Posted by : Dento Jan 7, 2016



Ethan já caminhava a algumas horas desde que saiu da Cidade de New Bark. Depois de começar uma amizade (e uma rivalidade) com Joey, o treinador egocêntrico, encontrava-se no fim da Cidade de Cherrygrove, no caminho que levava a Rota 30. Sozinho, o garoto almejava, agora com Cyndaquil e Sandshrew em sua equipe, a Cidade de Violet, onde poderia desafiar o Ginásio local para conseguir sua primeira insígnia da Liga Pokémon. Vários Pokémon selvagens habitavam a Rota, então Ethan decidiu capturar algum.

— Então... Que Pokémon eu posso pegar? — Perguntou a si mesmo. O Pokémon ideal seria um que fosse forte, mas não muito difícil de capturar. Logo, procurando mais um pouco, encontrou o Pokémon perfeito.
— “Caterpie, o Pokémon Verme. Para se proteger, ele libera um cheiro horrível das antenas em sua cabeça para afastar os inimigos. Seus pés têm ventosas destinadas a ajuda-lo a andar em qualquer superfície. Ele tenazmente sobe em árvores para forragem. Além disso, é uma das poucas espécies Pokémon que evolui rápido em condições naturais.” — Registrou a PokéAgenda.


— Seu nome é Caterpie? — Perguntou ao pequeno Pokémon verde que parecia uma minhoca. — Bem, acho que você pode ser bem útil. Sandshrew, eu te escolho! — Disse Ethan sacando a PokéBola de seu Pokémon e lançando-a em batalha.

Caterpie logo entrou em posição de batalha. Sandshrew encarou o oponente e esperou as ordens do seu treinador.

— Sand, vamos começar! Rapid Spin!

Sandshrew enrolou-se ao redor de seu corpo e atacou. Girando cada vez mais rápido, mirava em Caterpie, que por ser mais devagar, quase não conseguiu se esquivar do ataque. O Pokémon Verme atacou com um uma espécie de seda saindo de sua boca.



— Que ataque é esse?! — Ethan pegou sua PokéAgenda. — Deve ser String Shot... Sandshrew, cuidado!

Quanto mais rápido Sandshrew rodava, mais fácil ficava preso na armadilha de seda de Caterpie. Sandshrew ficou inutilizado, pois não conseguia se mover.

Caterpie correu e investiu contra o enrolado Sandshrew que caiu nocauteado.

— Retorne, Sandshrew! — Um raio vermelho da PokéBola de Ethan recolheu Sandshrew de volta. — Mas que Pokémon danado esse Caterpie! Mas eu não vou desistir! Cyndaquil, eu te escolho! — Disse Ethan lançando seu segundo Pokémon em batalha.

Cyndaquil, sonolento, percebeu que estava em meio a uma batalha. Espirrando, fez chamas saírem dos quatro buracos em suas costas.

— Cyndaquil, Ember!

Cyndaquil pegou fôlego e soltou um jato de fogo de sua boca. Caterpie foi atingido em cheio e ficou tonto.

— Acabe com isso! Use Tackle agora, vai! — Comandou Ethan.

Cyndaquil saiu correndo em direção a Caterpie que foi atingido em cheio e caiu no chão nocauteado.

— PokéBola, vai! — Ethan lançou uma de suas PokéBolas.

Um raio vermelho sugou Caterpie pra dentro da capsula que começou a se movimentar freneticamente. Segundos depois, o barulho da bola se lacrando fez Ethan comemorar.

— Isso! Capturei meu primeiro Pokémon! Caterpie, agora você é meu! Obrigado, Cynda! — Agradeceu Ethan abraçando o Pokémon. — Veja, Sand! Conseguimos um novo amigo! — Ethan lançou Caterpie e Sandshrew para fora das PokéBolas para se conhecerem.

Cyndaquil e Sandshrew saudaram Caterpie que ainda estava meio machucado por causa dos ferimentos da batalha contra Cyndaquil.

— Não se preocupe. Eu vou curá-los. Vamos para o Centro Pokémon da Cidade de Violet! Mas... Só temos que atravessar essa rota... Vamos correndo então! — Disse Ethan retornando seus Pokémon e partindo correndo alcançando a Rota 30.

***

Silver encontrava-se um pouco mais a frente de Ethan, além da cidade de Violet, mais especificamente, na Rota 31. Ele estava chegando em frente a uma pequena casa velha, com tinta roxa desbotando das paredes e lascas de parede podre caindo. Parecia um daqueles casarões antigos de filmes do Drácula, ou do Frankenstein, só que por algum motivo, mais horripilante. Talvez pela corrosão das centenas de anos que permaneceu inabitada, ou pela falta de cuidado que antigos moradores tiveram. Muito bem escondida no meio do bosque, se o garoto ruivo não soubesse da existência de tal local, ele seria louco de explorar tais caminhos, ou bem provavelmente ficaria perdido. Muitos Pokémon selvagens habitavam as rotas de Johto, mas os treinadores não exploravam-nas totalmente, com medo de se perder. Talvez com medo de encontrar um Ursaring recém-despertado de uma longa hibernação de um longo Inverno com fome. Com muita fome.

A porta rangeu irritantemente alto e agudo quando Silver a abriu. O local fedia fortemente a mofo. A madeira dos pisos que cobriam o longo corredor estava podre e com muitos buracos de cupim. E até maiores. Haviam marcas de mordidas, possivelmente de Rattata selvagens que, vez em quando, costumavam arriscar-se em busca de abrigo. Por dentro, a casa era visivelmente maior do que vista por fora. Talvez ela tenha sido construída em direção ao subterrâneo, o que explicaria Silver estar descendo pequenas ladeiras que o levava aos fundos — ou seria ao porão? — da casa.



Um burburinho era ouvido, cada vez mais alto e forte, a cada passo que Silver dava rumo a uma porta que estava arrombada. A fechadura estava no chão e risadas eram audíveis. Silver cruzou a porta e, ao verem isso, os capangas da Equipe Rocket silenciaram-se de imediato.

— E vocês, idiotas, continuam fazendo zoeira e farra de novo... Enquanto isso, meu pai está tentando comandar uma ultra missão para nos tornarmos a maior organização do Mundo adquirindo os poderes dos pássaros lendários Lugia e Ho-Oh. Bonito, não é mesmo? — Disse Silver seco.
— Não se precipite Silver. Você mesmo sabe que Giovanni está com todos os detalhes em mãos e sob controle. A invasão da Torre do Sino em Ecruteak onde Ho-Oh se encontra está parcialmente certa. — Um homem de olhos verdes maliciosos com cabelos de mesma tonalidade e voz fria falava para Silver com um sorriso malicioso.
— “Parcialmente”? Se não é total a certeza, poupe-me dos detalhes, Proton.
— Resolveu dar uma de chefe, Silver? — Retrucou Proton com um sorrisinho sádico.
— Você diz isso como se não soubesse que eu sou o chefe. — Silver respondeu com um sorriso frio.
— Muito bem, “chefe”... Como anda sua missão?
— Está melhor e bem mais avançada que a sua, meu caro.
— Está agindo como uma menininha mimada com essas respostas prontas, Silverzinho. — Uma voz feminina grave e temorosa surgiu na conversa.
— Ora, Ariana... Tenho noticias da sua precisa menininha. Não quer saber? — Silver dirigiu um olhar sádico para a ruiva.
— Por mim, eu quero que Amy morra.
— Não quer não. Por acaso, sua garotinha esteve em New Bark, no laboratório do Professor Elm.
— Aquele professor babaca? Haha! O que aquela idiota estava fazendo lá?! — Riu Proton.
— Não sei. Mas minhas fontes informaram que ela esteve em Kanto. Mais especificamente, na Cidade de Pallet. No laboratório daquele Samuel Carvalho.

Houve um silêncio mortal repentino na sala quando Silver terminou de contar. O que Amy estaria fazendo no laboratório da Cidade de Pallet?

— E sobre o comércio de Caudas de Slowpoke? Como estamos? — Perguntou Silver depois de algum tempo quebrando o silêncio.
— As vendas estão indo muito bem. Acho que Giovanni tem aprovado os novos milhões que entraram na conta bancária da Organização. — Respondeu Proton.
— E vocês estão se cuidando, não é? Não estão deixando nenhum vestígio de que a Equipe Rocket esteja agindo? — Perguntou Silver sério.
— Acha que somos idiotas, garoto?! Como ousa perguntar algo absurdo desses?! Você esqueceu quem nós somos?! — Ariana ergueu-se da mesa e apontava para Silver que permanecia parado encarando a mulher.
— Não, Ariana. Não duvido. Mas tenho que dizer que... Red não está mais no Monte Prateado. E já faz uns dois meses mais ou menos. Isso significa algo para você?

Ariana mudou sua expressão. De raiva, seu rosto esboçou um olhar de desespero.

— O garoto resolveu se mexer? Acha que, possivelmente, sabe que estamos na ativa? — Perguntou com uma voz fria.
— Não creio que ele literalmente saiba, porém, pode suspeitar. Três anos se passaram desde que Johto e Kanto inteiras deram mérito para ele só por ele ter derrotado por sorte meu pai. Ele pode ter até se tornado um Mestre Pokémon, ou qualquer nome que tenha esse título soberano, porém, a Equipe Rocket fortaleceu-se também nesse tempo. E ninguém vai poder mexer conosco. Nem mesmo aquele idiota metido. — Respondeu Silver.
— Dane-se. Ele continua sendo o Red. Ainda acho que se ele nos ferrou uma vez, pode ferrar de novo. — Informou Proton.
— Não diga coisas que eu já sei. Não só eu, toda a Região de Kanto. — Retrucou Silver.
— Tá certo, tá certo. Agora vamos trabalhar? Temos o negócio da Cauda de Slowpoke para continuar e você tem a Amy para caçar, Silver. — Disse Proton.
— Se você diz... — Disse Silver virando as costas e retirando-se.
— Mantenha contato. — Disse Ariana levantando-se da mesa.
— Não se preocupe. Sua queridinha vai dar noticias, Ariana. Até mais. — Disse Silver por fim saindo da sala.
— Realmente ele parece muito com você, Ariana. — Disse Proton com um sorriso provocativo.

***

O trem parava na estação de Violet. Assim que Forrest descera do trem, vira que o clima de Johto era bem diferente de Kanto. Johto tinha um cheio litorâneo no ar. Talvez por mais da metade do continente ser banhada pelas águas do mar. Kanto tinha um ar mais rural e montanhesco. Havia uma leve diferença entre os dois continentes vizinhos.
Era a primeira vez que Forrest saia em uma jornada Pokémon sozinho. Ele nunca tinha saído da Cidade de Pewter antes. Agora, ele tinha um novo caminho para trilhar sozinho. Ou quase.

O garoto ouvira um grito vindo ao longe. Ethan corria fugindo de Pokémon que o atacava com Vine Whip. E tais Pokémon pareciam muito nervosos.

— SOCORRO! — Berrava Ethan.
— Mas o quê?! Rhyhorn, ajude-o! Use Earthquake! — Forrest lançou sua PokéBola. 

O Pokémon usou seu corpo para causar um terremoto no chão, derrubando Ethan e os Pokémon que estavam atrás dele.

— Garoto, faça alguma coisa! Um Pokémon como Rhyhorn é fraco contra um Pokémon do tipo Grama como Bellsprout! — Exclamou Forrest para Ethan.
— Um Pokémon do tipo Grama? Já sei! Vai, Cyndaquil! — Disse Ethan jogando do chão a Pokébola do Pokémon. — Ember!

Cyndaquil preguiçosamente lançou um jato de fogo de sua boca que atingiu os Bellsprout assustando-os e fazendo-os fugir, além de deixar alguns fora de combate.

— “Rhyhorn, um Pokémon Chifre. É incapaz de se virar por causa de suas quatro pernas curtas. Só pode atacar e correr em uma única direção por vez. Ele não se importa se há alguma coisa em seu caminho. Ele só ataca e destrói todos os obstáculos”. — Registrou a PokéAgenda de Ethan.
— Cara, você tá bem? — Forrest correu até Ethan.
— Estou bem. Obrigado pela força.— Ethan levantou-se com ajuda de Forrest. — Meu nome é Ethan. Estou em viagem para me tornar um grande Treinador Pokémon.
— Eu sou Forrest. Viajando para me tornar um grande Líder de Ginásio e superar o meu irmão, Brock.
— Líder de Ginásio? Que maneiro! — Exclamou Ethan.
— Diga-me Ethan... Por que você estava sendo perseguido por aqueles Bellsprout?
— Longa história... — Suspirou Ethan.

Memórias voltavam à mente de Ethan que se preparava para contar a história a Forrest.

  ...

Ethan chegara finalmente a Cidade de Violet. Após sair do Centro Pokémon, almejava o Ginásio local.

— Haha! Finalmente cheguei na Cidade de Violet! Agora eu posso desafiar o Ginásio! Mas onde será que ele fica?

Ethan saiu à procura de um mapa ou de alguma pessoa que pudesse informa-lo.
Pouco tempo caminhando, avistou uma pessoa idosa. Seus cabelos prateados estavam presos em um coque e trajava um vestido florido que era acompanhado por um par de chinelos feitos de couro. Sua visão era auxiliada por um par de óculos com remendos entre as lentes e nas hastes. Seu corpo curvado era auxiliado por uma bengala bege muito simples. Imediatamente correu até ela.

Image by - Pokémon Wikia

— Senhora, com licença. Poderia me informar onde fica o Ginásio de Violet? — Perguntou Ethan.
— Ah, meu jovem... Você me lembra meu netinho que sumiu... Ele um dia foi um grande treinador Pokémon... — Suspirou a velhinha.
— Sério? Sinto muito... Mas onde fica o Ginásio?
— Ele era idêntico a você e...
— Senhora, poderia me dizer onde fica o Ginásio?
—... Ele saíra há muito da Cidade de Violet, dizendo que não voltaria até se tornar um Mestre Pokémon e...

MAIS OU MENOS DUAS HORAS DEPOIS...

E então, setenta e cinco anos se passaram e cá estou eu. Desde que Charlie morreu, moro sozinha com meus Meowth. — Terminou a velhinha. — Filho? Você está vivo? — Ethan estava caído no chão dormindo. A velhinha o cutucava com a bengala.
— Hã? Quem? Ah, acordei! — Exclamou Ethan sonolento levantando do chão. — Ah, lembrei! A senhora vai ou não vai me falar onde fica o Ginásio? — Perguntou Ethan já ficando irritado.
— Hã? Ginásio? Não sei de Ginásio nenhum... — Disse a velhinha. Ethan fez uma cara incrédula. — Porém, você pode perguntar para alguém na Torre Brotinho.
— Torre Brotinho?
— Sim. Uma torre que treinadores desafiam. Lá tem monges e Bellsprout bonitinhos. — Disse a velhinha.
— E para que lado fica essa Torre Brotinho? — Perguntou Ethan instantaneamente empolgado.
— Para lá. —Disse a velha apontando para o Norte.
— Ótimo! Obrigado, vovó! — Disse Ethan correndo para onde a senhorinha tinha apontado.
— “Vovó” é a velha da sua avó, moleque! — Berrou a velha.

— Cara, se eu soubesse o que ia acontecer comigo depois, eu jamais teria ido para a Torre Brotinho... — Suspirou Ethan.
— E o que aconteceu depois? — Perguntou Forrest interessado.
— Bem... — Continuou Ethan.

— É aqui que é a Torre Brotinho? — Perguntou Ethan parado em frente a uma enorme torre.
— Você está procurando por um desafio, jovem? — Perguntou uma voz.

Ethan virou-se e deu de cara com um homem careca que estava vestido com uma manta marrom.

— Sim! Quem é você? — Perguntou Ethan ao homem.
— Eu sou um dos monges que cuidam da Torre Brotinho. Por favor, siga-me. — Convidou o homem.

A torre era enorme por dentro. O chão era todo de madeira e havia detalhes em mármore em muitas paredes. No centro da torre, tinha uma espécie de pilar gigante que balançava de um lado pro outro. Havia estátuas de um Pokémon estranho por todos os lugares. O Pokémon que estava sendo retratado andava por todos os lugares da torre. Havia muitos deles.


“Bellsprout, um Pokémon Flor. Mesmo que o seu corpo seja extremamente magro, ele é incrivelmente rápido quando persegue sua presa. Ela planta seus pés na profundidade do subsolo para se reabastecer de água. Este Pokémon não pode escapar de seu inimigo enquanto está enraizado.”— Registrou a PokéAgenda de Ethan.
— “Bellsprout”? Que Pokémon estranho... — Murmurou Ethan.

O garoto sentiu uma forte dor no rosto e caiu no chão. Quando recuperou os sentidos, viu que tinha sido atingido por um Vine Whip de um dos Bellsprout que o encarava com raiva.

Image by - Pokémon Wikia


— Mas o quê?! — Exclamou Ethan.
— Aqui na Torre Brotinho, os Bellsprout são considerados sagrados. São Pokémon sensíveis. — Explicou o monge com um sorriso.
— Ah... — Suspirou Ethan enquanto acariciava o rosto dolorido.

Ethan e o monge ainda caminharam pelos andares da torre, onde cada vez mais Bellsprout apareciam. O monge acabou parando para acariciar um Rattata selvagem, mas Ethan não percebeu e continuou andando distraído.

— Quando vamos batalhar? Você disse que treinadores vinham lutar aqui. — Ethan disse ao silêncio. Não obtendo resposta, olhou para trás e viu que estava sozinho. — Senhor monge?

A cada vez mais que Ethan andava, mais escuro ficava. Ele então resolveu “iluminar” o lugar.

— Cyndaquil, saia! Ilumine isso aqui! — Pediu sacando a PokéBola e liberando seu Pokémon.

Cyndaquil espirrou e chamas sairam de suas costas que deram luz ao lugar.

Um grito de dor fora ouvido e Ethan sentiu seu pulso e pernas sendo amarrados. Devido à rapidez que acontecera, ele caiu e bateu fortemente as costas no chão.

— Cyndaquil! Ember, vai!

Cyndaquil lançou um forte jato de fogo para frente e para os lados. Ethan sentiu-se livre e correu com Cyndaquil para o caminho oposto. Na claridade, viu-se cercado por muitos Bellsprout.
— O que vocês querem?! — Berrou Ethan.

Os Bellsprout avançavam ameaçadoramente em direção de Ethan e Cyndaquil. Um pouco mais longe, Ethan via um bando de Bellsprout ajudando um outro com as costas feridas.

— Por que vocês estão nos atacando?! — Ethan perguntou e saiu correndo — Vamos Cyndaquil, Ember!

Enquanto Cyndaquil corria, fazia um corredor de chamas que ou assustava os Bellsprout ou fazia-os cair nocauteado.

Ethan logo localizou a saída da torre. Os monges corriam desesperados tentando acalmar os Bellsprout que continuavam a seguir Ethan.

— Aí eu te encontrei. — Finalizou Ethan para Forrest.
— Caramba, cara... Você atingiu um Bellsprout sem querer enquanto tentava iluminar a torre... Você é idiota? — Disparou Forrest zoando Ethan.
— Não começa, tá? Fiquei traumatizado com isso...
— Você tá viajando sozinho? — Perguntou Forrest.
— Estou. Por quê?
— Por que não viajamos juntos? Eu acabei de chegar e não conheço a natureza do Continente... E eu sou mais experiente em batalhas que você... Então podemos juntar o útil ao agradável. Além do mais... Viajar sozinho é meio sem graça, não acha?

Ethan encarou Forrest e deu um sorriso.

— Por que não? Além do mais, você me deve uma por ter me salvado. — Disse Ethan apertando a mão do novo colega de viagem.
— Mas antes, vamos passar no Centro Pokémon. Seu Cyndaquil deve estar cansado depois dessa luta...
— Tem razão. Vamos nessa... E depois, o Ginásio de Violet me espera! — Disse Ethan.

Explorar o desconhecido sem estar preparado pode trazer consequências bizarras. Ethan aprendeu isso da pior maneira possível. Agora com um novo companheiro de viagem e amigo, o rapaz continua sua viagem, agora com um objetivo: Ganhar sua primeira insígnia da Liga Pokémon. Será que ele consegue?


TO BE CONTINUED...







{ 12 comentários... read them below or Comment }

  1. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
    AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

    Ok chega. EU AMEI ESSE CAPÍTULO!!!!!!!!!!!

    Forrest se tornando o mais novo companheiro de viagem, Forrest reaparecendo, Silver reaparecendo, ships ships ships!!!!!!!!!!!!!!! EU QUERO O PRÓXIMO IMEDIATAMENTE!!!!!!!!

    Ok, não imediatamente, quero o próximo............ daqui a dois dias!!!!!! Senão vou fazer uma greve. E OIA QUE EU FAÇO!!

    Que cap maravilhoso cara. Dá vontade de chorar.

    Sério, desta vez o comentário vai ser pequeno porque eu não tenho o que dizer. Na verdade, tenho sim........

    O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL, O PRÓXIMO CAPÍTULO!!

    Jaa na!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Haja coração! Daqui dois dias? Mas os capítulos são semanais! AHUEAHAUEHEAU.

      Mas pra você não fazer greve, vão pintar mais capítulos durante a semana. É só isso que eu tenho pra falar no momento. Hehe

      See ya!

      Delete
  2. Ethan so toma surra pros pokemons mais fracos Rsrsrsrs
    Ninguem merece perder pra alguns bellsprouts com um pokemon de FOGO um pokemon de FOGO que mata esses bichos estranhos com um ESPIRRO com um ESPIRRO e ainda tem o sand que pode ajudar

    Ps:EU AINDA QUERO UM TOTODILE FAÇA ELE CAIR NA CARA DO ETHAN MAS DE UM JEITO DE UM TOTODILE ENTRAR NA TEAM.
    PS-2: O capitulo foi muito bom principalmente mostrando a personalidade do Forrest.

    ReplyDelete
    Replies
    1. E aí, mano! =D

      Ethan apanha porque é inexperiente como treinador. Ele ainda não sabe usar as técnicas direito. É como um RPG: No começo, quando estamos aprendendo a jogar, costumamos perder às vezes para as criaturas mais fracas e bobocas. =]

      Cyndaquil não daria conta sozinho de milhares de Bellsprout em cima dele. Tendo em mente que, inclusive nos jogos, os golpes tem um limite e, como qualquer ser vivo, Cyndaquil poderia cansar e piorar a situação de Ethan. Quanto à Sandshrew, Ethan fez muito bem em NÃO usá-lo, visto que, por ser do tipo Ground, leva danos super-efetivos do tipo Grass de Bellsprout. Imagina várias atacando ao mesmo tempo? kkkk. Fugir foi o melhor caminho pro Ethan. Ele não dava conta sozinho. Ainda bem que topou com o Forrest, não é mesmo?

      PS: Totodile ainda vai aparecer mesmo, nos próximos capítulos. =D

      No mais, que bom que gostou. Espero que você aprove os próximos também. XD

      See ya!

      Delete
  3. Nada como uma boa reunião da Team Rocket para começar a esquentar as coisas. A menção ao Red também mexe com muitas expectativas no roteiro, mas só o fato de termos uma nova aparição dos grandes vilões do mundo Pokémon já torna tudo mais interessante! O Silver chega num lugar com o Proton e a Ariana, mas ele liga pra isso? Não, ele já vem metendo o loko, a palavra dele é lei! E agora que ele vai entrar na cola da Amy eu prevejo mil tretas!

    Ethan fez sua primeira captura, e agora mostrará que Pokémons do tipo inseto são verdadeiras armas nucleares! Pelo menos eu tive a oportunidade de treinar um Beedrill competitivo, e posso dizer com toda certeza do mundo que esse bicho é infernal, com ou sem mega evolução!

    E finalmente o Forrest e o Ethan se encontraram! Não foi da melhor maneira possível, mas pelo menos tiveram um bom assunto pra iniciar uma conversa... O que vale é que eles agora seguirão viagem juntos, e já na próxima parada teremos o Ginásio de Violet! Você sabe como eu sou exigente com batalhas de Ginásio, então mostre que o Falkner é dos bons!

    Nos vemos! õ/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo Shadow!

      A Equipe Rocket volta a dar as caras. É que a palavra do filho mimado do chefe tem poder, né? kkk A Amy que não se cuide pra ver... Ter o Silver como perseguidor deve ser muito tenso.

      Ethan deixou a zona de conforto e pegou seu primeiro Pokémon! Mas penou pra pegar ele... E a galera achando que Caterpie era um Pokémon fraco por ser um verme... Sabem de nada, inocentes! Um Pokémon Inseto bem treinado é uma máquina mortífera!

      2/3 do Time está completo agora. Vamos ver como essa dupla dinâmica vai se sair... Afinal, um é experiente. O outro, um completo iniciante. Eles vão ter MUITA coisa pra conversar...

      O Ginásio de Violet tá logo aí! Como será que o Ethan vai se sair? Espero que você curta! =]

      See ya! (>~<)7

      Delete
  4. Olá!

    Dento você faz-me apaixonar pelos vilões! Por falar em paixão, eu acho que era super interessante ver-mos um Silver apaixonado pela Amy, não sei que ideia idiota foi esta, só precisava de dizer mesmo. Bem, eu adorei essa cena com os Rocket! As descrições estavam no ponto, assim como as falas! Adoro esses momentos de tensão e mistério!

    Ethan, Ethan, Ethan...
    Ansioso pelo dia que ele ganhe juízo!
    Adorei essa forma diferente (mais uma vez) de contar os acontecimentos da torre, achei muito original, assim como aquela velhinha kkkkkkk

    Até agora o Forrest ainda não me chamou muito a atenção, mas espero que ele possa ajudar Ethan com os seus conhecimentos em combates e com os pokémon!

    Tenho uma pergunta para lhe fazer: visto que a team do Ethan está a ficar cada vez mais completa, há alguma possibilidade dele ter mais de seis pokémon, largar ou trocar algum? É só mesmo por curiosidade!

    Xau!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Yo, Dark Angel!

      Que bom que você tem empatia com os vilões! Geralmente as pessoas querem que eles morram logo. kkkkk

      É uma boa ideia essa paixão do Silver pela Amy... Mas talvez ele esteja tão obsessivo por ela que essa palavra não encaixa em seu dicionário... Mas vamos ver até onde isso vai dar...

      O Ethan vai amadurecendo aos poucos. Acho que o isso se deve ao fato de ele sempre acabar se encrencando no começo da viagem... Mas é uma inocência tipica do personagem, não é? Como eu disse nas notas do autor, eu não queria que ele se tornasse o treinador mais poderoso da região em cinco capítulos, por aí. É um processo lento de experiência. Afinal, como todo bom RPG, sempre tem esse desenvolvimento do personagem, onde cada desafio faz o personagem crescer um pouco. É isso que eu tento retratar. =]

      Forrest é um personagem caladão mesmo. Deve ser devido ao seu excesso de timidez. Espero que ele se solte mais também, afinal, ele foi bastante legal ajudando o Ethan com as Bellsprout (Ethan só tem encontrado pessoas legais!).

      Falando nas Bellsprout... Que ótima aventura, né? Ser atacado por descuido. E a velhinha, bem, ainda vai dar as caras de vez em quando.

      Respondendo sua pergunta: Sim, existe essa possibilidade. Ele capturará mais de seis Pokémon, o time dele passará por rotações e mudanças a cada batalha. Eu não posso detalhar muito, porque se não acaba perdendo a graça... Mas adoro dizer para os leitores: Façam suas apostas. Quais Pokémon o Ethan poderia capturar? Muitas sugestões podem acabar sendo incluídas. Afinal, quem faz a história são pessoas como você, Dark, que vem aqui e comenta, dá suas opiniões. Eu só conduzo os personagens. =]

      See ya!

      Delete
  5. Precisa melhorar essa escrita ai

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá, Anônimo!

      Toda sugestão é muito bem vinda ao Aventuras em Johto! =]

      Olha, em que pontos da escrita eu posso melhorar? Se você está comentando aqui é porque começou agora. Eu já estou, atualmente, no capítulo 20 e posso ter melhorado gradativamente. Mas você poderia me apontar o que você não gostou da escrita? Como os capítulos daqui pra frente já estão postados, eu não posso refazê-los, mas a partir dos inéditos, eu tomarei providências para corrigir os pontos fracos que você não gostou. =]

      Obrigado pelo feedback! Eles são muito importantes para o desenvolvimento da história, que eu sempre digo que é escrita pelos leitores também.

      See ya!

      Delete
    2. Olá Dento, respondi via E-mail! =)

      Delete
    3. Olá, Furion!

      Email respondido! =D

      Delete

- Copyright © 2015 - 2018 Aventuras em Johto - Dento (Willian Teodoro) - Powered by Blogger - Designed by CanasOminous -