Posted by : Dento Mar 14, 2019




Quando abriu os olhos, a luz o cegou por um instante. Era uma luz branca poderosa que o permitiu saber que, ao menos, vivo estava. Mexeu os dedos, que responderam de imediato aos estímulos. Sentia uma forte dor nas costelas e não sentia suas pernas. Mas ele não estava preocupado com isso, afinal, acabara de despertar de um sonho estranho e aliviou-se ao ver que já não sonhava mais.

A última coisa que conseguia se lembrar era de uma grande cachoeira o engolindo, e desde então, uma grande escuridão tomou conta de sua consciência e do seu ser.

Como uma navalha afiada, o ar cortava seus pulmões a cada vez que o inalava.

Ele tossiu.

“Fico aliviado em saber que está vivo”. Foi o que disse uma voz em sua cabeça.

Ele, com algum esforço, levou a mão até o rosto e deu três tapas, contados, na face. Após se certificar de que não estava dormindo, apoiou as duas mãos no solo firme e ergueu-se, sentando de forma ereta. Encarou os joelhos por alguns segundos até sentir firmeza o bastante para olhar para frente.

Foi então que soltou um berro.

— EU NÃO ACREDITO! VOCÊ?!

Eusine encarou Suicune com espanto. Beliscou o braço direito para se certificar que não estava sonhando, mas o Pokémon lendário não saiu da sua frente.

Você ficou desacordado por muito tempo, humano.

Eusine ainda olhava arregalado para Suicune. A voz em sua cabeça dialogava com ele, mas não era sua própria voz que ressoava. Era uma voz calma e serena. O Pokémon lendário não piscava, continuava a manter os olhos fixos nos do homem.

— Eu estou delirando, né? Não é possível...
Não teria motivos para mentir para você, humano. Agora preste atenção. Humanos ruins estão querendo controlar os Pokémon e eu não posso permitir que isso aconteça de novo. Muitas guerras já foram travadas por causa disso e eu não consigo sozinho, apesar de ser um Pokémon...

Eusine levantou-se do chão sem tirar os olhos de Suicune.

— E o que você quer que eu faça?
Impeça-os.
— Você está louco! Suicune, eu passei a minha vida inteira atrás de você, é só o que eu sei fazer... Você é a meta da minha vida, meu sonho! Agora você vem até mim dizendo essas coisas, do nada... Você acha que eu sou o quê?!

Suicune virou-se de costas.

Como um perseguidor de minha existência, achei que talvez fosse um pouco mais corajoso.

Eusine fechou a cara.

— O que disse...? Você me acha covarde? Como ousa?! — ele quase gritava.

Suicune hesitou por alguns instantes. Antes de partir, no entanto, deixou uma mensagem final.

Tenho meus motivos.

A voz dentro da cabeça de Eusine emudeceu-se no mesmo instante em que o Pokémon desceu as montanhas, rumo ao desconhecido. O rapaz até tentou correr atrás de Suicune, mas parou imediatamente ao notar que estava em um lugar alto. A queda seria fatal e Eusine não teria para onde correr.

— Merda. Jumpluff, vamos!

Da PokéBola de Eusine saiu um Pokémon azul redondo que tinha olhos vermelhos e pés pequenos e redondos, tal qual sua cauda. Três tufos de algodão, quase tão grandes quanto o seu próprio corpo, pendiam um em cada braço e um em cima de sua cabeça, que eram usados para flutuar no ar e controlar seu voo.

Planando suavemente até o chão, Eusine e seu Pokémon desciam o Monte Mortar em direção à Cidade de Mahogany.

***

No longo corredor que dava para as escadas que dividiam as suítes de hospedagem dos andares de enfermaria, Forrest continuava a ignorar as perguntas de Ethan. O moreno evitava fazer qualquer tipo de contato visual com demais treinadores que passavam por ele no caminho que levava até o hall do Centro Pokémon. Não parecia estar nervoso, mas seu corpo estava enrijecido de tensão.

Forrest desceu as escadas, alcançou a recepção e parou abruptamente, virando-se com o dedo em riste para o rosto de Ethan.

— Eu tenho uma ideia. Vamos entregar a Amy para os Rockets antes do Red. O que acha?

Ethan engasgou.

— O quê?! Você ficou maluco? Que história é ess...

Forrest aproximou-se e cochichou algo no ouvido do garoto. Era inaudível ao ponto de que as pessoas olhavam a expressão de Ethan e só podiam acreditar que ele estava recebendo a notícia da morte de alguém.

Ethan tremia incontrolavelmente. Ele não conseguia fazer nenhum tipo de contato visual com Forrest, que falava com a maior tranquilidade um absurdo daqueles. O garoto fechou os punhos, tentando involuntariamente manter algum tipo de controle de si próprio.

— Como assim... Entregar a Amy? Você não disse... Que amava ela... Agora a pouco?

Forrest olhou para Ethan e deu uma risadinha sarcástica.

— Ora, mas não foi ela mesma quem disse? Na história, Julieta amou tanto Romeu que morreu por ele. Se eu a amo, preciso dar ela em sacrifício.

O moreno só sentiu a dor quando caiu ao chão. Seu rosto doía imensamente. Levou a mão até o local da pancada para tentar mensurar a dor.

O punho de Ethan permanecia parado no ar. Sua expressão de fúria assustou Forrest, que nunca havia visto o amigo daquele jeito antes. Como ele podia falar coisas tão absurdas de maneira tão natural?

— Isso não vai ficar assim! Eu vou falar tudo pra Amy!

Forrest levantou-se do chão, ainda com a mão no rosto, e sorrindo olhou para Ethan.

— Não, você não vai. Fazendo isso, você vai fazer ela suspeitar de você também, e aí sozinha, fica mais fácil para os outros pegarem-na. A escolha é toda sua.
— Mas se eu me explicar, ela não vai...
— Você acha mesmo? Você realmente acha que ao contar sobre nossa conversa, ela não vai olhar pra você de uma forma diferente? Não se iluda Ethan. Até logo.

Forrest virou-se de costas e avançou para a saída do Centro Pokémon, deixando um Ethan em estado de choque para trás. O moreno não se arrependeu um instante sequer sobre o que havia feito naquele momento e apesar da primeira reação de Ethan, ele sabia que era o melhor a se fazer naquele momento.

O garoto colocava a mão por cima do local onde a mão de Ethan havia atingido. Começava a doer. Perdido em pensamentos, nem reparou Eusine pousando a alguns poucos metros de onde estava agora, retornando seu Pokémon para a PokéBola.

— Garoto! Ei, garoto!

Forrest olhou para os lados e surpreendeu-se ao ver Eusine correndo em sua direção.

— Eusine?! O que é que você está fazendo aqui?

O homem, apesar de agora parecer um maltrapilho por suas elegantes roupas estarem imundas, molhadas e rasgadas, ainda ostentava uma pose pomposa com nariz empinado.

— Ora, por que a surpresa em me ver?
— Você ainda pergunta? Você quase matou a gente dentro daquela montanha por causa do Suicune... Eu achei que tivesse morrido.

Eusine hesitou por um instante.

— Eu não me lembro disso... Enfim, eu estou bem. Você viu Suicune por aqui? Eu falei com ele agora a pouco! Assim como surgiu, se foi. Eu o vi descendo as montanhas em direção à cidade e, como sempre, encontrei você, que junto com os outros pirralhos sempre estão onde o Suicune está. Confesso que eu tenho inveja de você.

Forrest virou a cara e reiniciou a caminhada.

— Desculpa, mas eu não tenho tempo pra suas baboseiras. Passar bem.

Eusine não gostou da resposta. Fechou a cara instantes antes de dar um sorriso maligno e sacar uma PokéBola.

— Você não respondeu o que eu te perguntei. Infelizmente, não posso deixar você ir embora sem me dizer a localização de Suicune.

Forrest parou, colocou a mão no bolso da calça e se manteve de costas para o homem.

— Felizmente, eu não dou a mínima pro que você diz.

Eusine não teve tempo de reagir. Shuckle saiu tão rápido da PokéBola que o rapaz sequer conseguiria liberar algum Pokémon para se defender. Logo, sentiu seu corpo ser agarrado pelo Constrict do Pokémon de Forrest e caiu ao chão sem se mover.

Agora era Forrest quem passava o ar soberano.

— Chega — pediu gentilmente uma voz masculina. — Não é hora ainda de chamar a atenção.

Lance, Bruno e Red aproximaram-se. Forrest deu de ombros e recolheu Shuckle novamente para a PokéBola.

— Desculpe, tio. Vou tentar me controlar — disse Forrest para Bruno.

Do chão, Eusine arregalava os olhos, surpreso com a presença dos treinadores que haviam acabado de chegar.

— L-L-Lance?! O que faz aqui?
— Faz um bom tempo que não lhe vejo, Eusine. Ainda perseguindo Suicune?

Eusine levantou-se do chão, passou as mãos pelas roupas que vestia na inútil tentativa de alinhá-las e deu um forçado sorriso ao capitão da Liga Pokémon.

— Ah, sim, claro! Eu estive com ele agora mesmo, ele mencionou coisas estranhas.
— Estranho é você mencionar que falou com o Suicune — provocou Red.

Eusine fingiu que não ouviu.

— Suicune me disse, acreditem ou não, que os humanos estão tentando controlar os Pokémon e que devemos impedir isso. Vocês estão sabendo de algo?

Lance, Bruno, Red e Forrest se entreolharam.

— Sim, sim. Tem alguma coisa a ver com a Equipe Rocket — respondeu Lance.
— Equipe Rocket?! Aquela máfia terrível que vende Pokémon no submundo? — exclamou Eusine, assustado.
— Exatamente.
— Mas o garoto aí não se livrou deles há três anos? — perguntou o rapaz apontando para Red.
— Pois é. Acontece que não foi o bastante. Eles voltaram, aparentemente — respondeu o garoto.

Eusine ergueu as sobrancelhas e gesticulou intensamente com as mãos.

— Suicune estava certo, nós precisamos deter a Equipe Rocket! Eles vão controlar os Pokémon e fazer um exército para dominar o mundo e nós não podemos deixar!
— A gente sabe — disse Lance, cortando o assunto.
— Vocês não vão fazer nada? Vocês são a Elite 4, não? Obrigação de vocês é salvar o povo!

Bruno se manifestou pela primeira vez. Avançou até Eusine e o pegou pelo colarinho.

— A obrigação da Elite 4 é livrar o povo de pessoas como você, insanas.

Lance aproximou-se do colega.

— Calma aí, grandão. A gente pode precisar dele.

Bruno encarou o ruivo e, com um olhar contrariado, largou Eusine, que começou a tossir.

— P-P-Precisar de mim? Pra quê?
— Nós somos os novos membros da Equipe Rocket — comentou Forrest.

Eusine engoliu em seco.

— Como é?!

Lance aproximou-se do rapaz, posicionou-se na sua frente e apertou firmemente seus dois ombros, com um sorriso motivador.

— Você pode estar com a gente ou contra a gente. A escolha é sua!

Uma gota de suor começou a escorrer da testa de um nervoso Eusine. Ele tremia, completamente mudo.

— M-M-Mas o que eu ganho com isso?

Lance sorriu.

— Você deseja o Suicune, não é? Eu conheço uma maneira de você obtê-lo.

***

A entrada era escura. Haviam muitas teias feitas por diversos Spinarak  e alguns Gastly, Haunter e Gengar assombravam o local, assustando os curiosos. E, para os corajosos que conseguissem passar pelos Pokémon Fantasmas, um sofisticado esquema de segurança impedia a entrada de quem não tivesse um Cartão-Passe.

Reunidos ali, a Equipe Rocket em peso acessava o subterrâneo onde sua base secreta era construída. Além da organização, juntavam-se a eles Ethan, Forrest, Red e Bruno, que mantinham Amy, Joey e Gabrielle de reféns. A chuva começou a cair do lado de fora, o som ficava cada vez mais abafado a cada passo que o grupo dava. Ethan analisava que o complexo fora construído com paredes de aço, que não permitiriam qualquer ruído de chegar ao lado de fora. Câmeras de segurança por todos os lugares faziam o local ser vigiado por todos os ângulos possíveis, causando certo sentimento de apreensão em alguns presentes, incluindo Ethan.

Liderados por Silver, o grupo foi prosseguindo seu caminho cada vez mais para o subterrâneo, até que uma grande porta de metal barrou a caminhada. Ela tinha, pelo menos, dois metros e meio de altura e uma divisória no meio permitia-se supor de que era automática. A porta, blindada, não permitiria invasores nem armados com bazucas e nem cederia a algum Hyper Beam disparado por algum Pokémon poderoso. Por um instante, Red olhou ao redor e chegou à conclusão que ninguém invadiria aquela base secreta por fora.

Após a porta de segurança, mais uma parte do complexo do quartel-general se exibia. Estantes enormes tocavam o teto e estavam lotadas de pastas e arquivos. Amy pareceu soltar uma exclamação baixinha de surpresa ao olhar para tudo aquilo. Fazia sentido agora o esquema de segurança pesado — não só para proteger o quartel-general em si, mas aqueles arquivos com certeza continham informações valiosíssimas para a organização

Silver deu uma risadinha cínica.

— Eu não me surpreenderia, Amy. Tem muita coisa sobre a Equipe Rocket que você não faz ideia que exista.

Os corredores eram estreitos, tomados pelas enormes estantes de arquivos que sequer estavam etiquetadas. Não se tinha nenhuma informação sobre como aqueles documentos e pastas estavam organizados e nem sobre o que se tratavam. Continuando a guiar o grupo, Silver, não contendo a euforia, parou em frente a uma outra enorme porta de metal revestida e blindada. O ruivo colocou sua digital em um controle de acesso biométrico.

A porta de metal se abriu e uma passagem gigantesca apareceu.

Computadores de última geração chamavam a atenção de quem pisava ali pela primeira vez. Letras coloridas cobriam todas as telas e vários cientistas digitavam sem parar e observavam em seus monitores diversos números aleatórios que pipocavam e piscavam diversas vezes. Eles estavam em uma sala quadrada que circundava com janelas de vidro cristalino um salão que estava mais profundo, abrigando uma maquina que alcançava o teto por grossos cabos. Uma tela na frente da máquina mostrava um gráfico e nos seus eixos podia-se ler "tempo" e "energia recebida". Braços se erguiam das laterais do equipamento onde alguns Pokémon estáticos pareciam exaustos, mas continuavam lutando e emitindo sua eletricidade para escapar, sem sucesso. Amy encarava tudo de forma surpresa. Em todos os anos como agente de linha de frente, ela não sabia que a Equipe Rocket desenvolvia tamanha tecnologia. Ela, no entanto, não pode apreciar muito da visão.

Aquele seleto grupo de agentes e seus prisioneiros passaram pela lateral daquela grande sala e prosseguiram mais alguns poucos minutos em corredores que só tinham o piso acinzentado e paredes brancas lisas de companhia. Uma segunda porta de aço reforçado aguardava pacientemente no final do corredor a chegada de todos. Silver novamente colocou sua digital em outro controle de acesso e a porta abriu-se, revelando um corredor cheio de celas, todas iguais, que passavam um sentimento de melancolia. As paredes brancas contrastavam com o cinza das grades que eram escuras por dentro. Amy sentiu um frio na barriga, mas não esboçou reação nenhuma para fugir. Permaneceu de cabeça erguida, mesmo quando Silver ordenou a abertura de uma das celas, o que um dos capangas de preto prontamente obedeceu.

— Seja bem-vinda ao seu novo lar, Amy. Por favor, não me leve a mal, mas não quero que você atrapalhe a Equipe Rocket durante as pesquisas com a PokéBola GS que você carregava — comentou Silver. — Por sinal, onde você a colocou mesmo?

Forrest vasculhou a bolsa da garota e encontrou a cápsula dourada. Sem hesitar, a entregou para o ruivo que a pegou com cuidado, curioso em saber o que aconteceria com ela dali a diante.

— Eu posso fazer a segurança dela, senhor — disse Forrest ao ruivo, apontando para Amy.

Silver o encarou por alguns segundos antes de voltar sua atenção para a PokéBola GS.

— Agradeço sua boa vontade, mas eu prefiro manter você me ajudando em outras coisas. Apesar de já ter mostrado sua lealdade à Equipe Rocket, eu quero ter alguém de confiança para guardar a cela dela. Proton, por exemplo. Espero que não me leve a mal.
— Não senhor, tudo certo — concordou Forrest.
— Quanto aos outros dois, peço que os prenda em outra parte do complexo. Qualquer aliado deve-se manter sob constante vigilância, não podemos perder o controle — disse Silver sobre Joey e Gabrielle, ainda desacordados.
— Certo! — capangas bateram continência.

Silver, ainda entretido com a PokéBola GS, se retirou da sala. Ethan e alguns membros da facção o seguiram, mas Ariana impediu a passagem de alguns outros, incluindo Forrest e Red.

— Retirem todas as PokéBolas dela.

Red a ouvir a ordem, dirigiu-se à administradora.

— Ah, isso não será necessário. Nós já estamos com elas.

Forrest retirou das mochilas cinco PokéBolas.

— Todos os Pokémon dela estão aqui. Gyarados, Pidgeot, Dewgong, Venonat e Primeape — nomeou o moreno.

Ariana olhou para as PokéBolas e em seguida, voltou a encarar Amy.

— Tranquem-na na cela e tirem a roupa dela.

Amy olhou para Ariana e ergueu a sobrancelhas.

— Você acha mesmo que eu mentiria pra você, titia? — provocou Amy.

A ruiva ignorou e olhou para um dos capangas da Equipe Rocket.

— Entre lá e tenha a certeza de não deixar nenhuma peça de roupa.

O agente entrou na cela e olhou para Amy, visivelmente constrangido. Ela sorriu.

— Ele não precisa passar por isso. Eu não sou mais um bebê. Se você quer me ver pelada, eu posso fazer isso sozinha — a garota tirou o chapéu e o arremessou no chão.

O homem uniformizado deu um passo para trás e olhou para Ariana buscando autorização para sair da cela, o que foi permitido.

Amy sentou-se no chão e arrancou seus sapatos e meias, levantando-se em seguida para tirar sua regata azul e Red por um momento sentiu seu rosto queimar de vergonha ao ver a garota apenas com um sutiã esportivo preto. Tranquilamente deixou que o tecido gentilmente se soltasse de sua mão e tocasse o chão.

Forrest apertou os punhos e começou a suar frio. Por um instante, agradeceu por Ethan não se encontrar assistindo aquela cena. Amy, sem pressa, abaixou a saia vermelha e, com ajuda do pé direito, a colocou do lado da regata. Agora, a garota estava seminua, olhando sem pudor diretamente para Ariana com um sorriso debochado enquanto a mulher devolvia o olhar de forma fria, sem alterar sua expressão de desprezo.

Amy estendeu os braços e deu uma volta em torno do próprio eixo.

— A calcinha não combina com o sutiã, santo Arceus que crime contra a moda. Era isso o que você queria ver?

Ariana deu um sorriso sádico.

— Eu sempre posso pensar em mil maneiras de humilhar você, ratinha de laboratório. E você ainda tem lugares que pode esconder alguma PokéBola.

Amy baixou a cabeça e deixou a franja cobrir seus olhos, ainda que não pudesse esconder o sorriso travesso. Ela levou as duas mãos até o busto e agarrou com os dedos o fecho do sutiã, abrindo o primeiro gancho. Forrest imediatamente abaixou a cabeça e desviou o olhar para algum ponto do piso enquanto Red olhava hipnotizado para a garota.

As alças escorregaram pelos ombros da garota e passearam pelas costas onde se dirigiu, junto com os bojos, até o chão. Suas mãos desciam a calcinha pelas coxas, passando pelas batatas da perna até tocar os pés, afastando-se do corpo, gentilmente colocada junto às demais peças de roupa que Amy usava até poucos minutos. Não pode deixar de abraçar seu corpo, tentando protegê-lo dos inevitáveis olhares.

Ariana empinou o nariz sustentando ainda mais seu sorriso sádico, maligno, que paralisaria de medo qualquer um que o encarasse, como um Arbok utilizando um Glare.

— Estou satisfeita.

Ela caminhou então em direção à porta de aço que separava a liberdade da prisão. Forrest e os agentes da Equipe Rocket a seguiram sem dizer uma única palavra, mas Red continuou olhando para Amy de forma hipnotizada. A vergonha já não o incomodava mais.

Ela abaixou-se para recolher suas roupas e cobrir seu corpo com ela. Os olhos azuis de Amy encontraram-se com os olhos de Red e ele saiu do transe quando a viu chorar.

Ariana parou e olhou para os dois com seu olhar de desprezo.

— Tch. Que cena patética — ela saiu da sala após dar uma última ordem. — Proton, vigie-a.

O homem aproximou-se de Red e apertou seu ombro.

— Cai fora, moleque.

O garoto apertou os punhos, abaixou a cabeça e se retirou da sala.

Proton caminhou lentamente e se posicionou de costas para a cela. Abaixando a boina, colocou as mãos nos bolsos e suspirou devagar.

— Você é melhor que isso, Amanda.

Amy o encarou com os olhos marejados. Olhou para baixo, secou os olhos e pôs-se a vestir suas roupas novamente.


TO BE CONTINUED...

https://aventurasjohto.blogspot.com/2019/03/notas-do-autor-capitulo-51.html

{ 13 comentários... read them below or Comment }

  1. E aqui começamos de vez a temporada Mente de Cristal. E um belo começo, pra ser bem direto! Tivemos a recapitulação de alguns acontecimentos e já engatilhando o começo do que vem a seguir.

    Foi maneiro ver uma cena com foco no ponto de vista do Eusine. Ele sempre foi um personagem mais secundário, com um propósito bem diferente da maioria, mas você parece ter algo planejado pra fazê-lo ganhar algum destaque nesse arco. Vamos ver no que vai dar kkkkkk

    Eu já imaginava que Forrest, Red e principalmente o Ethan não tinham se voltado para o outro lado à toa. Isso ficou claro com a reação deles ao entrarem no QG da Team Rocket, a maneira como observavam tudo em volta é um sinal de que eles estão estudando o local para traçar algum plano. Manda a chefia se segurar, porque lá vem motim!

    E que cena foi essa no final? Logo você, que sempre protegeu a Amy de todo o mal, agora deixa ela nesse tipo de situação? Cara, eu tô sem palavras! Mas já quero ver a garota dar um revide daqueles na Ariana quando tiver a oportunidade.

    Até a próxima! õ/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Shadow!

      Começamos a Season 3. O Prólogo da temporada permitiu que a gente relembrasse de algumas coisas, detalhes que não nos lembrávamos tanto assim e o começo desse capítulo não podia ser diferente. Grande parte dos personagens secundários, se não todos, deram um jeito de aparecer no final de Alma de Prata, exceto Eusine. Nada mais justo então do que relembrar da sua existência no começo do 51, daquele jeito que gosto de fazer, com flashbacks que mostram cenas que já vimos e seus desfechos inéditos.

      Bem, acho que tudo o que eu faço tem um motivo, né? Apesar de Forrest e Ethan (este segundo com menos intensidade) terem sua cota de hate, eles ainda são protagonistas da história. Acabaram fugindo da fórmula básica de heroísmo e compactuaram com os antagonistas para o que agora parece ser um plano - como observado por você. Claro que eu não pretendo deixar barato, afinal, com toda resposta eu sempre dou um jeito de deixar outras perguntas no ar.

      Sobre a cena da Amy: Trauma gera caráter. Foi assim com o Ethan, foi assim com o Forrest e agora chegou a vez da Amy, e eu prometo deixar as coisas de uma forma bem pior. kkkk

      Ainda estou ansioso pelo desenrolar dos próximos acontecimentos.

      See ya!

      Delete
  2. Carvalho, que foda!

    Mano, eu fiquei meio confuso com 9 início do capítulo, mas as coisas foram se desenvolvendo de forma bacana. Muito interessante o modo como você os introduziu a equipe Rocket, porque foi bem ao estilo "Whatever, só faça e pronto, porra! ".


    O que achei mais interessante foram as instalações da equipe Rocket, as quais eu espero que você utilize bem, afinal, se são novas tecnologias, elas tem que servir pra derrubar algo, porra!

    O Proton no fim do capítulo me passou uma sensação estranha, todo íntimo com a Amy, chamando ela de Amanda, hmm... Tem caroço nesse angu. A Ariana tava lá num sadismo bem suspeito, por que? Mano, tava quase achando que ela ia ir pro... Deixa pra lá.

    No mais, não tenho muitas coisas pra comentar, além de que foi um ótimo capítulo. Agradeço imensamente pelo capítulo, e espero ver mais logo.

    Sem mais comentários, até!

    Ps: quem vai mesmo gostar do capítulo são o Canas e o Killer. Tu me entendeu.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Sir!

      Começos de temporada são sempre muito loucos. E sei que o de Mente de Cristal estava sendo aguardado ansiosamente por todo mundo, afinal, Alma de Prata terminou com um cliffhanger que todos pararam pra saber o que tava acontecendo. Eu não podia, nem queria, entregar de bandeja os acontecimentos seguintes, então, do jeito que eu gosto de fazer, procurei começar de uma maneira diferente. Que bom que deu certo! Aquele choque de realidade lindo que a gente sempre tem! kkkk

      A Equipe Rocket, finalmente, vai ter uma participação ativa nessa temporada. Acredito que, durante as duas temporadas anteriores, eles fizeram apenas um "aquecimento" pro que vem agora. Esse capítulo talvez mostre como as coisas serão a partir de agora em diante. Nenhum detalhe pode passar despercebido!

      Fico muito feliz que tenha gostado! Espero continuar te surpreendendo - e dando mais motivos polêmicos para Canas e Killer se pronunciarem!

      See ya!

      Delete
  3. Yoo Dento

    Que capítulo daora mano,mais uma vez informações novas são reveladas em pontos que não tinhamos visto,será que vai acontecer de novo?hsushsuahsuahaua

    Em primeiro momento temos Eusine,de tudo que poderia aparecer nesse capítulo ele era a última coisa que eu imaginaria,mas ele ainda teve uma participação interessante.

    E o Forrest tá monstro,o guri sacou o Shuckle e ele atacou super rápido,o que pode ser meio irônico kkk

    Essa cena mostrando as instalações da base foi interessante,provavelmente você vai usar isso futuramente,o difícil é saber quem e o que será feito,mas meu palpite é Ethan/Forrest.

    E que final foi esse meu amigo?Logo a Amy?QUEM É VOCÊ E O QUE FEZ COM O DENTO?

    Deixando a parte do fanservice de lado por um minuto,achei interessante dois pontos nessa cena,o primeiro deles,a contagem de mons do Red,ele só contou 5,o Blue não foi listado,então ele pode ainda estar com ela,mas levando em consideração que é o Red talvez ele só não sabe contar,eu não ficaria surpreso.
    Sabe,tem um ep de DW onde um personagem é preso e deixado pelado em uma sala,mas ele consegue fugir por ter uma arma guardada em um lugar,imagine onde ele escondeu isso,eu iria dizer que a Amy tá guardando essa pokeball aí mas seria meio deselegante da minha parte :v

    E o segundo ponto, na humilda, o Red só decepciona,é sério,chega um momento em que você pensa que ele não pode ir mais pro fundo do poço,mas ele vai,PELOAMORDEARCEUSAGURIATÁALICONTRAAVONTADEDELATÃOFORÇANDOELAATIRARAROUPANAFRENTEDEUMAGALERAEAÚNICACOISAQUEESSEINÚTILFAZÉFICAROLHANDOFEITOUMTARADO,até o Rocket lá não fez isso, dá pra dizer que ele não poderia fazer nada pq tem um plano pra cumprir e se ele fosse impedir iria atrapalhar o plano,mas pelo menos olhar pro outro lado ele podia,mas é o Red não sei pq eu ainda espero algo,ele só para quando a Amy já tá chorando,tem que acabar o Red na moral.

    Acho que é isto,ótimo capítulo
    See Ya

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Dark!

      Sempre dou um jeito de contar a história de uma maneira diferente (é pra você não enjoar de ler). O plot twist é tão insano que até quando você acha que não pode tomar um plot twist, pronto, levou. Eusine tá aí de novo pra mostrar que quem é vivo (ou quase) sempre aparece. E foi arrumar treta logo com quem? Com o Forrest, ultimamente com a paciência mais curta do que a do Shadow. Deu pra perceber o jeito ninja de ser fluindo pelas mãos do garoto. Confirmado: Bruno e Forrest maratonaram Naruto nos treinamentos do Monte Mortar!

      Ah, a cena da Amy... A cena polêmica! Eu deixei avisado que Mente de Cristal começaria chutando portas e janelas. E saber que essa cena mexeu tanto me deixa feliz. A Amy é minha queridinha, mas tá na hora das torturas dela. kkkk Ethan e Forrest tiveram sua cota, Amy precisa mostrar porque é a protagonista da história. A Equipe Rocket finalmente poderá mostrar quem é que manda.

      Sobre o Blue eu não tenho o que comentar, afinal, Amy realmente estava com cinco Pokémon. Eu não omiti nadicas. Agora, sobre o Red, todas as críticas são merecidas. Bicho, ATÉ O FORREST que até então é um cretino desviou o olhar. Tem caroço nesse angu aí e esse climão que ficou com certeza vai dar problema mais pra frente. Vamos aguardar, né?

      Estão abertas as porteiras das teorias da conspiração. Quais são as suas?

      Espero que eu continue te surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  4. Está na hora do pontapé inicial de Mente de Cristal, e para começar já tivemos umas séria brincadeira com o psicológico de nossos heróis (da heroína no caso, porque alguns aí só têm feito merda, pqp kkkkkk) Foi show rever o Eusine, fazia um bom tempo que esse plot dele com o Suicune cedeu espaço para tantos acontecimentos maiores, mas ele sempre foi um ponto importante em Johto por isso espero que ele desempenhe seu papel nesse arco e se torne maior do que um cara fissurado pelo Suicune, quem sabe ele se torna o salvador da pátria? kkkk

    Gostei do resultado das descrições da base cara, fico feliz em poder ter colaborado um pouco. Obviamente, tivemos um vislumbre superficial da área de entrada e esse lugar ainda vai se revelar um verdadeiro labirinto (deve ser por causa das incontáveis horas que você passou perdido em Forsaken Fortress no Wind Waker haha) e eu adorei saber como você tira suas inspirações antes de escrever, como da cena do episódio do Pokémon Origins.

    Esse arco já chegou com um chute certeiro, porque aí tivemos a cena da Amy. Sei que sempre faço piadas com FANARTS CONFIRMED e a Semana R16, mas na real, é uma cena muito forte de desenvolvimento para a personagem e o próprio autor. Primeiro, porque a Amy sempre foi a "sua protegida", eu lembro que na época de Sinnoh o povo me perguntou como eu tive coragem de acabar com a Wiki na Liga, e eu respondi: "De tanto eu amar essa personagem, eu conheço os limites dela", e ao meu ver a Amy é exatamente isso, você sabe que ela aguenta e vai dar um jeito de devolver na mesma moeda. É sempre doloroso ver um herói passando por um momento de humilhação desses, mas também abre portas para quando chegar a hora de dar o troco e colocar os leituras com o coração na mão. A leitura foi dinâmica, li os trechos super tenso e senti como se estivesse na pele dos personagens, e ela chorar no final foi o toque final. Uma incrível cena, e não só porque eu sou o ero-senpai, mas porque gosto de ver personagens atigindo novos limites e sendo colocados em situações absurdas onde só consigo pensar: E agora? Como resolver essa parada?

    Estou ansioso e no aguardo do próximo capítulo, e só para fechar, notei a ausência do Blue e torço para que nosso humilde Gastly Shiny mostre seu valor! E Red, você foi um otário, ponto final kkkkkkkk Grande abraço.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Canas!-

      Mente de Cristal começou DAQUELE JEITO, com direito a personagens retornando e psicológicos sendo ferrados. Isso porque é apenas o PRIMEIRÍSSIMO CAPÍTULO. Com uma temporada que promete ser a derradeira, podemos concentrar nossas energias em problemas de tirar o fôlego.

      Ficar hospedado na sua casa sempre é motivo de inspiração, por tudo o que eu vejo, presencio e ouço. Isso sempre dá pra elaborar um enredo ou inspirar um capítulo já em desenvolvimento, e pode ter certeza que não foi diferente aqui. As horas perdidas no Forsaken Fortress foram só um aperitivo kkkk, ainda estou me esforçando pra deixar esse arco bem legal.

      Aos poucos, vou percebendo como você vai vendo eu usar minhas armas secretas pra escrever fanfics...

      Pode ter certeza que pra eu ter feito isso com a Amy eu precisei pensar MUITO! A história pediu e eu apenas obedeci. Talvez isso possa marcar um renascimento, literal, dela, que começa a partir de agora. Mente de Cristal vem pra selar um longo projeto que está comigo há dez anos, e começar esse fim dessa maneira é algo que mexe bastante comigo. Fico extremamente feliz que tenha impactado você.

      Espero continuar te surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  5. Opa

    Que capítulo amigos.
    Primeiro começamos com o Eusine (tá bom, né kkkk). E eu gostei muito disso. Tipo, ele é um personagem secundário, mas Suicune resolveu recrutar ele. Não algum dos protagonistas, que seria o que pensaríamos primeiro.

    Depois nos conectamos isso com a visão do Forest daquela cena tensa. Inclusive dá para vermos que o garoto aprendeu algumas coisas diferentes com o Bruno, tipo essa sacada super rápida do Shuckle.
    Pelas observações dos personagens, pode ser que estejam planejando algo...
    Essa cena final foi muito forte mesmo, li sorrindo de nervoso. Ariana pouco sádica, apesar de que se ela queria ter certeza, ela meio que tomou a precação certa. Não muda o fato de que ela é uma filha de uma mulher que porventura realiza atividades sexuais extra conjugais remuneradas.
    Blue vai comandar o exercito de Pokémon fantasmas na entrada e resgatar sua mestra.
    Acho que é isso, chegou chegando e espero ansioso o próximo capítulo, meu chapa.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Alefu!

      Mente de Cristal começando daquele jeito imprevisível que eu AMO fazer! E pelo jeito, você também gosta de ler. kkkk

      Agora sim nós temos um personagem mostrando a que veio! Forrest pegou e não decepcionou. Essa história ainda tem muito a ser contada, e espero que você fique disposto a esperar pelos próximos capítulos! Estou me esforçando pra fazer o melhor pra que o ápice chegue chegando! A cena da Amy é só uma amostra disso tudo kkkkk

      Espero que continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  6. Aqui estou eu, finalmente em dia e super atualizado com Johto!

    Eusine e Suicune estão de volta e eu tenho que admitir que me esqueci completamente deles. Oops, i am sorry! Mas parece que desta vez esses os dois vão ter papéis mais importantes do que até agora... mal posso esperar para ver.

    Voltando aos andamentos dos planos da Team Rocket e às traições e facadas dos nossos protagonistas, acho que posso dizer com segurança que nenhum deles sabe no que se está mesmo a meter. Nenhum deles faz ideia do que aí vem. Mas fazem de conta que têm tudo sob controlo, verdade? Digo isto pelas próprias descrições... quer Ethan, Forrest e Red observam o estabelecimento subterrâneo com muita atenção, quase à procura de novas informações que os possam ajudar no futuro. Daí eu manter a minha teoria. Eles planeiam derrotar a Team Rocket por dentro.

    Mas no meio disto tudo quem sofre é Amy. A minha bebé. Ela vai sofrer muito neste arco, tenho a certeza. E esse sofrimento já começou! Uma espécie de tortura psicológica. O momento em que ela despiu as suas roupas, foi o momento em que ela despiu a sua armadura e ficou nua, tal como veio a este mundo. Sem truques na manga, sem saber o que irá acontecer a seguir... à mercê dos seus amigos que a usam como mero bode expiatório. Forrest e Red, não sei se essa foi a melhor ideia de todas... foi bem... estranho e psicadélico. Pobre Amy.

    Estou super curioso para ver como o resto da história se vai desenrolar e como tudo isto vai terminar! Bom trabalho, Dento!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Angie!

      Agora sou eu que estou aqui, super atualizado com seus comentários! Kkkkk

      Quem é vivo sempre aparece! Eis então que Eusine dá as caras depois de um certo tempo... Espero que muito em breve ele possa mostrar a que veio, porque tá precisando. kkkkk

      É, agora as teorias da conspiração estão a todo vapor. Agora os planos da Equipe Rocket parecem estar em plena execução, a todo vapor, e agora ninguém é de ninguém - ninguém confia em ninguém. Se eles vão destruir, eu não sei e nem como... Os próximos capítulos trarão atitudes que acarretarão em consequências assustadoras...

      Ah, Amy... Eu disse que ela se tornaria nessa temporada a protagonista que sempre foi. Os holofotes se voltam para ela que, literalmente, está despida de estratégias para se livrar dessa situação, pelo menos sozinha. Inimigos ou aliados? Nessa hora, talvez ela deva confiar apenas nela mesma...

      Espero que você continue se surpreendendo e investigando!

      See ya!

      Delete
  7. Voltamos aos grandes capítulos. Nesse capítulo deu pra perceber o quão evoluída está sua escrita com relação às temporadas anteriores. Eu adorei a forma como você conduziu o capítulo, ficou muitoo bem escrito.
    Foi uma surpresa para mim o capítulo ter começado com o Eusine, confesso que nem estava me lembrando da existência dele nesses últimos capítulos. Saber que ele terá importância nessa última temporada além de ser um lunático me deixa curiosa a respeito do que você pretende fazer com ele. Ao que parece ele também terá uma missão na destruição dos Rockets, isso foi determinado por Suicune.
    Me deixa mais aliviada saber que na verdade toda a galera não é vira casaca e tem um plano, mesmo eu não gostando muito dele. Ainda mais por não saber como o Ethan tá de boa com isso tudo sendo que ele nem sabia desse suposto plano. O que me deixa mais segura acerca das intenções dele foi não terem tirado o Gastly da Amy, ou seja, ou ele está seguindo o grupo ou de alguma forma ela está com o pokémon, mas pode ser peça fundamental da libertação dela.
    Gente, que dó da Amy, sério, eu fiquei realmente triste com a cena em que ela é forçada a se despir, ainda mais sabendo que foi feito por uma mulher e alguém da própria família dela. Isso só mostra o quão vilões não tem escrúpulos, mas só quem é mulher sabe a vulnerabilidade do que é isso, ainda mais que o escrotinho do Red ainda ficou encarando (espero de verdade que alguém soque ele por isso). Foi muito forte escrever uma garotinha passar por uma cena dessas, você fez um trabalho incrível.
    Ansiosa para ler os próximos capítulos!

    ReplyDelete

- Copyright © 2015 - 2019 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -