Posted by : Dento Sep 1, 2016




O S.S. Aqua passava por reparos no Porto de Cianwood. As vitimas do atentado recebiam tratamento no Centro Pokémon e a garantia de uma viagem gratuita de volta à Olivine.

Cianwood era uma cidade sem saída. Não era vizinha a nenhuma outra cidade e a única maneira de chegar ao seu território era pelo mar.

No entanto, nenhum treinador em sã consciência cruzaria aqueles mares perigosos. Os redemoinhos eram mortais para qualquer um que cruzasse suas águas, apenas treinadores excepcionais poderiam conseguir tal ato.

Séculos atrás, houvera uma guerra entre os povos de Johto e Hoenn, que eram mais próximas naquela época. Para acabar com aquele ato insano, o Pokémon Lendário, Lugia, ergueu-se soberano por sobre as águas e com seus poderosos ataques, separou aquelas duas regiões. Johto reivindicava a posse das ilhas litorâneas da região de Hoenn, que defendia que elas estavam sob posse de seu guardião, Kyogre. As cidades de Cianwood e Dewford, outrora uma só, foram divididas em duas e separadas por milhares de quilômetros uma da outra. Aquele dia histórico nunca mais fora esquecido.

Ethan, Amy e Forrest caminhavam pela orla da praia de Cianwood, seguindo em direção à famosa farmácia da cidade. Aparentemente, eles passariam um bom tempo na ilha, então resolveram passar o tempo do melhor jeito que conheciam: Passeando pela cidade. O sol brilhava a pino. Descalços, os garotos caminhavam vagarosamente, sentindo a areia sob seus pés.

Logo, os garotos avistaram um barracão de madeira, que destoava dos demais prédios já modernos de Cianwood. Os detalhes eram simples, mas impressionavam pelo capricho.

Era a placa que informava que aquele local remoto era a famosa farmácia. “Quinhentos anos de tradição” era uma frase bastante convidativa e fazia Ethan, Amy e Forrest debaterem consigo diversas teorias para que aquele estabelecimento permanecesse há tanto tempo no mesmo endereço sem precisar de reforma. Ao menos parecia que a farmácia de Cianwood nunca havia passado por uma reforma e que todo o material que o construía era original. Era muito bem preservado.

Ao cruzarem as portas, um sino tocou. Demorou alguns poucos segundos para que um pequeno Pokémon viesse receber os visitantes. Ele tinha uma pele amarela pálida. As pontas de suas orelhas, o colarinho, e sua cauda eram pretas e angulares. Suas bochechas cor de rosa armazenavam pequenas quantidades de eletricidade e seu pequeno nariz parecia com um ponto. O Pokémon correu até eles utilizando suas quatro patinhas, mas ergueu-se de forma bípede para cumprimentar os garotos.

“Pichu, um Pokémon Rato Pequeno. Ainda não tem habilidade em armazenar eletricidade. Pode liberar faíscas se está alegre ou assustado. Apesar de seu tamanho pequeno, ele pode nocautear seres humanos, mesmo adultos. No entanto, se ele faz isso, ele também surpreende-se.”— Informou a PokéAgenda de Ethan quando o garoto a apontou para a criaturinha.

O garoto agachou-se e acariciou a cabeça do Pichu enquanto analisava o ambiente em que estava. As paredes eram cobertas de quadros de Pokémon e o lugar era cercado por estantes cheias de medicamentos. O cheiro de flores aromatizava o ambiente. A iluminação era gerada não por eletricidade, mas sim, por um candelabro enorme no teto com uma chama vívida queimando em cada vela sustentada pelos braços da luminária coberta de ouro.

Uma jovem garota apareceu correndo dos fundos da loja. Ela tinha por volta de seus sete anos, com seus cabelos castanhos amarrados em um par de marias-chiquinhas e um sorriso que ia de um canto ao outro na boca. Usava uma camiseta com o rosto de um Pikachu por baixo de um macacão jeans.

— Boa tarde! Meu nome é Molly. Em que posso ajudar vocês? — Perguntou a garota sorridente.

Pichu esquivou-se do afago de Ethan e correu para subir no ombro de Molly. O garoto levantou-se e dirigiu-se até a menina.

— Oi! Eu sou Ethan e estes são meus amigos, Amy e Forrest. Nós viemos a pedido da Líder do Ginásio de Olivine atrás do remédio do Ampharos dela.

Molly refletiu por alguns segundos.

— Acho que o vovô Lennon é quem pode ajudar vocês... Vovô! — A voz da garota ecoou por todo o local.

Vagarosamente, e com o auxílio de uma bengala, um homem velho, com lá seus setenta anos, barbas longas e com visível mau humor aproximava-se do balcão de atendimento.

— Em que posso ajudar? — Questionou o velho, repousando as duas mãos enrugadas sobre sua bengala, encarando o trio com um olhar sério.
— Viemos em nome da Líder do Ginásio de Olivine para buscar o remédio do Amphy. — Explicou Ethan.

O velho Lennon suspirou e olhou para os fundos da loja.

— Raichu! — Chamou ele com sua voz fraca.

Raichu tinha uma pele laranja-escura com uma barriga cor de creme, orelhas bifurcadas de cor marrom na parte externa e amarela no interior e suas bochechas eram amarelas. Sua cauda longa e fina tinha forma de raio em sua ponta. Ele aproximou de forma pomposa de seu treinador, pronto para atendê-lo.

— Raichu, por favor, pegue a encomenda secreta. — Pediu Lennon.

O Pokémon fez um sinal afirmativo com a cabeça e se dirigiu a uma das prateleiras laterais da farmácia.

Ethan mais uma vez consultava a PokéAgenda.

“Raichu, um Pokémon Rato. É a forma evoluída de Pikachu. Quando sua eletricidade acumula, seus músculos são estimulados e torna-se mais agressivo do que o habitual. Se as bolsas elétricas em suas bochechas ficam totalmente carregadas, ambas as orelhas ficam eretas.” — Informou o dispositivo.

O Pokémon entregou ao mestre um pequeno frasco transparente de tampa roxa. Dentro, podia-se ver um líquido alaranjado que exalava um cheiro de tangerina.

Lennon colocou o remédio dentro de um saco de papel e entregou para Ethan, que guardou cuidadosamente dentro de sua mochila.

— Posso auxilia-los em mais alguma coisa? — Questionou o velho.
— Não, acho que é só isso mesmo. — Respondeu Ethan.

Molly e seu Pichu guiaram os três até a porta.

Estavam quase saindo da farmácia quando Ethan parou por um instante e voltou até o balcão.

— Na verdade, acho que o senhor poderia me ajudar sim...

O velho Lennon pareceu hesitar por um instante. Mas, engoliu em seco e encarou o garoto com seu olhar sério.

— Diga.
— Eu tenho um Pokémon traumatizado em batalhas e com várias cicatrizes pelo corpo. Como o senhor entende de ervas, gostaria de saber se não poderia ajuda-lo a sarar...

O garoto sacou uma PokéBola e liberou Rocky, seu Onix, de dentro dela.

Ele não havia calculado devidamente o tamanho da criatura. Assim que Rocky saiu da PokéBola e ergueu-se, sua cabeça arrebentou todo o teto da farmácia de Cianwood e ficou ao ar livre. Pedaços de telha caíram sobre todo o chão e sobre as cabeças de todos os presentes.

Rocky encolheu-se de vergonha, mas ainda mantinha a parte superior de seu corpo do lado de fora.

Ethan engoliu em seco e sorriu sem graça.

— Acho... Que agora esse lugar merece uma reforma, né?

Lennon, Amy e Forrest lançaram um olhar mortal para o garoto.

***

Já eram quase cinco da tarde e Ethan, Amy e Forrest continuavam trabalhando debaixo do sol ardente do litoral de Cianwood. Em cima do telhado da farmácia da cidade, Ethan distribuía novas telhas com o auxílio de Sandshrew enquanto Forrest utilizava uma parafusadeira para pregá-las. Amy limpava por dentro da farmácia. Ela varreu, lavou e secou o chão sob a supervisão do olhar severo do velho Lennon. Ela não demonstrou nenhum esboço de cansaço. Ainda que seus músculos gritassem de exaustão, ela não demonstrava nenhuma cara feia.

Levando as costas da mão direita à sua testa e enxugando o suor, Amy concluíra o trabalho. O velho Lennon havia feito os três consertarem a zona que Ethan havia feito. Ainda que ela e Forrest não tivessem participação no acidente, mas ainda assim, eram amigos do meliante, estavam juntos na cena do ocorrido e, portanto, tinham sua parcela de culpa.

Então todo mundo trabalhou.

Ao menos, o velho Lennon parecia satisfeito com o resultado do trabalho.

Ethan e Forrest abriram a porta. O moreno, apoiado no batente da porta, arfava de cansaço e pingava de suor. Já Ethan, se arrastava no chão. Não tinha fôlego nem para falar.  Todos os músculos de seu corpo se contraíam e o garoto não sentia mais os braços.

Molly trouxera um copo de água bem gelada para cada um. Lennon observava tudo sem falar nada.

Quando os garotos estavam melhores, Lennon vagarosamente caminhou em direção a eles e colocou-se defronte aos garotos.

— Todos nós somos maduros o suficiente para arcar com nossas consequências. Com suor e esforço, nós podemos evoluir e ganhar experiência.

Amy, Ethan e Forrest, e até mesmo Molly, encararam Lennon sem entender direito o significado por trás daquelas palavras sem sentido.

Lennon caminhou até Ethan e entregou-lhe uma PokéBola.

— Eu não posso treinar seu Pokémon por você. Se seu Pokémon tem trauma, só cabe a você encontrar uma maneira de tirar o trauma dele.

Ethan pegou a PokéBola e encarou-a.

— Erva nenhuma do mundo pode alterar o psicológico de um Pokémon. Apenas os bons sentimentos são remédios fortes o bastante pra isso.

Forrest pareceu digerir tudo o que ouviu ali.

— “Todos nós somos maduros o suficiente para arcar com nossas consequências. Com suor e esforço, nós podemos evoluir e ganhar experiência.” — Repetiu o moreno vagarosamente.

Lennon encarou o jovem.

— Faça por merecer. — Disse o velho.

Forrest curvou-se em agradecimento.

— Muito obrigado!

Todos o encararam surpresos. Lennon, no entanto, deu um sorriso.

— Não me agradeça.

O trio saiu da farmácia. Molly aproximou-se de seu avô.

— Por que disse isso pra eles, vovô?

Lennon, apoiado em sua bengala, olhou sua neta com um olhar terno.

— Eu também já fui um treinador, minha querida. Há muito tempo atrás.

O velho então, acompanhado de seu fiel Raichu, dirigiu-se para dentro do estabelecimento. Molly e Pichu se encararam e ambos chegaram a conclusão de que não haviam entendido nada.

Caminhando pela orla da praia, Ethan e Forrest conversavam sobre tudo o que haviam visto dentro da farmácia. Ambos chegaram a conclusão de que aquilo, de alguma forma, havia contribuído para o crescimento dos dois como treinadores.

A conversa continuaria fluindo por horas se Amy não tivesse chamado a atenção dos meninos.

Suicune encarava um Pokémon bípede, humanoide com um corpo arredondado branco com uma mancha rosada no meio. Tufos de pelos azuis que lembravam cabelo de palhaço estendiam dos lados de sua cabeça rosa pálida, e havia círculos rosados em suas bochechas. Os garotos notaram também a presença de Ringo, que era quem comandava aquele Pokémon.

Ethan sacou a PokéAgenda.

“Mr. Mime, um Pokémon Barreira. Com habilidades mímicas desde o nascimento, ganha a capacidade de criar objetos invisíveis à medida que cresce. Seus dedos emitem um campo de força peculiar que endurece o ar para criar uma parede real.” — Informou o dispositivo.
— Marcel, Psybeam! — Ringo gritava golpes e usava seu chicote para atingir Mr. Mime que lutava ferozmente. Suicune apenas fugia dos ataques. Ele não queria lutar.

Ethan, Amy e Forrest correram em direção ao rapaz, colocando-se na frente de Suicune, que surpreendeu-se ao ver aqueles humanos.

— Vocês...? O que fazem aqui? Vieram devolver o Rocky? Eu avisei que ele era um Pokémon fraco. — Ringo sorriu de forma cínica.
— Você não sabe mesmo quando um Pokémon não quer batalhar, não é? — Disse Ethan de forma séria.
— Olha, garoto, adoraria conversar com você, mas eu tenho coisas sérias pra resolver. Se me dão licença, eu vou pegar esse Suicune. Marcel, Psybeam de novo! — Ringo bateu com seu chicote no chão tentando amedrontar os garotos que não se moveram.

Mr. Mime atacou e Ethan, Amy e Forrest foram atingidos. Os garotos foram arremessados a alguns metros de distância, fazendo Suicune olhar para trás. Sua expressão mudou e rapidamente ele correu para o lado esquerdo, fugindo da batalha.

Ringo fez menção de persegui-lo, mas um trovão caiu bem na frente de Suicune, fazendo a criatura parar atenta.

Eusine, acompanhado de um Pokémon redondo, semelhante a uma PokéBola de cor inversa com boca e olhos. Sua metade superior era branca, enquanto a sua metade inferior era vermelha. O Thunder de Electrode fizera Suicune ficar cercado.

— Ora, ora, ora... Suicune, finalmente nós nos reencontramos... — Eusine tinha um brilho intenso no olhar, quase masoquista. De dentro de seu bolso, o rapaz pegou uma UltraBola e a ativou.

Ringo encarou Eusine e riu alto.

— Hahaha! Mas que palhaçada é essa? Desculpe engomadinho de capa, mas eu cheguei primeiro. Imagina a fama que eu vou ter domando um Pokémon lendário? Você não vai me tirar isso. — Os olhares dos dois treinadores se encontraram e soltaram faíscas. A honra e glória dos dois treinadores pela captura de Suicune estavam em jogo.

Ethan, com fortes dores na barriga, levantou-se. Sacando uma PokéBola da mochila, apontou para os dois oponentes.

— Essa briga é de gente grande. Rocky, por favor! — O garoto apertou o botão central da PokéBola e a abriu, libertando o grande Onix de seu interior.

Rocky encarou Mr. Mime e Electrode e rapidamente escondeu-se atrás de Ethan — ou pelo menos tentou. Apenas seus olhos eram tapados pelas costas do menino. O resto de seu imenso corpo era visível por todos ali.

Ringo soltou mais uma de suas risadas sarcásticas e escrachadas.

— Ei, Rocky! Há quanto tempo... Vejo que você não mudou nada! Vai sempre ser aquele Pokémon inútil que eu treinei há tempos! Que desperdício...

Rocky encolheu-se ainda mais. Ethan estendeu a mão e acariciou o rosto de pedra de seu Pokémon.

— Você não precisa temê-lo mais, Rocky. Ele não é mais o seu mestre.

Rocky ergueu levemente a cabeça.

Forrest e Amy também liberaram Pokémon. Rhyhorn e Venonat posicionaram-se prontos para o ataque.

— Deixem o Suicune em paz. — Amy fuzilava Ringo e Eusine com seus grandes olhos azuis. — Não vamos pedir de novo.
— Fuja, Suicune! — Gritou Forrest.

Suicune encarou o moreno com seu olhar penetrante e assentiu com a cabeça. Correu em direção ao mar e pulou sobre as águas. Como se fosse mais leve do que o ar, saltou sobre as ondas e rumou ao horizonte.

— Suicune, não! — Exclamou Eusine, ajoelhando-se e levando as mãos à cabeça, em desespero.

Uma veia saltava na têmpora de Ringo. Ele fechou o punho com força.

— Vocês me fizeram perder uma oportunidade única... Jamais vou perdoá-los por isso... Marcel, vamos acabar com eles. Psybeam!

Os olhos de Mr. Mime foram coloridos de um rosa intenso. Erguendo seus dois braços para frente, produziu um raio multicolorido que foi atirado em direção a Ethan, Amy e Forrest. Os garotos saltaram em direções diferentes e escaparam do golpe, que atingiu a areia, levantando uma grande nuvem de poeira.

Eusine pareceu olhar aquilo de forma assustada.

— Ei... Não precisa atacar eles!

Ringo o encarou de forma severa.

— Eles fizeram o Suicune sumir de novo! Vamos dar um jeito neles antes que eles atrapalhem novamente!

Eusine pareceu refletir por uns instantes. Olhou para Ethan e viu Gold encarnado ali. Mesmo inconscientemente, ele sabia que podia ser melhor do que Gold jamais foi.

— Bem... Acho que eu não tenho nada a perder com isso.

Ringo deu um sorriso sínico.

— Hehe... Já vi que diferente deles, você é esperto, rapaz. — O domador de Pokémon olhou fixamente para Rocky. — Eu tenho algumas contas para acertar.

Ringo retornou Mr. Mime e escolheu Electabuzz para colocar em seu lugar.

Ethan fechou os punhos. Estava tenso. Olhava para o lado em busca de socorro, mas só via Amy e Forrest e os Pokémon também sem saber o que fazer. Sentiu Rocky encolher-se um pouco mais atrás de si.

— Rocky, eu sei que você está com medo, mas você não deve mais obediência ao Ringo. Eu sou seu treinador agora e respeito você. Se você não quiser lutar, não precisa. Volte para a PokéBola. — Ethan sussurrava baixinho, somente para Rocky ouvir, enquanto fazia carinho no rosto de pedra de seu Pokémon colosso.
— Perdi a paciência. Electabuzz, ThunderPunch! — Berrou Ringo.

Com velocidade, Electabuzz partiu para cima de Rocky, que encolheu-se ainda mais de pavor. Por impulso, Ethan saltou na frente de seu Pokémon e recebeu todo o golpe de Electabuzz, que parou, surpreso. Ninguém ali imaginava que Ethan faria aquilo.

O garoto meio atordoado pelo golpe levantou-se do chão.

— Você precisa de muito mais do que isso pra me derrubar. — E sorriu.

Forrest olhou para o amigo e sentiu uma confiança muito grande vindo do garoto.

— O Ethan está certo. Vocês precisam de bem mais pra nos derrubar. Rhyhorn, Rock Blast!

Rhyhorn ergueu-se sob as duas patas traseiras e jogou o peso de seu corpo para frente. Enormes pedaços de pedra foram arremessados em direção à Electabuzz e Electrode, que foram atingidos em cheio.

Amy começou a rir. Ela achava engraçadas as expressões no rosto de Eusine e Ringo, que estavam estupefatos com as habilidades dos oponentes.

— Acho que, dessa vez, nós surpreendemos. Venonat, Psyshock!

Dos grandes olhos de Venonat, um raio multicolorido foi disparado. Ainda atordoados pelo ataque de Rhyhorn, os Pokémon não conseguiram se esquivar. Aquele combo havia tirado boa parte da energia dos Pokémon de Eusine e Ringo.

Mas os dois não iriam desistir tão fácil. Eles estavam bastante enfurecidos.

— Electabuzz, ThunderShock! — Ordenou Ringo.
— Electrode, Thunder! — Exclamou Eusine.

Aqueles poderosos ataques elétricos se fundiram e triplicaram seu poder. Os Pokémon conseguiram esquivar do golpe, mas Rocky continuava atrás de Ethan e recebeu todo o golpe.

Rocky soltou um urro de dor, vindo ao chão. Ele seria imune a golpes daquele tipo, mas a dor psicológica que sentia tornava aquele golpe o mais dolorido do mundo.

— Rocky! — Gritou Ethan e imagens vieram à sua cabeça.

***

“— Vamos lá, Rocky. Eu te desafio! — Exclamou Ethan, apontando para o Onix.

O Pokémon encarou Ethan. Timidamente, se pôs a frente.

— Flaaffy, vamos fazer o primeiro movimento. ThunderShock!

Faíscas amarelas apareceram ao redor das orelhas de Flaaffy. Ela disparou uma rajada de eletricidade azul claro de seu corpo em Onix, que desviou com maestria.

Ethan esperou Onix se movimentar, mas o mesmo não se moveu.

— Eu vou fazer você se mover, Rocky... Flaaffy, Tackle!

Flaaffy correu em direção de Onix, que desviava cada vez mais rápido. Ele não tomava nenhum dano, apenas desviava de Flaaffy. Ele realmente não queria machucar aquele Pokémon.

— Flaaffy, vamos fazer ele te encarar! Cottom Spore! — Bradou Ethan.

Flaaffy removeu pedaços de lã de seu corpo e atirou em Onix. As bolas de algodão fixaram-se no corpo da semente de pedra, diminuindo sua velocidade.

— ThunderShock! — Exclamou Ethan.

Flaaffy disparou as faíscas azuis na direção de Onix, que ficou devagar demais para esquivar, recebendo todo o golpe.

Estranhamente, Onix caiu no chão, exausto.

— Mas o quê?! Não era pro Onix tomar tanto dano assim! — Exclamou Amy.
— Aliás, não era pra ele tomar dano algum... — Comentou Forrest.
— Que bizarro... — Disse Ethan.

Onix levantou-se e encarou Flaaffy. Ele realmente teria que se defender.

Ergueu-se majestosamente e atacou usando o Slam. Sua cauda atingiu o corpo de Flaaffy, arremessando-a para longe.

— Não, Flaaffy! — Exclamou Ethan.

Onix rapidamente se dirigiu até o corpo de Flaaffy, que ainda estava consciente. Abaixou até o Pokémon e o recolheu com sua cauda, como se estivesse acalentando-o.

— Ele está... Fazendo a Flaaffy dormir...? — Perguntou Amy.
— Acho... Que está protegendo ela... — Disse Forrest.

Ethan, observando a cena, correu para a mochila e pegou uma Poção. Correu até Flaaffy e utilizou o spray na pequena Pokémon, que pareceu se recuperar logo.”

***
Ethan encarava seu Pokémon com um aperto no peito. Rocky o olhava como se suplicasse perdão.

— Rocky... Desde o princípio eu sempre acreditei em você. Eu acredito no seu potencial... Vamos juntos nos tornarmos mais fortes.

A voz de Ringo ecoou.

ThunderPunch!

Nem mesmo Amy e Forrest puderam evitar aquele ataque. Era em Rocky que Electabuzz mirava e, com velocidade, o Pokémon de Ringo esquivava dos golpes de Rhyhorn e Venonat.

Ethan saltou na frente de Ringo e, pela segunda vez, deixou-se ser atingido por aquele ataque poderoso.

Como se fosse em câmera lenta, Rocky viu seu treinador cair ao chão quase inconsciente.

Um misto de ódio e medo tomaram conta de seu corpo. As memórias do primeiro encontro com Ethan vieram a sua cabeça.

***

Onix rapidamente se dirigiu até o corpo de Flaaffy, que ainda estava consciente. Abaixou até o Pokémon e o recolheu com sua cauda, como se estivesse acalentando-o.

— Ele está... Fazendo a Flaaffy dormir...? — Perguntou Amy.
— Acho... Que está protegendo ela... — Disse Forrest.

Ethan, observando a cena, correu para a mochila e pegou uma Poção. Correu até Flaaffy e utilizou o spray na pequena Pokémon, que pareceu se recuperar logo.

O garoto encarou o Onix.

— Eu desisto da batalha. Eu não posso fazer você lutar contra mim. — Ethan pegou a PokéBola de Flaaffy, retornando-a. — Obrigado, Flaaffy. Você foi incrível.

Onix o olhou curioso.

— Desculpa, Rocky. Acho que eu exagerei tentando te mostrar que você é forte, independente do que outras pessoas dizem pra você. Espero que você encontre um treinador forte que te respeite e te mereça. E espero também que nos reencontremos de novo.

***

Rocky liberou uma aura vermelha. Ele soltou um poderoso urro e bateu com sua cauda no chão. O impacto fez enormes pedras serem arremessadas em direção aos adversários, surpreendendo a todos.

— O que está acontecendo?! — Perguntou Amy para Forrest.
— Ele está usando... O Rage...! — Respondeu o moreno assustado.

Rocky avançou na direção de Electabuzz e o atingiu com sua cauda, arremessando-o para longe.

— Electrode, Rollout! — Exclamou Eusine.

O Pokémon de Eusine rolou em seu próprio eixo e partiu com velocidade em direção à Rocky. O Onix, no entanto, atingiu o oponente de forma poderosa com sua cauda de pedra, fazendo-o cair nocauteado.

Rocky parecia descontrolado. Ele batia sua cauda no chão fazendo uma nuvem de areia subir. Eusine deu um passo para trás de medo e retornou seu Pokémon, correndo em direção à cidade logo em seguida. Já Ringo estava impressionado. Admirava Rocky com os braços abertos e com um olhar masoquista. Sua risada maligna era alta e arrepiava as espinhas dos presentes.

— Sim... Era esse o poder que eu esperava... Venha até mim, Rocky!

O grande Onix ergueu sua cauda ameaçadoramente e Ethan levantou-se e correu em direção ao seu Pokémon.

— ROCKY, NÃO! — Berrou o garoto sacando duas PokéBolas.

Foi tudo muito rápido. Quilava e Sandshrew surgiram na frente de Onix e enrolaram-se em uma bola. O Defense Curl dos dois impediu que Rocky atingisse Ringo com um golpe mortal.

Ethan parou na frente de Rocky e esticou os braços para os lados. O garoto olhou no fundo dos olhos de seu Pokémon, cheios de ódio e rancor, e deixou seu coração transparecer em cada palavra que dizia.

— Rocky! Controle-se! Eu sei que dói, mas, por favor, acredite em mim! Eu estou com você!

O Onix continuava a espernear. Furioso, urrou para Ethan que não se moveu e continuou encarando a criatura colossal de forma séria.

Amy e Forrest correram até o garoto para tentar auxiliá-lo, mas Ethan lançou um olhar severo para os amigos.

— Não se aproximem! Ele é o meu Pokémon e eu sou eu quem vai controla-lo! — Gritou Ethan aos amigos.

Os garotos se entreolharam e recuaram alguns metros. Por segurança, sacaram cada um uma PokéBola para agirem em alguma emergência.

Ringo aproximou-se de Ethan. Com seu sorriso sínico, gritou no ouvido do garoto.

— Você não conseguirá controlar tamanho poder, moleque. Rocky não é um Pokémon para uma criança burra como você.

Aquelas palavras ecoaram na cabeça de Ethan. Aquele tom de voz, aquela atitude, aquele jeito de ser... Em sua memória, apenas a lembrança da última vez em que vira aquele homem, as palavras de um desprezo que Ethan nunca havia visto em ninguém antes: “Espero que você seja um Pokémon inútil para o resto da vida. Você não aproveitou a grande oportunidade que o Grande Ringo deu para você”.

Ethan caiu de joelhos. Ringo estava certo: Ele nunca seria bom o suficiente para controlar seu Pokémon.

Forrest fechou os punhos com força e caminhou-se em direção a Ringo.

— Você é um ser humano escroto. Você não aproveitou a grande oportunidade que teve de calar essa sua boca.

O moreno desferiu um soco no meio do rosto do rapaz, quebrando seu nariz.

O grito de dor de Ringo só não foi mais alto que o berro que Forrest deu para Onix.

— LIBERTE-SE, ROCKY!!!

Aquelas palavras entraram pelo ouvido de Onix, foram decodificadas pelo seu cérebro e formaram um golpe de calor em seu coração, aquecendo todo seu interior. A raiva em suas veias dissipou-se e sua consciência voltou a tomar conta de seu ser. O Onix gentil e amável que Ethan conhecera semanas atrás estava de volta.

Rocky chacoalhou a cabeça e olhou em volta. Viu que Ringo o olhava com uma expressão de pavor e pânico. Era a primeira vez que ele via seu antigo treinador daquele jeito.

Ao olhar para baixo, viu Forrest o encarando com um olhar sério. Mas era um olhar determinado e amoroso. Sentiu que seus corações estavam conectados de alguma forma e que compartilhava esse mesmo sentimento. Rocky sentiu que ele não seria atacado por mais ninguém.

Apesar de um pouco confuso, Rocky estava lúcido. Abaixou sua cabeça em direção a Forrest e encostou seu grande focinho na testa do rapaz.

Ethan, exausto, encarou aqueles dois. Sorrindo, apenas levantou-se do chão e aproximou-se de Amy. Forrest pensou em milhares de coisas para dizer que poderiam resumir aquele momento, mas seu coração permitiu apenas que uma única palavra fosse produzida. Uma palavra que resumia muito mais do que aquele momento, mas aquela relação de confiança que acabara de ser selada de uma vez entre eles.

— Obrigado.

Amy e Ethan encararam-se e sorriram. Ninguém ali percebeu — ou fez questão de perceber — quando Ringo, cambaleando, retirou-se dali, retornando para a metrópole, amaldiçoando baixinho Rocky, Forrest e todos os outros.

***

As portas do Centro Pokémon abriram-se e Eusine saiu. Olhou para o horizonte, onde o Sol se despedia e a majestosa figura de Suicune o encarava, como se o desafiasse.

— Suicune...! — Exclamou Eusine baixinho.

O rapaz correu em direção ao mar para poder alcançar aquele Pokémon lendário, mas uma névoa repentina tomou conta do corpo de Suicune, fazendo-o desaparecer por completo.

Eusine parou imediatamente e começou a piscar os olhos. Olhou para os lados tentando inutilmente procurar algum rastro de Suicune, mas não havia mais nada.

Perdido em pensamentos, ele realmente não sabia se aquela cena havia sido uma ilusão de sua cabeça ou se Suicune realmente estava ali, tão próximo e exclusivo dele. Ele não sabia se era um sonho ou verdade, mas ele havia sido escolhido pelo próprio Suicune a desafiar suas habilidades. E Eusine estava disposto a fazer o que estivesse em seu alcance para pegar aquela criatura.

***

Próximo à Cidade de Mahogany, Silver admirava as águas cristalinas do Lago da Fúria. O vento soprava em seu rosto e a lua minguante fazia companhia. Mantinha as mãos nos bolsos e concentrava-se para perceber qualquer sinal da chegada de seu visitante, que não demorou muito para se juntar à presença do ruivo.

Silver o encarou de cima a baixo. Conversavam muito discretamente. Mesmo que eles soubessem que estavam sozinhos, os dois não podiam arriscar serem descobertos ou vistos juntos.

— Eu nunca imaginei que isso pudesse acontecer. Acho que o mundo ainda pode me surpreender... Enfim, eu pensei em sua proposta e acho justo. No entanto, espero sinceramente que você não volte atrás... Afinal, o que está em jogo é bem mais do que um bem pessoal.

O rapaz encarou Silver e deu uma risadinha.

— Você acha mesmo que eu vou faltar com a minha palavra? Estou lhe dizendo que, por mim, está tudo certo. Meus planos com a Equipe Rocket é apenas pelo controle de Lugia e Ho-Oh, nada mais. Se entregar a Amy for o preço a se pagar, considere nosso trato fechado.

Silver o encarou curioso.

— E como você pretende captura-la, Red?

O rapaz sorriu.

— Eu tenho as minhas iscas.



TO BE CONTINUED...



{ 8 comentários... read them below or Comment }

  1. Rocky vai ser um dos pokemons mais fortes de Ethan (Ou de Forrest ) ,se ele souber controlar esse Rage

    Eu entendo o lado de Eusine e tão não o odeio tanto,já o Ringo,que treinador escroto ,ele não merece o soco do Forrest,merece o soco do Saitama

    Nossa,Red e Silver junto ,me lembra o nome daquele Mew,o Mew Tretas

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Donnel!

      Rocky desconhece a força que tem. Espero que Ethan (ou Forrest) possam extrair o máximo desse grande Onix.

      Eusine é só mal compreendido... O problema do Ringo é falta de porrada mesmo. Pode chamar o Saitama: A gente segura, ele espanca. HEUAHAEUHEAUHEAUAEHA XD

      Sobre Red e Silver: Nada a declarar sobre a piadinha. XD

      See ya, man!

      Delete
  2. Olá!

    Adorei o episódio! Estou ansioso para ver até onde vai toda essa raiva de Rocky e seria muito interessante ver-mos Ethan e Forrest a treina-lo juntos!

    Esse Ringo merece morrer, desculpe a honestidade!

    Gostaria muito de ver um especial do Eusine, sinto que ele tem muita historia para contar!

    Silver e Red? Hmmm... confesso que foi super imprevisivel mas e se isto for um plano de Red para acabar com Silver de uma vez por todas?

    Mal posso esperar! Xau!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Angel!

      Que bom que você curtiu! Esse capítulo se tornou um queridinho pra mim. kkkk

      Seja sempre sincero! Acho que o Ringo vai ter seu troco logo, logo... Se vai ser com morte, eu não faço ideia. O que você acha?

      Estou pensando em especiais pra ele sim, mas eu ando meio sem tempo... Mas logo a gente se ajeita e em breve ele aparece de novo por aqui.

      Sim, Silver e Red! Sobre o que Red tem na cabeça, eu confesso que não sei... Mas também acho estranho ele falar com Silver. Bem, acho que o melhor é esperar, né?

      Espero que continue se surpreendendo!

      See ya!

      Delete
  3. Yoooo

    TA SAINDO DA JAULA O MONSTRO

    Mano que episódio(capítulo) bom,Ethan fazendo Ethanzices afinal uma cabana de madeira não é um local adequado para um Onix,O Ringue foi a nocaute (badunts),Eusine 100% Muito Loko,Ethan saco de pancadas e o que mais produção? A sim,o Silver fazendo time com o Red o que pode significar que o Red é um traíra ou que ele está fingindo

    Também gostaria de iniciar uma Miltank (baduns) para comprarmos uma luva de box para o Forrest

    See Ya

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Dark!

      FAZ O URRO! BIIIIIIRL!

      Que bom que você curtiu. Como é bom voltar e ver que ainda estão aqui. Eu passei por uns perrengues, mas a história tá de volta (por enquanto).

      Essas tretas cabulosas são magníficas. Eu adoro como os personagens reagem uns com os outros, como cada um tem sua própria treta interna e como isso altera o enredo. Resta saber o motivo de Red e Silver estarem juntos... Hmmm

      Espero que continue curtindo, meu mano!

      See ya!!

      Delete
  4. O que dizer sobre esse capítulo? Só aconteceu coisa bizarra, pra começo de conversa. De cara a gente já vê o Ethan, no ápice de sua inteligência, liberando um fucking Onix dentro de uma cabaninha de madeira que não passa por reformas desde mil novecentos e vovó Mafalda.

    Eu particularmente gostaria de ver o Eusine e o Ringo se estrangulando enquanto o Suicune só saía tranquilo fazendo seus Jesus Walk por cima das águas rindo da cara deles, mas não vou negar que foi muito bom ver as coisas acontecerem de forma diferente. Rocky entrou em full rage mode e saiu distribuindo tapa na cara de todo mundo. E ao que tudo indica ele agora é do Forrest, pra quem tinha dúvidas se ele ia ficar com o especialista em Rock-type ou com o Ethan.

    Pra terminar, essa conversa do Red com o Silver... Mano, eu sempre achei que o Red não era muito confiável, mas isso era mais por conta dele ser bem indiferente quanto aos outros. Agora negociar a liberdade da Amy com o Silver em troca de Ho-oh e Lugia? I'm out! Chega de plot twists! Já deu!

    ...

    Mentira, posta mais! kkkkkkkkkkk

    Resta saber se ele será mesmo capaz de fazer uma coisa dessas, ou se isso seria apenas uma armadilha pro Silver, como o pessoal está suspeitando aí nos comentários. De qualquer forma eu vou apenas aguardar pra ver. Sou paciente, e sei que a hora de resolver esse caso vai chegar.

    Por enquanto é isso. Até! õ7

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Shadow!

      Esse capítulo é um dos meus favoritos dessa segunda temporada de AeJ porque sempre acontece alguma coisa. Nossos protagonistas não descansam nem por um minuto, literalmente! E tudo isso começa por que o Ethan, aparentemente, não tem um pingo de noção espacial. Kkkk

      Ringo e Eusine. Finalmente, depois de algum tempo, esses dois fizeram seu retorno à nossa história. E mais uma vez o Dento aqui prova o quanto ama os personagens secundários de AeJ. Eu posso até esquecer os movesets dos Pokémon dos protagonistas, mas dos personagens secundários, nunca! Como plot twist nunca é demais, e como um rival só nunca é o bastante, Ethan teve que lutar logo com DOIS rivais de uma vez. Pra ficar melhor, só faltou o Joey no meio da treta (sdds, Joey). Além disso, Rocky parece começar a se encontrar... Mas, sim, mais provavelmente que Forrest o ajude nisso, mesmo que um Onix fosse talvez uma força de peso numa provável equipe pro Ethan usar na Liga Pokémon (sdds Titânia). Vamos ver como vai ser essa dança das cadeiras aí.

      O Red nunca foi flor que se cheire. Todo mundo sabe que só porque ele se tornou o maior treinador Pokémon do mundo (depois do Joey) e todo mundo começou a pagar pau pra ele, a fama subiu à cabeça e ele tá achando que pode sair por aí aprontando nas sombras e se aliando aos vilões. Se bem que, com um alvo feito a Amy, ele tá mais que certo em tentar derrubá-la de um jeito ou de outro, visto que eles dois tem um passado mal resolvido e que, se Red associou-se com a Equipe Rocket só pra derrubá-la, é porque o buraco é mais embaixo.

      Espero que você e os leitores continuem com o faro de detetive bem apurado, porque vão precisar usar bastante.


      See ya!

      Delete

- Copyright © 2015 - 2018 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -