Posted by : Dento Jul 25, 2019



— Que dor de cabeça...

Joey, meio zonzo, sentia tudo ao redor girar. Não por menos: havia acabado de acordar de um sonho esquisito, onde caía em um poço sem fundo e a aflição que sentia competia com a vontade de morrer.

Morrer, pelo menos no sonho, o faria se livrar de vez daquele pesadelo.

A consciência aos poucos fora retornando para sua mente. Pôde sentir o frio do chão cinzento e o ensurdecedor silêncio ao redor.

Abriu os olhos e viu o escuro dar-lhe as boas-vindas. Não eram tão acolhedoras quanto ele esperava, mas, pelo menos, tinha o gosto de vida real que ele procurava sentir.

A cabeça dava umas fisgadas e o fazia prestar atenção, como se pedisse para que o resto do corpo ligasse sinais de alerta a fim de pressentir o perigo.

O garoto se sentou no chão e encostou-se na parede fria. Seus olhos adaptavam-se aos poucos à escuridão do ambiente e seus ouvidos procuraram quaisquer ruídos que não fossem sua própria respiração ofegante.

Cof. Cof. Cof.

Três tossidas e Joey lamentou profundamente após sua cabeça ter latejado tão forte que seria melhor que ela explodisse.

— Joey? Joey querido, é você? — uma voz cochichou em uma súplica urgente.

Mesmo no escuro, o garoto arregalou os olhos. Aquela voz conhecida fez Joey ficar de pé em um pulo.

— Gabi? Meu Arceus, Gabi? Eu tô tão feliz de ouvir a sua voz, gatinha, você não tem nem noção!

A euforia de Joey o fez correr para a frente e meter a cara nas grades da cela. Mas o garoto não ligou, ouvir a voz da companheira era tudo o que ele queria.

— Estou aliviada também! Fale baixo, estamos sendo vigiados, tenho medo do que eles podem fazer conosco se descobrirem que estamos conscientes.
— Vigiados? Putz, eu não acredito que estamos ainda naquele rolê da Equipe Rocket... — comentou Joey, enquanto agachava e se deixava abater pela decepção. — Eu esperava estar sonhando... Eu preferia estar sonhando. Saber agora que o Ethan se aliou a esses caras me deixa muito bravo!

Gabrielle suspirou.

— Eu também acho... Eu non consigo entender o motivo... Ethan não parece ser do tipo de pessoa que farria isso...
— Eu vou te dizer, Gabi. Depois da Lyra e do Ethan, eu vou é parar de confiar nas pessoas... Só tem gente cretina nesse mundo!

O silêncio prevaleceu por alguns instantes até a tímida voz de Gabrielle voltar a ecoar na sala.

— Você me acha crretina?

O escuro não permitia ver, mas o rosto de Joey queimou de vergonha.

— N-não! Você é minha parceira! Jamais pensaria isso de você. Na verdade, só eu, você e o Rattata somos os únicos seres inteligentes que merecem viver no mundo, o resto é tudo lixo!

Joey aliviou-se ao ouvir a risada doce de Gabrielle.

— Fico feliz...

O garoto suspirou e sentou-se ao chão. Respirou fundo e suspirou com pesar.

— Precisamos dar um jeito de sair dessa espelunca...

Três fortes batidas na porta de metal fizeram Joey e Gabrielle tomarem um susto. Do outro lado, a voz grave de um homem dava ordens.

— Calem a boca, seus moleques! Não me façam entrar aí!

Os corações batiam tão alto que era possível ouvir alto e claro. Os dois garotos ofegavam de nervoso.

***

Do outro lado do complexo, Proton depositou outro prato de comida no chão próximo à Amy e se retirou, fechando a cela enquanto a encarava com curiosidade. A garota mais uma vez não demonstrava nenhum interesse em tocar na comida, visto que outros três pratos de refeição jaziam intocados, já começando a estragar.

Ela se encontrava sentada no chão da cela, abraçando as pernas. Vestia um uniforme penitenciário negro, da cor da organização, e encarava o teto testando sua paciência, como fazia desde que havia chegado ali.

— Você é dura na queda... Vamos ver até quando você vai aguentar — comentou Proton.

Amy não fez nenhum tipo de contato visual com o homem.

— Eu não sei por que se preocupa. Se você fosse fazer alguma coisa comigo, não precisaria que eu ficasse enfraquecida de fome. Você me viu pelada e virou o rosto. Quem não te conhece, pensa até que você é decente.

Proton deu uma risadinha.

— Eu te conheço desde pirralha. Não parece, mas tenho meus caprichos. Não seria nem um pouco cavalheiro da minha parte.

Amy suspirou, ainda encarando o teto.

— Acabou pra nós, Proton. Se bem que eu não esperava ficar tanto tempo sem ser capturada. Foi um recorde pessoal.
— “Pra nós”? Você é quem vai ser provavelmente torturada, assassinada e esquartejada. Esse prêmio é todo seu, eu não tenho nada a ver com isso.
— Ah, não? Eu estou presa numa cela num baita esconderijo tecnológico a prova de fuga e você é meu segurança particular, como era quando eu era criança. Você está preso comigo, também é um prisioneiro. Acho que vai ficar com peso na consciência pelo resto da vida.

O Rocket riu.

— Você acha que me conhece, não é? Que sabe alguma coisa sobre mim e que pode me tocar com sua sensibilidade de quinta categoria. Mas, você tem razão quando diz que “acabou pra nós”. Eu tenho muitos planos na vida, e um deles com certeza não é correr atrás de você. Pelo menos com a sua morte eu vou poder viver em paz.

Amy desviou o olhar do teto pela primeira vez e repousou-o em Proton. Ele segurava com uma das mãos uma das barras da cela enquanto a outra estava dentro do bolso de sua calça preta. Ele encarava a garota com curiosidade, talvez pelo fato de estar esperando que ela tirasse algum tipo de truque para escapar, mesmo tendo a certeza de que ela estava desarmada.

— Eu não sabia que causava em você tamanha repulsa... — comentou ela.

Proton ergueu o cenho, surpreso com aquela afirmação.

— Seja qual for o sentimento, acredito que “repulsa” ainda assim é algo muito pesado. Eu até acabo tendo certa simpatia por você. Você matou o Giovanni, menina. Eu não queria estar na sua pele agora.

A garota continuou a sustentar o olhar por mais alguns segundos, refletindo sobre as palavras sinceras que Proton havia dito. Pensando melhor, ela não o conhecia direito. Aqueles breves instantes de conversa foram o suficiente para abrir os olhos dela a respeito de muitas coisas.

— Mantenha seus amigos próximos e seus inimigos mais próximos ainda... Esse ditado começa a fazer bastante sentido — comentou ela.

Proton virou-se e dirigiu-se em direção à porta.

— Quando a próxima refeição estiver pronta, farei questão de lhe trazer, pirralha. Vê se não passa fome.

O Rocket passou pela porta de aço e deu um último olhar para Amy, que continuava a encarar o teto. Olhou para o relógio em seu pulso, eram duas e vinte e sete da manhã. Num suspiro, fechou-a, trancando a garota.

***

No laboratório da Equipe Rocket, havia uma intensa concentração de cientistas e capangas ao redor da PokéBola GS, que fora colocada dentro de uma grande cúpula onde lasers tentavam cortar o botão central da cápsula para que ela abrisse. Diversas tentativas foram realizadas para liberar o Pokémon que havia dentro da PokéBola, todas elas fracassadas. Silver permanecia impaciente, de braços cruzados assistindo cada nova ideia de abrir o objeto sem machucar o que estava dentro.

— Se algo acontecer com o Celebi, eu vou matar vocês — alertou o ruivo sem perder sua seriedade, o que tornava a ameaça ainda mais macabra.

Forrest, Red e Bruno permaneciam atentos à tentativa de abertura da PokéBola GS. Pareciam tão ansiosos quanto Silver, afinal, não é todo dia que se vê um Pokémon Lendário. Ninguém ousava emitir um único barulho, nem mesmo em pensamento. A concentração ao redor do objeto lembrava um culto religioso, tamanha a devoção de todos pelo objeto.

Lyra, no entanto, estava entediada. Olhou para o relógio em uma das paredes que marcava quinze para as três da madrugada. Não tinha a atenção do namorado e não gostava nem um pouco de ser trocada por uma PokéBolazinha qualquer. Sentada em uma cadeira próxima, com a perna direita cruzada sobre a esquerda, apoiava seu braço na coxa enquanto a cabeça jazia apoiada na mão direita. O tédio fazia a garota dar uns bocejos curtos enquanto balançava seu pé continuamente. Ariana, em pé ao seu lado, deu uma olhada para a garota de canto de olho e não escondeu satisfação.

— Tch. Se você está tão entediada assim, deveria procurar outra coisa pra fazer. Não estamos brincando aqui.

Lyra encarou a ruiva, mas nada disse. Levantou-se em silêncio e dirigiu-se para a saída do laboratório, em direção às demais áreas do complexo. Conforme avançava, passava pelos recrutas Rocket que faziam a segurança do local, tendo a certeza de para onde queria ir.

Ao chegar à parte do complexo onde ficavam as prisões, notou estar sendo seguida.

— Não sei por que me surpreendi. Deveria imaginar que na primeira oportunidade que tivesse, você viria atrás de mim — a garota deu uma risadinha. — O mundo dá voltas mesmo, não acha, Forrest?

O moreno deu um passo para trás, como um gato pego no flagra pela presa. Forrest começou a suar frio e sentiu seu coração palpitar cada vez mais.

— Lyra, eu...
— Eu estava esperando por você. Ou melhor, eu imaginaria que você daria um jeito de se encontrar comigo. Sabe que eu até fiquei surpresa? Não, sério, dessa vez eu digo: você me surpreendeu.

Forrest permaneceu em silêncio por alguns instantes, mas Lyra realmente surpreendeu-se quando o viu rir.

— Hahaha, pois é, fomos surpreendidos novamente. Eu jamais imaginei que da próxima vez que te visse, você seria aliada de uma organização criminosa. Acho engraçado como a vida é irônica.

Lyra retribuiu o sorriso sádico.

— Eu achei que você fosse continuar sendo aquele moleque mole que eu conheci há alguns meses. Mas deu pra ver que você se tornou um cara interessante...
— Você sempre gostou de caras dominantes. Que bom que me tornei um.

Os dois se olharam. Um sorriso de prazer sincronizado apareceu em seus rostos e suas respirações ficaram ofegantes.

— Onde você estava indo? — perguntou ele.
— Fui procurar alguma diversão. Mas acho que encontrei — ela respondeu, aproximando-se de Forrest como uma serpente prestes a dar o bote.

O moreno olhou para cima e viu uma câmera de vigilância apontando para os dois. Ele deu uma risadinha e aproximou-se de Lyra, colocando a mecha de seu cabelo atrás de sua orelha. Lyra mordeu o lábio. Nenhum dos dois tomava atitudes drásticas. Se observavam detalhadamente, quase se devorando com os olhos.

— Vem comigo — pediu Forrest, surpreendendo Lyra.
— P-pra onde?

O moreno deu um selinho nos lábios da garota.

— Você confia em mim?
— Confio.

Sem dizer mais nenhuma palavra, Forrest segurou na mão de Lyra e a levou na direção contrária do laboratório, para onde ficavam as celas. Os dois ofegavam, mas o garoto parecia com pressa de chegar até lá.

— O que nós vamos fazer aqui? — perguntou Lyra.
— Você disse que confiava em mim. Acho que nós temos satisfações pra tirar com alguém que está lá dentro.
— Quem?
— Joey.

Lyra olhou para o moreno sem entender.

— Que tipo de satisfações eu teria para tirar com ele?
— Ué, não foi ele que disse que você era uma fracassada?

A garota arregalou os olhos. Fechou os punhos com força e começou a tremer. Seu corpo ficou rígido e sua respiração ficou ofegante. Forrest ficou surpreso com a reação de Lyra.

— Eu achei que você soubesse...
— Q-que história é essa? — o ódio na voz da menina era ainda mais evidente pela gagueira. — O-o que ele disse?
— Após o Torneio de Caça aos Insetos... Ele ficou dizendo por aí que você era uma fracassada. Quando vocês terminaram, ele deve ter ficado com ódio... Como você não venceu a competição, começaram a acreditar no discurso dele.

Lyra abaixou a cabeça e pareceu lutar para não chorar.

— E-eu não sou uma fracassada...
— Eu sei disso, meu amor. E justamente por isso que estamos aqui. Eu acho que você deve mostrar pra ele quem é você de verdade. Mostre quem é a Lyra por quem eu me apaixonei.

Forrest aproximou-se de Lyra e, com seu dedo indicador, levantou o rosto da garota e a fez encarar seus olhos puxados.

— Eu acredito em você.

A garota virou para a grande porta de metal do complexo e sacou seu cartão-passe do bolso da calça do uniforme negro. Ao passá-lo pelo controle de acesso, a porta em sua frente se abriu, revelando uma segunda porta com um agente Rocket de prontidão, que acabou se surpreendendo com a inesperada visita.

— Abra a porta — disse Lyra com firmeza.

O Rocket ficou surpreso.

— Mas senhora, eu tenho ordens para não abrir.
— EU MANDEI ABRIR ESSA PORTA.

Lyra chutou as partes íntimas do homem que caiu no chão segurando a área atingida com suas duas mãos. Lyra agachou e pegou de seu bolso o cartão de acesso do agente, passando pelo controle de acesso digital e abrindo a porta de metal que dava para as celas onde os prisioneiros eram trancafiados. Forrest retirou do cinto do agente as chaves das celas do interior da sala.

As luzes se acenderam. Joey e Gabrielle levaram as mãos aos olhos para amenizar a repentina claridade às suas irises, acostumadas com o breu total. Estalos de PokéBolas liberando Pokémon foram ouvidos seguido de um berro agudo ordenando um golpe.

— VICEGRIP!

O portão de aço que guardava Joey dentro da cela fora destruído, cortado como se fosse papel. O garoto tomou um susto tamanho que brigou com seus olhos para tentar ver o que estava acontecendo enquanto Gabrielle gritava de medo.

— Lyra?! — exclamou o garoto.
— SEU MERDA! EU VOU MOSTRAR PRA VOCÊ QUEM É A FRACASSADA!

Lyra correu na direção de Joey e deu um chute na boca de seu estômago, deixando-o sem ar. O golpe repentino fez a visão de Joey escurecer e o ar desaparecer de seus pulmões.

— QUE HISTÓRIA É ESSA DE DIZER QUE EU SOU FRACASSADA? EU VOU MATAR VOCÊ! PINSIR, TIRE A CABEÇA DELE DO PESCOÇO, USE O VICEGRIP! — berrou a garota para seu Pokémon.

Pinsir abriu suas pinças afiadas e impulsionou-se para frente na direção de Joey, caído ao chão tentando recuperar-se do golpe recebido.

O Pokémon de Lyra, no entanto, foi arremessado para a parede oposta por algo tão rápido quanto um míssil.

A garota olhou com ódio para o local onde seu Pokémon jazia caído e viu um Heracross se levantando após utilizar seu Aerial Ace.

Ao olhar para trás, viu Forrest aproximando-se dela e Gabrielle acuada, olhando com cautela para fora da cela, agora aberta.

— O QUE VOCÊ PENSA QUE ESTÁ FAZENDO?! — berrou Lyra.
— Meu bem, eu acredito em você. Por isso mesmo eu acho que você está sendo idiota em se juntar à Equipe Rocket, não desperdice o seu talento — disse Forrest.

Lyra virou-se bruscamente e avançou na direção do moreno, dando-lhe um soco no rosto. O garoto cambaleou para trás, colocou a mão no rosto e sorriu.

— Ok, eu mereci essa.
— Você merece que eu te mate primeiro.

As mãos de Lyra agarraram o pescoço de Forrest e o apertaram. O garoto sentia sua garganta ser cada vez mais comprimida enquanto seus pulmões lutavam com uma pressão inútil contra a ausência de ar. O moreno pôs a mão no cinto para pegar uma PokéBola, mas a garota deu uma joelhada na barriga do rapaz, que deixou a cápsula cair ao chão, rolando até próximo de Joey, que se recuperava do golpe recebido.

Ao perceber a PokéBola próxima, Joey olhou para o objeto e viu Forrest tentando se livrar da agressora agarrando seus pulsos e tentando se desvencilhar de alguma maneira. O garoto percebeu que conhecia aquela PokéBola.

— Mas... Como?

Forrest soltava grunhidos altos. Seu rosto estava mais escuro do que o normal e sua visão escurecia. Lyra continuava a apertar seu pescoço e sua pele rasgava dolorosamente, ardendo conforme as unhas da garota fatalmente pressionavam, além da traquéia, as veias que passavam por ali.

O agente da Equipe Rocket que fazia guarda do lado de fora da sala recuperou-se e invadiu o local segurando uma PokéBola em mãos.

— Eu não sei o que está acontecendo aqui, mas isso acaba agora! Drowzee!

O Pokémon psíquico surgiu e olhou assustadoramente para as pessoas ao redor.

Joey arremessou a PokéBola e seu Venomoth rapidamente surgiu em sua frente.

Silver Wind! — ordenou o garoto.

Venomoth bateu suas asas e um poderoso ciclone prateado surgiu e partiu com velocidade para cima de Lyra, Forrest, Drowzee e o agente Rocket, separando-os para cantos diferentes da sala. A garganta de Forrest ardia e o moreno tossia cada vez que o oxigênio chegava aos seus pulmões, enquanto o agente Rocket jazia nocauteado após bater a cabeça violentamente contra a parede.

Uma forte explosão fora ouvida vinda de algum lugar do lado de fora. Um alarme soava incessantemente. Lyra levantou-se em um salto e procurou recolher seu Pokémon.

Wrap! — berrou Forrest.

O corpo de Lyra foi envolvido com tentáculos amarelos, imobilizando a garota de fazer qualquer tipo de movimento. O moreno levantou-se e, ainda segurando o próprio pescoço, correu para a cela de Gabrielle onde entregou-lhe algumas PokéBolas.

— Você vai precisar — avisou o garoto entre tossidos.

Joey saiu correndo de sua cela e foi em direção à de Gabrielle.

— NÃO TOQUE NELA! — berrou ele para Forrest.

O moreno olhou para o garoto e estendeu a mão, mostrando outras cinco PokéBolas.

— Nós estamos lutando por um bem comum. Use tudo o que puder.

Diversos agentes da Equipe Rocket corriam nos corredores na direção do laboratório. Forrest recolheu seu Shuckle, que continuava a impedir Lyra de se mexer, e saiu correndo pela porta.

— Ariados, use Spider Web, ma chérie!  — ordenou Gabrielle enquanto arremessava uma PokéBola para o alto.

Lyra até tentou pegar uma PokéBola, mas as poderosas teias de aranha de Ariados prenderam seus membros junto ao corpo e a impediram de levantar-se do chão.

— Eu vou matar vocês! — gritou Lyra do chão, enfurecida, enfatizando cada palavra.

Joey segurou na mão de Gabrielle e, junto com Venomoth e Ariados, se retiraram da sala de prisão, dirigindo-se para o lado do laboratório Rocket.



TO BE CONTINUED...





{ 13 comentários... read them below or Comment }

  1. Mano, Johto tá cada vez mais pesada, e eu gosto desse tom.

    Ver este comecinho ali do Joey e da Gabrielle em sua cela foi bom porque mostra um pouco mais desses personagens, suas reações a situação e dá destaque a esses dois que normalmente pouco aparecem.

    Ver ali o dialogo entre Proton e Amy foi importante, afinal revela um pouco do passado dela, tipo, ele já foi quase que um "guarda costas" dela pelo que entendi, e ele, ao menos pra mim, não parece querer fazer nada em relação a ela, parece pra mim que a reação dele é bem "only another work day".

    No final do capítulo temos um diálogo entre o Forrest e essa Lyra badgirl, que embora comece parecendo que os dois estavam se dando bem, era só mais um plano do jovem para poder ir conseguir aliados e imobilizar uma potencial ameaça. Acho que ver ele liberando Gabrielle e Joey vai fazer um pouco da raiva que os leitores acumularam em relação ao Forrest se esvair.

    Acho que é isso, Dento. Valeu e até depois!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Napo!

      Cada vez que eu paro pra pensar no tempero de AeJ, eu vejo o quanto ele está cada vez mais apimentado. Os acontecimentos recentes não parecem estar pensando em dar qualquer trégua nisso tudo.

      O elenco está completamente reunido em uma situação desesperadora: Desde os protagonistas, reunidos em um plano mirabolante, dos secundários, presos numa situação desenvolvida inteligentemente pelos antagonistas, aos Pokémon, seguindo fielmente as ordens de seus treinadores independente de quaisquer sejam. Aqui, eu tô me esforçando para que todos os personagens, independente do núcleo a que pertençam, possam aparecer e brilhar como merecem. Acredito que agora, ninguém é de ninguém, que vença o mais forte, é nisso que todos acreditam. Não confie em ninguém, desconfie de todos!

      Espero que continue se surpreendendo!

      See ya! ♥

      Delete
  2. Opa, tudo bom?

    Então, que capítulo mais interessante. Estava curioso para descobrir quem seria o primeiro a trair a equipe Rocket. Acabou que foi o Forrest, que eu realmente achava que tinha sucumbido de verdade, mas não completamente, ao lado sombrio.

    Bom, o Joey e a Gabi juntos? Isso é novo ou eu tenho memória ruim. Ainda é cedo pra dizer se gosto desse casal, mas é bom ver mais da Gabi, que é uma amorzinho.

    O cara treinou com o Bruno e ainda quase é morto por uma garota sem nenhum treinamento marcial, po tá difícil, Forrest.
    "O que nós vamo fazer?"
    "Assistir netflix, confia"
    :happypepe:

    Quero ver como isso vai se suceder, começou a fuga. Quero saber quem, desse monte de gente, é REALMENTE aliada da equipe Rocket, coitados.

    Bom, creio ser isso. Ótimo capítulo, muito bem escrito, mal posso esperar pelo próximo.

    Flws.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Alefu!

      Estamos a mil grau, ninguém é de ninguém e ninguém é confiável. No fim das contas, vence o mais forte e estamos justamente numa guerra em que todos os lados só pensam em si próprios.

      Joey e Gabrielle conheceram-se durante a jornada (mais especificamente durante o arco do Torneio do Transatlântico, lá entre os capítulos 36, 37 e 38, lembra?) e começaram a flertar. Aí já viu... Adolescentes, hormônios... kkkkk

      O Forrest, querendo ou não, é um personagem surpreendente. Ninguém espera qual vai ser seu próximo passo. Será que ele vai bater ou vai apanhar? kkkkk

      Espero que você continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  3. De volta à programação normal! É sempre bom ver Johto na ativa, e agora dando continuidade a um ponto crucial da história que você vem trabalhando há tanto tempo. Mahogany ainda reserva algumas revelações antes de seu desfecho, e tenho certeza que AEJ vai ganhar novos rumos a partir de agora.

    Foi um ótimo capítulo pela linha de acontecimentos sim, mas o que eu mais gostei foi o fato de que você deu um chega pra lá momentâneo no Ethan e na Amy para poder focar em alguns personagens que há algum tempo vinham pedindo um momento de destaque. Com exceção do Silver, mas eu já sei que a hora dele mostrar a que veio também está muito próxima.

    Joey e Gabrielle tiveram uma participação ainda um pouco tímida nesse capítulo, mas não tinha muito que eles podiam fazer. Estavam encarcerados. Mas veremos nos próximos capítulos como eles vão ajudar na pancadaria. E agora tem o fato deles estarem juntos. PQP, DECIDE LOGO QUAIS SÃO OS SHIPPS DESSA HISTÓRIA, MEU REI! TÁ PARECENDO NOVELA ISSO, EU FICO CONFUSO!

    Falando sobre o Forrest. No fim das contas ele não era um traíra, o que já nos dá a entender que Bruno e Lance também não são (até porque o Forrest não daria conta dos dois, por mais que tenha se tornado mais forte). Ainda quero ver a explicação dele para esse plano mirabolante de se infiltrar como aliado da Team Rocket.

    E por fim, mas não menos importante (muito pelo contrário), a Lyra. Acho que esse foi o capítulo onde ela teve mais participação, mais importância para a história. Ainda que ela não esteja ali com os manda-chuvas da organização, ela foi a grande estrela de hoje. Ok, ela também foi a responsável pelo começo da confusão que pode acabar ferrando os planos da Team Rocket, mas ela foi a estrela de hoje assim mesmo. Foi muito bom ver mais um pouco dela, como seus sentimentos mudaram. Vê-la falando com tanta convicção que ia matar o Forrest, o Joey e a Gabi (especialmente os dois primeiros com quem ela já se relacionou antes) mostra que agora ela é outra personagem. Mesmo que você já tenha escrito capítulos mostrando a sequência de eventos do envolvimento dela com o Silver, ainda acho que seria maneiro você trazer algo um pouco mais focado na mentalidade dela, para que a gente possa ver como os ideais dela mudaram, que tipo de acontecimentos gerou essa reviravolta na cabeça de uma personagem que lá no início da aventura prometia ser um destaque na Liga junto com o Ethan e o Joey.

    Excelente trabalho, meu parceiro. Que venha logo o próximo! õ/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Shadow!

      Com os desfechos em Mahogany se aproximando de seu ápice, nós podemos botar as mangas pra fora. Tramas e subtramas vão se arrastando enquanto a porrada come solta.

      Agora, novos personagens começam a ganhar espaço. Acredito que AeJ seja uma história em que todo mundo, uma hora ou outra, tenha um destaque natural, afinal, não é apenas de protagonistas que se constrói uma história. Fico feliz de conseguir manter todos os personagens desse elenco equilibrados quando se é necessário, e mais ainda com o resultado de que os protagonistas, às vezes, são secundários em muitas situações.

      SIM, AEJ TEM UMA CRISE DE HORMÔNIOS SEM FIM! Agora eles namoram e tomara que sosseguem, não é mesmo? kkkkk

      Aos poucos, a ficha vai caindo e nossos personagens vão se confrontar em seus planos pra saber quem é mais forte que quem... E nesse jogo de egos e de poder, coisas grandes acontecem, pessoas se machucam, é muito sério. Acho que não dá pra escolher um lado sem ficar com o pé atrás, afinal, a qualquer momento você pode se pegar sendo traído por um "aliado"...

      Ah, a Lyra... Essa pessoa que vem se destacando e sendo sutil como um furacão furioso em terras tropicais. É muito bom ver como ela é ardilosa e como (quase) nunca costuma falhar. Espero conseguir destacá-la ainda mais dentro da história. É uma personagem complexa, tomara que eu não falhe na missão.

      Espero que você continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  4. Yoo Dentoo
    Tudo certinho?

    Que capítulo hein, LYRA RAINHA DE COPAS CONFIRMED.

    Gostei do foco nesses outros personagens, o Joey virou sadboy e o Forrest agora tá arrasando corações kkk

    Infelizmente depois desse capítulo nosso querido Silver relatou diversas dores de cabeça, provavelmente deve ser os chifres dele nascendo sushsuahsuahaua

    Amy teve uma aparição curta mas foi interessante essa conversa com o Proton, eu ainda acredito que teremos o Gastly aparecendo pra fazer algo importante :v

    E Forrest chamou a Lyra no cantinho escuro, o que será que eles iam fazer lá? BATER EM EM SADBOY HSUSHSUAHSUAHAUA

    O plano só falhou um pouqinho pro coitado do Forrest que quase faleceu nas mãos da Lyra, Lyra essa que tá lokassa querendo matar geral, mas ela parece meio insegura, tipo, tentando provar pra si mesma que ela é algo, pelo menos isso que eu senti na parte que ela tenta não chorar.

    E eu acho que nós temos o melhor shipp de AeJ, GAY É REAL E NINGUÉM PODE ME PROVAR O CONTRÁRIO ( Gabrielle+Joey)

    No mais é isto, ótimo capítulo, no aguardo do próximo.

    See Ya

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Grovy!

      Lyra, como sempre, sendo destaque nos plot twists da história. Contando, claro, com o apoio direta ou indiretamente dos demais personagens, todos aparecem aqui estrelando seu próprio momento. Fico feliz que consegui equilibrar o papel todo mundo sem o apoio de um protagonista. Estou no caminho certo!

      Acho que a cada passo que o Silver dá, alguém faz ele dar dois pra trás. Tá difícil conviver, né? AHJAEUHAEUAHEUAHUAEH Mas um dia quem sabe ele não dá a volta por cima? Sei lá, tem a ideia de plantar uma bomba, explodir todo mundo e virar o verdadeiro protagonista de AeJ... Pode acontecer.

      Sempre é hora de bater em sadboy, né? HEAUHEAUHEAUEAH Quando envolve a Lyra então, vish... Aí é ter a certeza de que ela vai com sangue nos olhos! Veja o Forrest por exemplo, que quase perde a vida para defender GAY (sim, IT'S REAL!)

      Espero que você continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  5. Esse arco dos Rockets está mesmo dando o que falar! Depois de acompanharmos tanto tempo a trajetória do Ethan e seus companheiros, foi esquisito que ele tenha sido só brevemente citado. Eu gosto muito quando surge a chance de dar a devida atenção para personagens secundários como eles e explorar seus sentimentos, até porque os outros dois que brilharam aqui foram a Lyra e o Forrest. Foi um tremendo choque ver como ela mudou, e até o Forrest que estava esquisitão desde o treinamento com o Bruno começou a mostrar como voltou um cara mudado, achei isso incrível.

    Gostei da Lyra usar um Pokémon para ameaçá-los, ainda mais um Pinsir que pode causar umas boas torturas. Sabe, um erro que pode acontecer com alguns escritores de fics de Pokémon é pegar uma personagem que é bem nova e inexperiente como a Lyra e colocá-la ameaçando outras crianças com facas ou até uma arma, só para criar uma tensão mais real e palpável. Mas sinto que temos que aproveitar também o que o mundo Pokémon nos oferece e criar algo dentro da realidade desse universo, por isso achei o desenrolar da cena toda muito boa.

    Como mencionei em nossa leitura ao vivaço, seus parágrafos e descrições estão com uma dinâmica boa, a tensão aumenta com a aproximação do fechamento desse arco e tem tanta coisa acontecendo que o leitor não quer prender muito tempo no que for irrelevante, talvez seja a primeira vez que tantos personagens estarão se reunindo numa só cena em AeJ e isso vai exigir que as coisas aconteçam com velocidade, tanto que esse capítulo passou ainda mais rápido do que imaginei. Agora vamos para a etapa final desse plano! Grande abraço.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Canas!

      Aventuras em Johto está aproximando-se de seu ápice. Claro que, até lá, tramas e subtramas se complementam e se completam e respondem perguntas de vários e vários capítulos atrás. É o momento que nós começamos a entender (e duvidar) (d)a motivação dos nossos personagens. Grande parte das tramas maléficas de nossa história são, em grande parte, elaboradas pelos nossos antagonistas e secundários, então por que não dar pra eles o holofote sempre que necessário? Eu também acho engraçado o fato do Ethan ser o protagonista e, dentro da história, não estar em 100% nela. É saudável. Isso permite que os outros personagens possam se desenvolver quase que sozinhos, sem o apoio dos protagonistas, sem aquela coisa de dizer "ok, você é bom e eu sou mal", eles apenas seguem o que acreditam, porque eu acredito que seja assim que nós mesmos vivemos a vida. Assim como se permite que os personagens também tenham seus momentos para que possamos conhecê-los melhor também.

      Lyra é um ponto fora da curva. Ainda que ela seja jovem, ela tem sangue frio. E também acho bacana pra caramba a forma que ela usa seus Pokémon como armas... Treinadores e Pokémon, quando confiam um no outro, podem causar até guerras, isso é assustador...

      Fico feliz que minha escrita vem evoluindo a cada novo capítulo. Muito disso eu devo à você, já que me ajuda TANTO! E trabalhar com você requer isso, preciso sempre correr atrás de estar melhorando, né? Não tenho planos de lançar livro, mas pelo menos eu tenho a obrigação de ter uma escrita impecável! EAUHAUEHEAUHUHEA

      Espero que você continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  6. YOOOO!

    Este arco está só magnífico e cada vez mais intenso! A Team Rocket não parece baixar os braços e as personagens que nós pensávamos que conhecíamos tão bem, parecem ser mais complexas do que aquilo que imaginávamos.

    Começamos com Joey e Gabrielle, personagens secundários que acabam por ser vítimas deste golpe gigante! Achei interessante mostrar a perspetiva deles, deixando um pouco de lado os protagonistas que nós já estamos habituados a ver.

    Depois encontramos a rainha Amy com o seu segurança Proton. Gostei do diálogo deles, onde conseguimos perceber que, de facto, eles têm um passado que deixou Proton marcado. E um ponto importante que Amy tocou: eles estão realmente presos juntos, talvez até presos um ao outro. Quero ver a continuação dessa história e espero que possamos ter mais explorações do passado (ter um conjunto de flashbacks da Amy antes de Aventuras em Johto seria interessantíssimo).

    Depois, temos Lyra. Para mim, o verdadeiro enigma de toda esta história. Rapidamente percebemos que ela não tem grande interesse pelos planos da Team Rocket, portanto, afinal, o que ela quer? Poder? Fama? Atenção?
    Quando Forrest entra em cena, percebemos que ela continua a mesma quebra-corações de sempre. Portanto, o que ela sente por Silver talvez não seja assim tão forte ou importante, julgo eu. A mim parece-me que ela só continua a preocupar-se com ela mesma.
    A cena em que ela se deixou levar pelas palavras de Forrest e momentos depois o tentava matar foi assustadora. Se pensarmos bem, que tipo de pessoa tem este comportamento? Um psicopata, talvez?

    Enfim, fico feliz que Forrest tenha conseguido salvar Joey e Gabrielle, mas continuo confuso com o envolvimento de todos estes personagens no plano da Team Rocket. Onde estão Red, Ethan e Lance? Qual é o plano deles? Ah, outra coisa! Eu reparei nesse detalhe das horas... o que vem daí? Um plot twist para me deixar a cabeça à roda?

    Continue com o excelente trabalho, companheiro! Até!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Angie!

      Fico feliz que você esteja gostando! Eu tenho sempre o desafio de deixar a história atrativa, mesmo tendo de revelar os grandes segredos por detrás de AeJ... Fico muito feliz e aliviado de que eu esteja conseguindo essa proeza surpreendendo você até mesmo com a ação dos personagens. kkkk

      Descansamos os protagonistas e deixamos os secundários tomarem o holofote. Eu acredito que o destaque pode se dar para qualquer personagem, isso acaba permitindo que nós, leitores, possamos ter a certeza de que todos eles tem suas próprias vidas, são protagonistas delas, mesmo que a câmera não mostre. E, de novo, me deixa feliz o fato de ter conseguido passar isso dessa maneira.

      Falando em protagonismo... Temos Amy, talvez a personagem principal de AeJ. É interessante ver como ela se permite revelar seu passado, visto que a pouco tempo, ela ainda era completamente fechada. E ainda a surpresa de que Proton faz parte disso... Eu tenho certeza de que essa história vai durar bastante tempo ainda, até porque, laços assim costumam não desatar tão fácil. É interessante sua sugestão... Por que não? Um dia eu faço!

      Lyra. Se Amy é a protagonista, com certeza ela é a antagonista primordial. Acompanhamos Amy tentando fugir da Equipe Rocket e acompanhamos Lyra fazendo o posto, se juntando à corporação... Enquanto acompanhamos Amy se tornar cada vez mais humana, vemos Lyra se tornando um monstro, uma criatura fria que só pensa em si... Acho muito interessante todos esses seus questionamentos. Realmente há uma névoa muito grande a respeito das motivações de Lyra e o que a leva a agir dessa forma... Será que descobriremos até o fim da história?

      Acho que temos muito mais perguntas do que respostas nesse ponto da história e teremos de permanecer atentos para cada nova pista que ela nos dá... Tomara que você possa estar junto comigo na hora que descobrirmos todos os segredos que rondam cada novo mistério que esses personagens, juntos, desenvolvem...

      Espero que continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  7. Mais um cap que minha raiva pelo Forrest aflora.
    Esse menino só sabe trair os outros. Ou trai a própria traição.
    Pelo menos agora a galera tá livre, quero só ver os outros se n vão se rebelar também.

    ReplyDelete

- Copyright © 2015 - 2019 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -