu...
— Garoto, você diz que é meu fã, mas nem parece se inspirar em mim. Espero que da próxima vez que o encontrar, você pelo menos consiga aguentar mais de cinco minutos numa batalha Pokémon.
— Forrest! — Chamavam Amy e Ethan da plateia.

Argenta deu de costas e voltou a sorrir para o público.

— Essa é a verdadeira força de um Cérebro de Fronteira. Claro que isso ficaria mais evidente se eu tivesse a oportunidade de batalhar com um treinador poderoso de verdade. — A mulher encarou Forrest, que fechou os pulsos e olhou para o chão, morrendo de vergonha.
— Espero que vocês treinem pesado e venham nos desafiar na Batalha da Fronteira na temporada do ano que vem. Eu e nossos outros companheiros estaremos esperando vocês. — Sorriu Dahlia, despedindo-se do público.

Ela e Argenta desceram as escadas e entraram na limusine, que partiu rapidamente dali.

Dentro do carro, Argenta voltou a colocar seus óculos escuros.

— Você não acha que pegou pesado demais com aquele garoto? — Perguntou Dahlia, séria.
— Eu não tenho culpa alguma se ele não conseguiu ser páreo pra mim.
— Eu não me referi à batalha.

Argenta olhou para a companheira e depois encarou o céu azul de Johto.

— Eu estou velha demais para agir com delicadeza. Não ganho pra isso. A carismática é você, Dahlia.

Enquanto o carro sumia no horizonte, Ethan e Amy tentavam consolar o amigo, que não dizia nada.

— Forrest, está tudo bem... Perder pra um treinador poderoso é comum... — Disse Amy, apoiando as mãos no ombro do amigo.
— Sim, cara... Sei que você vai dar duro agora para poder ficar melhor e... — Ethan foi cortado quando Forrest abruptamente deu um passo para trás.
— Eu sou um lixo. — As lágrimas no rosto do garoto agora escorriam descontroladamente.
— Não, Forrest, você não... — Tentou consolar Amy.
— Eu não aguento mais ficar pra trás. Desde que comecei minha viagem eu nunca tive um desafio de verdade, como vocês dois. Eu estou sempre na sombra de alguém. Nem a Lyra quis ficar comigo! Já chega disso, chega! Eu vou seguir viagem sozinho a partir de agora! — Gritou Forrest.
— O quê?! Como assim?! — Exclamou Ethan.
— Eu vou dar um jeito de voltar pra casa. Eu não tô pronto ainda pra ser um treinador. E nunca vou realizar o sonho de assumir o Ginásio de Pewter. Eu estou só gastando o meu tempo e dinheiro nessa porcaria de viagem inútil! Eu nunca mais quero saber disso de novo. Nunca mais! — Berrou o moreno, saindo correndo dali.

Amy e Ethan tentaram correr atrás de Forrest, mas o garoto sacou uma PokéBola e liberou Graveler.

Magnetude!

Graveler com seus dois pares de poderosos braços musculosos quebrou o chão embaixo de Ethan e Amy, criando um terremoto poderoso. Ethan se jogou para cima de Amy, na tentativa de evitar que ela se machucasse. Os dois caíram ao chão e perderam a consciência, enquanto Forrest continuou correndo em direção do Centro Pokémon.

***

Já era noite quando Ethan acordou na cama do Centro Pokémon. Sua cabeça estava enfaixada. Também estava com uma tala em seu braço, que doía bastante.

Ao olhar para os lados, viu Amy sentada numa poltrona no quarto. A garota tinha um curativo na têmpora esquerda e um na bochecha direita. Tirando isso, ela parecia não ter se machucado. Ela o encarava de forma séria.

— Amy... Que bom que você está bem. Eu fico feliz. — Sorriu o menino, fazendo-a corar.
— Sou eu que fico feliz em ver que você acordou. E vivo. — Ela sorriu. — Obrigado por ter feito aquilo... Por ter quase se sacrificado por mim. Te devo uma.

Ethan ficou sem graça.

— Hehehe... Não foi nada. Você não me deve nada. — E mudou sua expressão. — E o Forrest? Algum sinal dele?

Os grandes olhos azuis de Amy mudaram de expressão. Ficaram preocupados. Mas Amy continuava intrigada.

— Ele sumiu, Ethan. E deixou os Pokémon dele pra trás.

Ethan soltou uma exclamação.

— Como é?!
— Quando desmaiamos, ele veio até o Centro Pokémon e pediu para a Enfermeira Joy cuidar de Rhyhorn. Deixou todos os Pokémon com ela e... Não voltou pra busca-los.

Ethan a encarou incrédulo.

— Eu não acredito nisso!
— E tem mais. Ao ficarem sabendo, os Pokémon dele decidiram sair do Centro Pokémon e ir atrás de Forrest. Ninguém conseguiu pegá-los. Eles ameaçaram a Enfermeira Joy e quem tentava impedí-los.

Ethan estava estupefato. Como aquilo podia ter acontecido?

— Então a gente tem que ir atrás dele! — Exclamou o garoto.
— É impossível. Não sabemos onde ele está.
— Mas tem a Butterfree! E você tem a Pidgeot! A gente pode procurar pelo céu e...
— Ethan, não! — Amy exclamou. A garota chorava. — Eu amo você. Eu amo o Forrest. Mas, por favor... Deixe ele ir embora.

Ethan a encarou surpreso.

— Amy...
— Nós não vamos obriga-lo a ficar conosco. Deixe ele ir embora, pra sempre, se quiser! Eu só... Eu só quero que ele... Fique bem...

Amy caiu aos prantos. Ethan levantou-se de sua cama e, mesmo com o corpo doendo a cada movimento que o garoto fazia, ele resistiu e foi até a garota, abraçando-a e chorando também.

— Por que, Amy? Por quê? — Ele perguntou aos prantos.

Após uma batalha contra sua maior ídolo, Forrest decidiu terminar sua viagem Pokémon. Abandonando toda sua equipe no Centro Pokémon de Ecruteak, o paradeiro do garoto é desconhecido. Ninguém sabia para onde ele havia ido, nem se havia voltado para casa, na Cidade de Pewter, em Kanto. Seus Pokémon, a fim de procurar por seu mestre, também desapareceram. E agora, Amy e Ethan, sozinhos, encontram forças para continuar sua viagem sem seu melhor amigo.


TO BE CONTINUED...



{ 10 comentários... read them below or Comment }

  1. Achou que eu não faria o primeiro comentário? ACHOU ERRADO OTÁRIO
    Tá começando mais um Choque de Comentário

    Yo Dento,tudo bom?Sente-se feliz em acabar com shipps,amizades,sonhos do Forrest? HUAHAUAHAUAHAHUA

    Poxa vida cara já estava com várias piadinhas prontas e você resolve terminar o capítulo dessa forma cara? (pra não perder a oportunidade vamos fazer uma piadinha básica:Como assim o Ethan cai e os seus amigos ajudam ele?Todo mundo sabe que se você cair seus amigos primeiro vão sorrir de você depois eles te ajudam,acabou o momento piadinha)

    O Ethan pegou um Magnemite,alguma possibilidade dele evoluir para Magnezone? (sim ele acabou de pegar o pokemon e eu já tô pensando na evolução)

    Quando começou a falar sobre a BF e que eles estariam na cidade eu achava que a Amy faria o desafiou já que ela é a mais experiente ou o Ethan mas era meio improvável já que ele já teve bastante destaque no último arco e no próprio episódio mas o Forrest eu nem esperava

    Tadinho do Forrest cara ele não teve nem chance,além de perder a batalha ela resolveu humilhar ele pra nada,talvez não seja só pra nada já que isso mudou a perspectiva dele e vai fazer ele treinar pra ficar mais forte(supondo que os pokemons dele o encontrem)

    Ele usar o Graveler pra atacar seus amigos eu achei um tanto quanto praque toda essa brutalidade cara?Ele machucou consideravelmente pouco mas podia ter sido mais(deviam ter chamado o forrest pra ajudar a derrubar o farol HUAHAUAHAHAHUA)

    Tivemos a conclusão dos acontecimentos no centro pokemon,e agora sabemos que Ethan e Amy vão seguir sozinhos,forrest desrespeitou todas as regras dos jogos pokemon que exigem que você tenha pelo menos um poke,e que temos pokemons do forrest vagando por aí a procura dele

    Um capítulo legal,será que agora teremos o arco "Procura de Forrest",ou eles vão seguir sozinhos e alguma hora acham o forrest,várias possibilidades

    See Ya

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Dark!

      Como sempre, presente aqui em AeJ, sempre me alegrando com seu comentário em cada capítulo!

      Se não for pra acabar com as coisas, eu nem começo! AEUAHAUAAUHAUAHAU (por favor, não me bata).

      AEUAHAUAHAUHA, mano, aposto que Forrest e Amy só não fizeram piada pelo cansaço deles. Mas, caso contrário, ia rolar bullying até umas horas. Kkkkk

      Sim! Todas as possibilidades. Ethan anda evoluindo seus Pokémon. Muito possivelmente o Magnemite evoluirá também. Não sei como, nem onde, mas vai. Isso pode ser considerado spoiler? AEUAHAUAHAUAHA

      Ah, a BF... Minha parte favorita do anime e dos jogos. É claro que não podia ficar de fora da história, né? E que bom que consegui fazer você se surpreender com a escolha do Forrest. Ele com certeza não é o tipo de pessoa que você imaginaria aceitando um desafio mortal. Ou será que não? E como tudo que é ruim, pode piorar, ele se ferrou legal... Tomara que isso o motive a correr atrás de ser um treinador melhor (se os Pokémon dele o encontrarem, é verdade).

      Tá loko, o Forrest pode ser todo quietão, mas acho que se ele tivesse no lugar do Ethan naquela batalha que derrubou o Farol Cintilante, tinha não só derrubado o Farol, mas feito a cidade subir do mapa. ADUAHAUAHAUAHAUA. Quanta ignorância dele, né não???

      Forrest mostrando agora que quem dita as regras é ele. Agora que ele resolveu domar as coisas, só vamos saber o que vai rolar acompanhando. Eu acho que ele não volta mais. Mas, eu não sei. Às vezes eu mesmo me surpreendo... Mas vamos ver. Hehehe


      Espero que continue curtindo!

      See ya!!!

      Delete
  2. Cara, sua escrita tá melhorando demais. Ficou mais polida, bonita de se ler e se ver (não tô nem acreditando que vivi para ver o Dento deixar a fonte justificada, que orgulho desse menino!), não é de se surpreender que o tamanho dos capítulos acabou aumentando, mas foi uma melhora muito bem vinda.

    É interessante você ler tudo em continuidade, faz tão pouco tempo que vi a Naoko em Ecruteak, mas os leitores tiveram que esperar quase 2 anos kkk Como sempre, dando um show com seus secundários. Cadê o fã clube do Ethan que já está fazendo falta? kkk Takoyakis, bicho, me senti representado! Ótimo trabalho com as descrições de um ambiente com traços orientais, você já está acostumado com a Liberdade, não é a toa que fez um bom trabalho.

    Adorei a maneira como tudo se desenrolou, uma aparição inesperada de Dahlia e Argenta para dar o devido rumo na jornada. Rapaz, agora vamos falar sobre a (in)esperada partida de Forrest. Eu pensava que seria algo assim: Ei, estou saindo para seguir meus sonhos, tem problema? E os demais responderiam: Claro que não, somos amigos para sempre! E teriam abraços apertados, beijinhos e essas bobeiras. Mas foi intenso, bicho kkkk A conversa final entre a Amy e o Ethan foi uma das melhores que você já fez. É sincera, é real, seus personagens evoluíram demais do primeiro capítulo até esse ponto. Eles estão cheio de sonhos, são as mesmas crianças, mas cresceram e ficaram maduros como o autor. A pequena cena onde Forrest consola a Amy fez toda a diferença para esse capítulo, ela me marcou tanto que só consegui pensar nela, por isso que essa partida a machucou tanto. E eu tenho uma confissão a fazer: Eu gostei do Forrest, mano. Você conseguiu. Estou triste pela partida dele kkkkkkk Eu não faço ideia do que você reservou para a história daqui para frente, mas estou ansiosíssimo para descobrir.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Canas!

      Depois de uns toques aqui, uns ajustes ali, finalmente as melhoras na história estão aparecendo. Mas parece que o Shadow ainda não notou, então vamos ver quanto tempo demora. HEAUHEAUAEHUEAH


      O FC do Ethan já era pra ter aparecido. Mas ainda não é a hora. Eles devem estar por aí, jogando damas, bingo e bullying entre si. Qualquer hora dessas, eles aparecem pra dar um oi!

      FORREST VIVE! Eu sabia que você dizer que não gostava do Forrest era só fachada. No fundo, ele é seu personagem favorito que eu sei. E qual a melhor forma de fazer isso? Da MINHA forma: Causando rebuliço, porque esse é o sobrenome de AeJ. Eu me pergunto onde ele está, estou muito ansioso pra terminar esse arco e ver a reação de vocês. Acho que estou seguindo pelo caminho certo. kkkk

      Espero que continue intrigado!


      See ya!

      Delete
  3. RUN, FORREST, RUN!

    Diga, Dento! Cara, eu sabia que a partida do Forrest seria turbulenta pelo que você me contou na época em que estava trabalhando nessa ideia, mas não achei que ia ser desse jeito! Ele realmente enlouqueceu e quase matou o Ethan e a Amy! QUE ISSO, MEU JOVEM? Não precisa disso tudo!

    Ficou bem realista a cena. O Forrest é sempre bem calmo, então a gente nunca sabe o que pode estar acontecendo em seu interior. Talvez ele nunca tenha passado por um momento de pressão que pudesse fazê-lo explodir dessa maneira. A derrota para a Argenta, que sempre foi uma referência pra ele, não deveria ter sido tão doída se não fosse pela maneira como ela o tratou depois. Mas abandonar os Pokémons dele? Cara, isso foi sacanagem dele! Aposto que se ele chegasse a Pewter sem os companheiros de equipe o Brock daria uns tapas nele, pra largar de ser dramático!

    Eu poderia aqui cair no senso comum de odiar a Argenta pela atitude que ela demonstrou com o Forrest, mas seria ignorância de minha parte não valorizar esse momento como o renascimento do garoto. A partir daqui se cria um novo Forrest, um Forrest muito maior do que um simples coadjuvante que deu sorte de cair na panelinha do protagonista, senão sequer apareceria na história com tanta frequência.

    Quero ver agora até onde você consegue levá-lo!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Shadow!

      Você sabe que eu nunca consigo deixar as coisas ficarem assim, de forma tranquila. Então, com um arco maravilhoso e tão elogiado finalizado, as coisas ainda precisam pegar fogo. E nada melhor do que pegar nosso querido Forrest pra protagonizar isso. Sendo um grande destaque nesse capítulo, chegou a hora de ele mostrar o tamanho do personagem que ele é.

      Não acredito que a Argenta mereça ser odiada. Ela é uma grande treinadora fazendo o que grandes treinadores fazem: Sendo impaciente com jovens que a fazem perder tempo. E pelo menos isso serviu de faísca pra explosão do Forrest, que se afastou do grupo e move todo a história desse arco. Bom mesmo é ficar acompanhando pra ver no que isso vai dar, né? kkkkk

      Espero que você continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  4. Dento, primeiro a parte ruim...
    Ponto 1: cara, é meio estranho colocar referências à um país real num mundo fictício. Além disso, Johto já é baseada no Japão.

    Ponto 2: Na descrição do Kabutops na pokedéx, você sem querer escreveu que ele evolui do Orange, sendo que ele evolui do Kabuto.

    Bom, agora sobre os bons pontos...

    Cara, foi impressionante ver o Forest dando a louca após perder a luta e deixar tudo pra trás. Foi muito top!

    E cara, a maneira como você descreveu as falas daquela cérebro da fronteira foi top, deu pra sentir até um pouco de desgosto por ela, e é disso que o povo gosta!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Sir!

      Bem, sobre as referências eu explico: Sim, Johto, assim como Kanto, Hoenn e Sinnoh, é baseada no Japão. Mas Johto sempre foi aquela região que é bastante cultural, que tem diversas lendas envolvendo seus templos grandiosos e o meu maior problema era definir como colocar as Kimono Girls na história e fazê-las visivelmente diferentes dos demais personagens... Ecruteak, na primeira vez que aparece, é descrita como uma cidade onde diversos contrastes acontecem, seja na arquitetura e até mesmo nas pessoas que passam por lá, gente de calça jeans e camiseta até as garotas Kimono com seus... Kimonos. Os diálogos em japonês e a reafirmação da cultura nipônica retratada nesse capítulo serviu basicamente para enfatizar isso. Me desculpe se isso ficou esquisito ou fora de contexto, mas juro que não foi proposital.

      Sobre o ponto 2: ISSO FOI UMA BAITA FALTA DE ATENÇÃO, COMO É QUE EU DEIXEI PASSAR ISSO??? Isso não tem desculpa, foi um erro grotesco e eu até corrigi... Valeu, meu velho!

      Ah, sim... Agora começamos o desenvolvimento do Forrest. Após um arco em que o Ethan era protagonista, a gente pega o holofote e joga sobre nosso moreno favorito. Ele acabou tendo de levar um banho de água fria pra acordar pra vida, né? E com isso, todos nós esperamos que ele comece a correr atrás do prejuízo e melhorar como um treinador que quer assumir um Ginásio. Fico feliz demais que tenha tudo dado certo e que Forrest tenha um apoio tão grande! Ansioso pra ver ele de volta, e mais ainda pra uma possível revanche entre ele e Argenta (minha Frontier Brain favorita da Gen IV).

      Espero continuar te surpreendendo!

      See ya!

      Delete
    2. Baita falta de atenção foi eu chegar com a bola toda falando do erro e colocar "Orange" ao invés de "Omanyte" aí, kkkkk , errei feio!

      Delete
    3. Malditos corretores! HEAUHEAUHEAUHEAUHEA

      Delete

- Copyright © 2015 - 2018 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -