Posted by : Dento Feb 25, 2016



Ethan, Amy e Forrest aproximavam-se de uma espécie de casinha de madeira no meio do bosque. Ela era toda talhada a mão e havia uma placa.

— O que é isso? — Perguntou Forrest.
— “Esse santuário foi construído em homenagem ao Guardião da Floresta Ilex: Celebi”. — Leu Ethan.
— “Celebi...”? — Questionou-se Amy atenta.
— Hey! Eu já ouvi falar nesse santuário! Minha mãe me contou uma história sobre ele... Muitas pessoas dizem que o santuário é um símbolo de boa sorte e afasta os maus espíritos da floresta. Outras dizem que o santuário está ligado ao Lendário Pokémon, Celebi, e que este vive no interior do santuário da floresta, como um guardião da floresta. — Disse Ethan.

A bolsa de Amy soltou um estampido. Segundos depois, uma forte luz branca emanou dela e a PokéBola GS começou a flutuar de dentro da bolsa.

— Celebi! — A voz de um Pokémon ecoava forte pela floresta.

Os garotos sentiram os pés saírem do chão. Eles foram cercados por uma luz verde-oliva e então tudo desapareceu.

Ao retomarem os sentidos, encontravam-se em algum lugar que não sabiam exatamente onde era. Viram homens de preto saírem de uma torre que começava a pegar fogo. No céu, dois Pokémon enfrentavam-se furiosos.

— Onde estamos? O que aconteceu?! — Berrou Ethan para Amy e Forrest.
— Eu não sei! Há um segundo estávamos na Floresta Ilex! — Disse Forrest.

Amy olhava vidrada para o céu. A boca aberta e o corpo duro emitiam o pavor que ela estava sentindo.

— N... Não pode ser... — Murmurava.
— Quem são aqueles Pokémon? — Ethan perguntou. — Acho que já os vi em algum lugar!
— Eu nunca vi aqueles Pokémon antes! — Disse Forrest.

Ethan tentava lembrar de onde já tinha visto aqueles gigantes. Memórias vinham em sua cabeça, mas nada esclarecia sua dúvida.

Um dos raios de poder que saíra da boca de um dos Pokémon — Um branco com a barriga azul — veio em direção aos garotos. Ethan sentiu um Pokémon escapar de uma de suas PokéBolas e uma mancha azul pular na sua frente.

O Aeroblast atingiu o chão e então tudo desapareceu novamente.

Amy acordara do sonho totalmente suada e com a mente confusa. A brisa da noite calma na Rota 34 bagunçava seus cabelos enquanto seus olhos assustados refletiam o céu estrelado. Haviam se passado dois dias desde os eventos na Floresta Ilex e ela estava tendo sempre o mesmo sonho. Não entendia o motivo de Lugia e Ho-Oh estarem neles e nem o que havia acontecido direito. Ela sabia que Ethan e Forrest não tinham ciência de tais Pokémon e nem sabiam quem eram eles, muito menos que envolviam o atual plano da Equipe Rocket.

— Você está bem, Amy? — A voz de Ethan soou baixinho, assustando Amy.
— Estou... Só não consigo dormir. — Respondeu a garota.
— Precisa de alguma coisa? Quer que eu faça alguma coisa? — Perguntou Ethan.
— Não, eu tô bem. Vou tentar voltar a dormir... Obrigada.
— Disponha.

Enquanto os dois voltavam a se arrumar, Forrest permanecia quieto, ouvindo tudo, enquanto esperava o sono chegar.

***

Os pios de Ledyba anunciavam a chegada de um novo dia, mas a principal motivação de Ethan de sair do colchão inflável era sua barriga que não parava de roncar alto.

— Que fome... — Resmungou o rapaz baixinho.
— Bom dia pra você também, flor do dia. — Disse Forrest em tom irônico.

Ethan e Forrest olharam para Amy que não tinha dito nenhuma palavra até aquele momento.

— Tá tudo bem? — Perguntou Ethan à garota que focava o nada.
— Hã? Ah, tá sim. Bom dia. — Disse Amy voltando à realidade.
— Você tá bem mesmo? — Forrest aproximou-se e sentou do lado da amiga.
— Tô sim. Só ando tendo pesadelos...
— Se você precisar conversar sobre qualquer coisa, pode falar com a gente. — Disse Forrest.
— Isso mesmo. Somos amigos e eu acho que devemos fazer o possível pra te ajudar. — Complementou Ethan.

Amy sorriu.

— Obrigada, meninos.
— Bom dia, pessoal! — Uma voz conhecida e enérgica fez o grupo olhar para ver quem chegara.
— Joey?! — Exclamou Ethan.
— Há quanto tempo, não é mesmo? — Perguntou o garoto.
— O que faz aqui?
— Vou para Azalea conseguir minha terceira insígnia.
— Terceira insígnia?! Caraca, eu só tenho duas!
— E a gente não tem nenhuma. — Interferiu Amy.

Joey encarou Forrest e Amy por uns segundos até Ethan quebrar o silêncio.

— Joey, estes são meus amigos, Forrest e Amy. Forrest e Amy, este é meu amigo Joey, o treinador com o Rattata mais forte do mundo.
— Prazer em conhecê-los. — Cumprimentou Joey sem tirar os olhos de Amy.

Ethan começou a sentir um desconforto no estômago ao reparar na encarada de Joey. E isso não tinha nada a ver com a fome.

— Eh, Joey... Preciso da minha revanche. Eu melhorei pra caramba e tenho uns Pokémon excelentes em minha equipe. O que acha? — Disse o garoto falando mais alto do que deveria.
— Hein? O quê? Ah, tá. Vamos sim. Aceito o desafio. — Respondeu Joey demorando outros segundos para desviar o olhar de Amy, que estava começando a ficar incomodada.

Ethan voltou ao lugar onde havia deixado sua mochila na noite anterior. Passara duas horas lavando e enxaguando o boné tentando tirar o cocô de Farfetch’d impregnado nele. Ao perceber que estava seco e limpo, o colocou na cabeça, virando-o ao contrário como era de costume. Ele e Joey então se afastaram consideravelmente e sacaram suas PokéBolas. Forrest se prontificou para narrar a batalha, mas Ethan negou a ajuda.

— Não precisa, Forrest. A batalha será de um contra um. Tudo bem pra você?
— Tá tudo certo. Não vou precisar de muito pra acabar com isso. Rattata, é com você. — Joey arremessou sua PokéBola para a frente e liberou o rato roxo.
— Eu sabia que você ia chama-lo. Eu tava doido pra testar esse Pokémon aqui... Wobbuffet, é com você! — Ethan liberou seu Pokémon bolha azul que ficou estático em sua frente, batendo continência ao treinador.

Joey começou a rir incontrolavelmente.

— TÁ ME ZOANDO? UM WOBBUFFET? MESMO? — As lágrimas escorriam e o garoto se contorcia de rir.
— Vamos começar logo com isso! — Disse Ethan.
— Cara, isso vai ser rápido... Rattata, Hyper Fang!
— Wobbuffet, Counter!

Rattata correu para a frente e suas presas cresceram por um instante. Wobbuffet criou uma aura avermelhada ao redor de seu corpo e continuou imóvel. Rattata chegou atingindo o alvo em cheio. No entanto, um impacto o arremessou para longe, fazendo-o bater em uma das árvores perto do local.

— Mas o quê?! — Exclamou Joey assustado.
— Wobbuffet é uma máquina mortífera de defesa! Um tanque de guerra! Eu estudei sobre ele na PokéAgenda e descobri que ele pode se defender e ainda causar o dobro do dano no oponente! Meu Pokémon é fantástico! Hahaha! — Disse Ethan alterando levemente a altura da voz a cada palavra pronunciada.
— Tch. Não vamos deixar barato, Rattata! Você é o Pokémon mais forte de todos os Rattata! Chute o traseiro dele com o Quick Attack! — Exclamou Joey para seu Pokémon que rapidamente correu para o campo de batalha improvisado novamente.

Rattata era muito rápido e atingiu Wobbuffet sem que este tivesse tempo de reagir.

— Droga! Vamos, Wobbuffet! Vamos acabar com ele! — Gritou Ethan para o Pokémon que continuava batendo continência ao treinador e mantendo sempre a mesma expressão abobalhada.
— Rattata, use o Sucker Punch!

Rattata voou pra cima de o Wobbuffet causando-lhe um ataque super-efetivo que lhe atordoou por uns instantes.

— Wobbuffet! — Exclamou Ethan.
— Desiste, Ethan. Você não vai ganhar essa. Hahaha!

Um barulho de algo pesado caindo no chão foi ouvido. Ao olharem para trás, os garotos viram as mochilas caídas e a de Ethan se mexendo.

— Ei! Por que a minha mochila tá se movendo?! — Exclamou o garoto assustado.
— E eu é que sei? — Respondeu Joey com a mesma expressão na voz.

Ethan saiu correndo e, ao se aproximar, viu um estranho Pokémon azul, anfíbio, sem braços, com a cabeça maior que o corpo e o que parecia ser guelras rosadas que saiam de suas bochechas. Três manchas azuis escuras preenchiam sua barriga enquanto sua calda longa e espessa parecia servir de nadadeira. Ethan e Joey sacaram suas PokéAgendas.



— “Wooper, um Pokémon Peixe Aquático. Este Pokémon vive em águas frias. Ele deixa a água para buscar alimento quando fica frio em terra. Quando anda por aí no chão, ele cobre seu corpo com uma película grudenta e venenosa”. — Informou o dispositivo.
— Um Pokémon do Tipo Água/Terra... Uma ótima combinação. — Disse Ethan curioso.

Wooper fez uma cara de curioso. Sem ao menos ninguém esperar, o Pokémon atirou pedaços de lama em todos ali presentes.

— Essa não, é o Mud Shot! — Exclamou Forrest tentando cobrir a face.
— Essa coisa vai acabar com a minha maquiagem! — Reclamou Amy virando-se de costas tentando proteger seu rosto.

O Pokémon então saiu correndo deixando todos para trás, atordoados.

Demorou uns dez minutos para que eles se recuperassem. Ethan revirava a mochila tentando ver se tinha sumido alguma coisa.

— Cara, eu nunca levo comida dentro da minha mochila, fica sempre com o Forrest. Por que será que justo a minha tem que ser roubada por um Pokémon selvagem? — Ethan se perguntava.
— Pokémon selvagem é um perigo, cara! Fica sempre atento. — Aconselhou Joey.
— E só agora que tu me avisa?! — Retrucou Ethan bravo.
— Você tem certeza de que tudo está aí dentro? — Perguntou Amy se aproximando.
— Sim. PokéBolas, roupas de baixo, meias, minha caixa de insígnias, meu liv... MINHA CAIXA DE INSÍGNIAS! CADÊ?! — Ethan exclamou de repente, tirando tudo de dentro da mochila.
— Cara, não tá nos outros bolsos? — Perguntou Joey.
— Não! Eu sempre guardo dentro da mochila justamente pra eu não perder!

Após alguns instantes pensando, Forrest deu a resposta mais lógica e óbvia daquele momento:

— E se o Wooper roubou suas insígnias? — Disse em voz calma.

Um silêncio pairou sobre o local. Ethan começou a ficar vermelho de raiva e deu um berro que fez os Pokémon selvagens que estavam perto dali voarem e fugirem para longe.

— BUTTERFREE! VÁ ATRÁS DAQUELE PEQUENO POKÉMON MALDITO E ME FALA ONDE ESTÃO AS MINHAS INSÍGNIAS! EU NÃO RALEI ATÉ AGORA PRA SER FEITO DE IDIOTA POR UM POKÉMON ESTÚPIDO! — Ethan berrava enquanto liberava seu Pokémon. Ao identificar, com ajuda de Joey — que mostrara sua PokéAgenda — o alvo, Butterfree decolou por sobre a copa das árvores em busca do Pokémon ladrão.

***

Wooper caminhava tranquilamente por entre as árvores do bosque na Rota 34. Com a caixa de Insígnias de Ethan na boca, o pequeno Pokémon se dirigia para dentro da mata nativa. Seus passos leves quase não faziam barulho na travessia. Ao aproximar-se de um lago, colocou a caixinha no chão.

Woo-pah? — Chamou o Pokémon.

Do meio das águas, surgiu um Pokémon. Tinha pouco pescoço para dividir sua grande cabeça do resto do corpo. Tinha uma boca larga e minúscula e olhos negros. Tinha em suas costas uma listra roxa e ondulada. Ao longo da sua coluna vertebral havia uma barbatana azul escura. As mãos e pés tinham três dedos e sua pele era viscosa e escorregadia.



Quagsire encarava o pequeno Wooper com um leve desdém. O pequeno se aproximou da margem do lago e depositou cuidadosamente a caixa de Ethan na margem.

Quaaaaaag... Sire? — Quagsire questionou Wooper com um tom de ironia.
Woop-woopa! — Wooper o respondeu com veemência.
Quag-quag! — Exclamou Quagsire.

Outros Wooper começaram a brotar de dentro do lago, cercando Quagsire e dirigindo-se a borda do lago. Um dos Wooper abriu a caixa de Insígnias e conferiu se tais objetos eram brilhantes o suficiente para o rei.

Quagsire se aproximou e avaliou ele mesmo as duas Insígnias de Ethan. O sol fazia as duas brilharem como diamantes. Quagsire encheu os olhos e fechou a caixa. O Pokémon então mergulhou e todos o exército de Wooper selvagem seguiu-o.

Butterfree, do céu, viu as insígnias de seu treinador sendo avaliadas por aqueles Pokémon selvagens. Deu meia-volta e foi encontrar-se com o grupo de humanos.

***

Correndo por dentro do bosque da Rota 34, não demorou muito para que Ethan visualizasse seu Pokémon retornando para ele.

— E então? Você conseguiu achar aquele Pokémon ladrãozinho? — Questionou Ethan, vendo Butterfree acenar com a cabeça.

O grupo correu a mata seguindo Butterfree que os levou até a margem do lago onde havia anteriormente a concentração dos Pokémon aquáticos selvagens. Estava vazio.

— Butterfree, você tem certeza de que é aqui? — Perguntou Ethan ao Pokémon que assentiu com a cabeça.
— Onde está ele? — Perguntou Joey.
— Eu não sei, mas se Butterfree disse que está aqui, eu vou confiar. — Disse Ethan.
— Ethan, olha ali, do outro lado da margem! — Exclamou Forrest apontando.

Um Wooper encarava os quatro jovens com um olhar inocente do outro lado do lago. Ethan pulou na água e começou a nadar em direção ao Wooper que apenas observava. Quando Ethan estava chegando próximo da outra margem, o pequeno Pokémon azul, lançou um jato de água de sua pequena boca, fazendo Ethan engolir água e perder o controle da respiração.

Butterfree veio como um jato e lançou uma ventania em direção a Wooper, que foi arremessado para trás e bateu a cabeça em uma árvore, caindo nocauteado.

Butterfree veio ao encontro de seu Treinador, auxiliando-o a sair da água.

— Obrigado, Butterfree... — Disse Ethan respirando profundamente enquanto seus amigos chegavam em cima de um Pidgeot.
— A carruagem chegou! — Exclamou Amy com um sorriso.
— Caraca! Um Pidgeot de verdade! — Exclamou Ethan apontando a PokéAgenda.



— “Pidgeot, um Pokémon Pássaro. Seus músculos peitorais bem desenvolvidos torna-o forte o suficiente para preparar uma tempestade de vento destruidora apenas batendo suas asas. Ele se espalha suas belas asas largas para assustar seus inimigos. Ele pode voar duas vezes mais rápido que a velocidade do som”. Informou o dispositivo.
— Esse Pokémon é fantástico! — Exclamou Ethan.
— Peguei ele em minhas aventuras em Kanto... Hehe. — Disse Amy.
— Você nunca falou pra gente sobre suas aventuras lá. — Comentou Forrest.
— Não tenho muito o que contar. Vamos atrás do Wooper ladrão ou não? — Perguntou Amy fugindo do assunto.
— Tudo bem. Vamos nessa. — Disse Ethan correndo para dentro do bosque.

Uma bela cachoeira recebeu os garotos que se surpreenderam ao ver um número grande de Wooper selvagens que habitava ali. Eles pareciam reverenciar um Pokémon maior que estava sentado em uma espécie de trono feito com objetos brilhantes. Ethan exclamou alto quando viu suas duas insígnias na coroa de Quagsire.

— Que Pokémon é aquele? — Questionou Ethan enquanto sacava a PokéAgenda.
— “Quagsire, um Pokémon Peixe Aquático. É a forma evoluída de Wooper. Este despreocupado Pokémon tem uma natureza fácil de lidar. Devido à sua atitude relaxada e despreocupada, muitas vezes esbarra a cabeça em pedregulhos e cascos de barcos enquanto nada.” — Informou o dispositivo.
Siiiiiiiire! — Quagsire gritou de repente e apontou para os humanos. O enorme grupo de Wooper colocou-se na frente de seu rei, pronto para atacar.

Ethan deu um passo à frente e apontou para Quagsire.

— Essas duas coisas aí na sua coroa idiota são minhas insígnias! Eu dei um duro danado pra conseguir elas e não vou aceitar que nenhum Pokémon idiota roube elas de mim!

Quagsire voltou a gritar e os Wooper soltaram um jato d’água de suas bocas minúsculas. O poderoso ataque em grupo derrubou a todos no chão. Ethan se irritou a ver todos os Pokémon rindo dele.

— Vocês. São. Ridículos! Pessoal, vamos acabar com esses pequenos demônios! — Exclamou Ethan nervoso.
— Ethan, eu não posso ajudar! Meus Pokémon são do tipo Pedra, eu estou muito em desvantagem! — Disse Forrest.
— Eu topo... Primeape, vai! — Amy arremessou sua PokéBola.




— “Primeape, um Pokémon Porco Macaco. É a forma evoluída do Mankey Se for incomodado durante o sono, pode despertar raiva e caçar a vítma em um estado de sonambulismo. Torna-se descontroladamente furioso se ele sente alguém o encarando.” — Informou a PokéAgenda.
— Sinistro. — Disse Ethan com medo de encarar o Pokémon de Amy.
— Certo, Rattata! Tá na hora de mostrar quem é que manda! — Joey liberou seu Pokémon que pousou no chão com vigor.
— Butterfree, vamos nessa! — Ethan exclamou ao Pokémon. — Sleep Powder!
— Rattata, Hyper Fang! — Ordenou Joey.
— Primeape, Scratch! — Disse Amy ao seu Pokémon.

Butterfree fez um voo rasante despejando um pó verde sobre os Pokémon que caíram adormecidos. Rattata e Primeape miraram em Quagsire que lutava para resistir ao sono.

Sucker Punch! — Exclamou Joey.

Rattata correu em direção a Quagsire e com uma de suas patas, desferiu um soco direto em seu rosto, fazendo sua coroa cair.

— PokéBola, vai! — Joey arremessou uma esfera.

A PokéBola atingiu a testa de Quagsire que foi sugado para dentro. A capsula caiu no chão e começou a se balançar violentamente. A abrupta parada anunciou o sucesso da captura.

— Pronto! Peguei o Quagsire! — Comemorou Joey.
— Caramba! Você pegou o líder deles! — Exclamou Ethan impressionado.
— Eu sou o melhor. Quero o melhor. — Gabou-se o rapaz.

Todos os Wooper estavam dormindo. Quando os garotos olharam para a saída, havia um Wooper encarando-os.

— Esse não é aquele Wooper que estava lá na margem? — Perguntou Amy.
— Certo... Agora é a minha vez! Butterfree, Confusion!

As pupilas de Butterfree desapareceram e um brilho ofuscante tomou lugar. Wooper começou a se contorcer e ficou tonto. Estava confuso. No entanto, conseguiu lançar um jato de água da boca, atingindo Butterfree. Era o Water Gun.

Sleep Powder!

Butterfree começou bater as asas e delas, um púrpuro pó verde começou a sair. Wooper caiu adormecido.

— PokéBola, vai! — Disse Ethan arremessando o objeto.

A capsula abriu ao encostar no dorminhoco Wooper. Sugando-o para dentro, o objeto começou a balançar diversas vezes até fazer um barulho alto. A captura tinha sido um sucesso.

— Mais um Pokémon! Wooper, eu te peguei! — Comemorou Ethan.
— Você está feliz por capturar um simples Wooper? Bem sua cara mesmo. — Zombou Joey.
— Eu ainda posso chutar sua bunda com esse Pokémon. — Retrucou Ethan.
— Vamos sair daqui antes que eles acordem. — Sugeriu Forrest.
— Eu preciso refazer a minha maquiagem... — Disse Amy com evidente tristeza no olhar.

Ethan aproximou-se cautelosamente do trono de Quagsire e procurou por sua coroa. Retirou suas insígnias e localizou a caixa próximo de um dos Wooper adormecidos. Ao reparar no trono, viu muitos objetos brilhantes, como joias, moedas, tampas de garrafa e outras insígnias.

— Esse Quagsire era mesmo um Pokémon egocêntrico... — Comentou Ethan.
— Por quê? — Perguntou Amy.
— Esse trono dele é feito com objetos roubados. Muita coisa brilhante... Acho que talvez os humanos começaram a corromper os Pokémon...

Houve um momento de reflexão. Joey aproximou-se de Ethan.

— Esquenta não, cara. A gente nunca vai fazer isso.
— Eu espero mesmo...

***

Ao retornarem para a Rota 34, os garotos se despediram.

— Estou indo para Azalea. Minha vez de enfrentar Bugsy! — Exclamou Joey.
— Eu sei que você vai conseguir. Seu Rattata é incrível. — Sorriu Ethan.
— Eu recomendo que vocês rumem para Goldenrod, a cidade no fim dessa rota. Lá tem um Ginásio e um Centro Pokémon. Acho que vocês merecem descansar depois de tudo isso. — Disse Joey apontando para o oeste.
— Um Ginásio? Mal posso esperar para conseguir minha terceira insígnia! — Disse Ethan com um sorriso.
— Não vai ser tão fácil assim... Eu não consegui passar pelo Ginásio da Whitney. — Disse Joey sério.
— O quê?! — Exclamou Ethan.
— Eu fui totalmente humilhado lá... Eu te desejo boa sorte.
— Eu vou conseguir a insígnia dela e vou jogar na sua cara que você é um derrotado! Hahaha. — Zombou Ethan.
— Veremos. — Disse Joey com um sorriso apertando a mão do rival.

Após recuperar suas insígnias e capturar um novo Pokémon, Ethan segue para a Cidade de Goldenrod juntamente com seus amigos, Amy e Forrest. Joey também segue seus objetivos com Rattata e os dois sabem que, no futuro, travarão batalhas fantásticas. Enquanto isso não acontece, os dois se fortalecem do jeito que podem, unindo forças com seus Pokémon e encarando novos desafios.



TO BE CONTINUED...






{ 8 comentários... read them below or Comment }

  1. Yo, Dento-kun!
    Cheguei aqui mais uma vez pra comentar sua bela fanfiction.
    Esse foi meu capítulo favorito até agora.
    Você conseguiu tornar ele mais legal que o anterior e ainda mais detalhado! Cara, você é incrível.
    Amy tendo pesadelos... Só falta o Ethan ir consolar ela, ai sim! Falando nisso, e essa olhada que o Joey deu na Amy? Mais um apaixonado? O Ethan não pode deixar isso acontecer! Tem que atrapalhar esse clima... Agora! A Amy é do Ethan e pronto. Joey tira o olho e vai ficar com o Forrest (QUÊ?!).
    Eu nem sabia que a Amy se importava com maquiagem :v Ela não parece a garota típica de fazer isso, mas, né...
    Então, só tenho isso a dizer! Esperando o próximo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Victor!

      Esse é um dos meus capítulos favoritos também, modéstia a parte. Ele é bem diferente do que eu escrevi até agora, acho isso muito bom. kkkk.

      Que bom que você curtiu, de verdade. Fico muito feliz que você goste do que eu escrevo. =]

      Ethan é como eu mesmo: É muito lento pra mulheres. kkkk. Deve ser por isso que ele não deu ideia na Amy ainda.

      Já o Joey, ele age, né? Vamos ver se a Amy vai ceder ao xaveco ou vai se manter difícil.

      Se bem que a gente não sabe se a Amy sente atração por alguém, né? Vamos ver...

      Joey com o Forrest? HEAUHEAUEHUEAHAE, mano, não é que é uma boa ideia? Hmmmmmmmm

      A Amy não deixa de ser uma mulher vaidosa. Ser bonita, chamar a atenção dos boy magia, dá trabalho, né? kkkk. Acho que ela tem mais pra mostrar do que a gente imagina...

      Acho que é isso. Espero te ver sempre! =D

      See ya!

      Delete
  2. Yoo!

    Que belo capítulo, fez-me lembrar um episódio do anime que os Quagsire roubavam objetos das pessoas e, além disso, é sempre bom quebrar a história de cidade em cidade, o Dento sabe como tornar as rotas menos chatas!

    Que foi isso entre o Joey e a Amy? Ele ficou caidinho ou eles conhecem-se?

    Adorei essas capturas, que venha a Whitney!

    Bye!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Angel!

      Não foi intencional essa coisa do anime. Você falando me fez lembrar... Não sei se me sinto culpado pelo "plágio" ou sou inocente por ter vindo sem querer. kkk

      Joey ficou caidinho pela Amy... Afinal, todo mundo fica. EAHUAEHAUHEA

      Vamo que vamo que a Whitney tá vindo aí!

      See ya!

      Delete
  3. Joey deu as caras novamente! Já estava na hora de ver o maior treinador de Rattata de todos os tempos em ação! Mas por outro lado não fico surpreso que ele tenha sido humilhado por aquela cujo nome não deve ser mencionado... Que monstro essa galera de Johto criou?

    Ah, as boas e velhas cenas de Pokémons ladrões. Pode enquadrar essa máfia do Quagsire no 157, que já foram longe demais!

    Por fim, uma cena de dupla captura! Aí está algo que não é muito comum de se ver! Joey ficou com um Quagsire já pronto, praticamente, já que se ele foi escolhido rei pelos Woopers é porque deve ser o mais forte, independente de estar evoluído ou não. Já o Ethan ficou com um dos súditos, mas tenho certeza de que muito em breve ele se tornará um membro importante do time.

    Agora eles rumam para Goldenrod. Mal posso esperar. Meus sensores de coisas malégnas apontam que você preparou algo desagradável para esses pobres viajantes à mercê do destino. >:)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Sigert!

      Dessa vez, é Joey quem dá as caras. E um pouco mais irritante que da última vez...

      A tática dos Pokémon ladrões: Por que os humanos sempre se acham melhores que essas criaturas poderosas com poderes mortais? EAHUEAHEAUHEAUHEA.
      Kd a Guarda Jenny pra pegar essas máfias de Pokémon selvagens? É um absurdo! Eu quero IBAGENS!

      SIM! No final, todo mundo acabou se dando mal. Os Pokémon foram capturados e meia dúzia de Wooper permanecem sonolentos... Resta saber quem é que vai ser o novo líder da gangue que vai continuar causando o terror...

      Próximo passo: Goldenrod City! Espero que esteja psicologicamente preparado, porque vai ser tenso...!

      Espero que continue acompanhando!

      See ya!

      Delete
  4. Mandou bem nesse capítulo cara! Gostei do desenvolvimento da perseguição atrás dos Woopers e do Rei Quagsire, adoro quando um Pokémon tem uma entrada difícil e lá na frente lembramos dessa batalha que o trouxe para a equipe kkkkkk Joey como sempre marcando a cena, acho engraçado essa faceta de rival amador que ao mesmo tempo tenta pagar de fodão, ele é quase um Gary baixinho invocado de shorts, mas sei que tem um bom coração. Se esses dois vierem a se encontrar na Liga, trate de fazer uma luta intensa entre esses dois Quagsires!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Canas!

      Vez em quando é uma boa quebrar o protocolo e fazer capítulos assim, né? Esse eu gosto bastante, porque depois de todo um bloco de tensões, fazer capítulos divertidos é sempre algo que eu curto escrever, porque é outra vibe.

      Joey novamente mostrando como é ser um grande treinador (sqn). Ele ainda vai causar muito na história. Adoro quando ele aparece, dá uma confusão... kkkk E pode deixar que esses Quagsires irão aparecer logo menos!

      Espero que você continue curtindo!

      See ya!!

      Delete

- Copyright © 2015 - 2018 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -